PENSAMENTO CONSTITUCIONAL NO IMPÉRIO BRASILEIRO: CENTRALIZAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO E O DEBATE ENTRE VISCONDE DE URUGUAI E TAVARES BASTOS

  • Cícero Silva UNIVERSIDADE DE FORTALEZA
  • Martonio Lima UNIVERSIDADE DE FORTALEZA
Palavras-chave: Pensamento constitucional. Império brasileiro. Centralização e Descentralização. Tavares Bastos. Visconde de Uruguai

Resumo

O presente artigo visa demonstrar de que forma foi moldado o pensamento constitucional nacional durante o Brasil Império, notadamente, no segundo reinado. O tema analisado do pensamento constitucional brasileiro será aquele da centralização e descentralização administrativa e política. O texto procurará localizar e discutir a tensão entre dois dos mais significativos representantes do pensamento constitucional e político do período: Aureliano Cândido Tavares Bastos e Paulino José Soares de Sousa, o Visconde de Uruguai. Especialmente por meio do debate entre a obra de Tavares Bastos - A Província -, como defensor da descentralização administrativa; e aquela do Visconde de Uruguai - o seu Ensaio Sobre Direito Administrativo -, advogando pela centralização, é que o artigo localiza o cerne de sua discussão. O texto buscará compreender como um debate importante colaborou para a formação de uma reflexão com forte viés nacional, afastando-se da compreensão mais generalizada de que o tema da centralização e descentralização, definido como o federalismo na primeira Constituição Republicana de 1891, nada mais seria do que a reprodução das ideais norte-americanas, recepcionadas no Brasil sem contribuição da intelligentsia nacional

Referências

BASTOS, Aureliano Cândido de Tavares. A Província: Estudo sobre a Descentralização no Brasil. São Paulo: Cia Editora Nacional; Brasília: INL 1975.

_____. A Província: Estudo sobre a Descentralização no Brasil. Brasília: Senado Federal, 1997.
_____. Discursos Parlamentares. Brasília: Ed. Senado Federal, 1977.

_____. Os Males do Presente e as Esperanças do Futuro. São Paulo: Cia Editora Nacional; Brasília: INL, 1976.

BARRETO, Tobias. Estudos de Direito. Campinas: 2000, Bookseller.

BEIGUELMAN, Paula. Formação Política do Brasil. São Paulo: Pioneira, 1976.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BUENO, José Antônio Pimenta. Direito Público Brasileiro e a Análise da Constituição do Império. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1978.

BURKE, Edmund. Reflections on the Revolution in France. Edmund Burke – The Works. V. III/IV. Hildesheim/New York: Georg Olms Verlag, 1975.

CARVALHO. José Murilo. A Construção da Ordem: A Elite Política Imperial. Brasília: Ed. UNB, 1981.

CAVALCANTI, Amaro. Regime Federativo e a República Brasileira. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1983.

CAVALCANTI, Themistocles Brandão. "Apresentação". In: Paulino Soares de Souza, Ensaio sobre o Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, pg. I-X., 1960

ENGEL, M. G. Paulino José Soares de Souza. In: VAINFAS, Ronaldo (direção). Dicionário do Brasil Imperial (1822-1889). Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

FAORO, Raymundo. Os Donos do Poder: Formação do Patronato Político Brasileiro. São Paulo: Globo, 2001.

FERREIRA, Gabriela Nunes. Centralização e Descentralização no Império. O debate entre Tavares Bastos e Visconde de Uruguai, Departamento de Ciência Política da USP, São Paulo: Editora 34, 1999

GUGLIOTTA, Alexandre Carlos. Entre trabalhadores imigrantes e nacionais: Tavares Bastos e seus projetos para a nação. Dissertação de Mestrado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2007.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Do Império à República. In: História Geral da Civilização Brasileira, tomo II, v.5. São Paulo: Difel, 1985.

KOERNER, Andrei. Judiciário e Cidadania na Constituição da República brasileira. São Paulo: Hucitec/ Departamento de Ciência Política, USP, 1998.

LESSA, Pedro. Reforma Constitucional. Rio de Janeiro: Editora Brasileira Lux, 1925.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Modulando o tempo histórico: Bernardo Pereira de Vasconcelos e conceito de “regresso” no debate parlamentar brasileiro (1838-1840). Almanack. Guarulhos, n.10, p.314-334, agos. 2015

MOREL, M. O Período das Regências (1831-1840). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

RÊGO, Walquíria Gertrudes Domingues Leão. Tavares Bastos: um liberalismo descompassado. Revista USP nº 17, 1983, p 74-85. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i17p74-85


RODRIGUES, Leda Boechat. História do Supremo Tribunal Federal: Defesa das Liberdades Civis. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1991. 1v

_____. História do Supremo Tribunal Federal: Defesa do Federalismo. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira,1991. 2v

_____. História do Supremo Tribunal Federal: Doutrina Brasileira do Habeas-Corpus. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1991. 3v.

SALDANHA, Nelson. Formação da Teoria Constitucional. Rio de Janeiro: Renovar, 2000.

TORRES, Alberto. A Organização Nacional. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1981.

TORRES, João Camillo de Oliveira. A Democracia Coroada. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1957.

TORRES, Miguel Gustavo de Paiva. O Visconde de Uruguai e sua atuação diplomática para a consolidação da política externa do Império. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011.

URUGUAI, Visconde do. Ensaio sobre o direito administrativo. In CARVALHO, José
Murilo de [org. e intro.] Paulino José Soares de Sousa, Visconde do Uruguai. São Paulo: Editora 34, 2002. p. 9-57

_____. Ensaio sobre o direito administrativo. São Paulo: Editora 34, 2002.

VASCONCELOS, Bernardo Pereira de. Coleção Pensadores do Brasil. In CARVALHO, José Murilo de [org. e intro.] São Paulo: Editora 34, 1999.

_____. Manifesto Político e Declaração de Princípios. Brasília: Senado Federal, 1978.
Publicado
2020-06-08
Seção
Artigos