Investigação da Inteligência Emocional como Fator de Controle do Stress em Guardas Municipais

Autores

  • Monalisa Muniz Universidade São Francisco
  • Ricardo Primi Universidade São Francisco
  • Fabiano Koich Miguel Universidade São Francisco

Palavras-chave:

inteligência emocional, stress, guarda municipal, avaliação psicológica, psicometria

Resumo

A inteligência emocional supostamente contribui para o controle do estresse, no entanto não há pesquisas suficientes que sustentem essa posição. O presente estudo buscou investigar as relações entre inteligência emocional e estresse. Participaram 24 guardas municipais e os instrumentos aplicados foram: Mayer-Salovey-Caruso Emotional Intelligence Test V2.0 (MSCEIT) e Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). Os resultados obtidos demonstraram que não houve correlação significativa entre estresse e o escore geral da inteligência emocional. No entanto, quando se analisaram os escores nas tarefas (Faces, Figuras, Facilitação, Sensações, Transições, Misturas, Administração de Emoções, Relações Emocionais), que compõem o instrumento da inteligência emocional, pôdese constatar que o grupo que apresentou estresse demonstrou escores mais elevados nas tarefas Sensações e Relações Emocionais. De modo geral, parece que os indivíduos estressados são mais suscetíveis a experimentar emoções com menos interferência do raciocínio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Academia de Polícia Militar do Barro Branco. Edital Fuvest: São Paulo, 2003.

BRACKETT, M. A.; MAYER, J. D. Convergent, discriminant and incremental validity of competing measures of emotional intelligence. Personality and Social Psychology Bulletin, California, v. 29, n. 9, p. 1147-1158, set. 2003.

COBÊRO, C. Inteligência emocional: um estudo de validade no contexto organizacional. 2004. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade São Francisco, Itatiba, 2004.

DANTAS, M. A.; NORONHA, A. P. P. Inteligência emocional: parâmetros psicométricos de um instrumento de medida. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 59-72, jan./jun. 2005.

DAVIES, M.; STANKOV, L.; ROBERTS, R. D. Emotional intelligence: in search of an elusive construct. Journal of Personality and Social Psychology, Colorado, v. 75, n. 4, p. 989-1015, out. 1998.

FREITAS, F. A. Inteligência emocional: evidências de validade e precisão do MSCEIT no contexto educacional. 2004. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade São Francisco, Itatiba, 2004.

GOHM, C. L.; CORSER, G. C.; DALSKY, D. J. Emotional intelligence under stress: useful, unnecessary, or irrelevant? Personality and Individual Differences, Londres, v. 39, n. 6, p. 1017-1028, out. 2005.

GOLEMAN, D. Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

JESUS JR., A. G. Estudo de validade do instrumento MSCEIT em avaliação da inteligência. 2004. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade São Francisco, Itatiba, 2004.

LIPP, M. N. Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

LIPP, M. N. N. O stress ocupacional e a qualidade de vida. In: Simpósio sobre stress e suas implicações: um encontro internacional, 1., 1996a, Campinas. Anais… p. 43-49.

LIPP, M. E. N. Stress: conceitos básicos. In: LIPP, M. E. N. (Org.). Pesquisas sobre stress no Brasil: saúde, ocupações e grupos de risco. Campinas: Papirus, 1996b. p. 17-31.

LOPES, P. N.; BRACKETT, M. A.; NEZLEK, J.; SCHUTZ, I.; SELLIN, I.; SALOVEY, P. Emotional intelligence and social interaction. Personality and Social Psychology Bulletin, Londres, v. 30, n. 8, p. 1018-1034, ago. 2004.

MAGALHÃES, D. A. S. Factores indutores da stress na actividade policial: estudo exploratório com uma amostra de guardas da PSP de Lisboa. Tese (Licenciatura para formação de policiais) - Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna, Lisboa, 1999.

MATTHEWS, G.; ZEIDNER, M. Inteligência emocional, adaptação a situações de stress e os resultados para a saúde. In: BAR-ON, R.; PARKER, J. D. A. (Org.). Manual de inteligência emocional: teoria, desenvolvimento, avaliação e aplicação em casa, na escola e no local de trabalho. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002. p. 333-354.

MATTHEWS, G.; ZEIDNER, M.; ROBERTS, R. D. Emotional intelligence: science and myth. Cambridge: MIT Press, 2004.

MAYER, J. D. Emotional intelligence: popular or scientific psychology? Monitor, Washington, v. 30, n. 8, p. 50, set. 1999.

MAYER, J. D.; CARUSO, D. R.; SALOVEY, P. Selecionando uma medida para a inteligência emocional: em defesa das escalas de aptidão. In: BAR-ON, R.; PARKER, J. D. A. (Org.). Manual de inteligência emocional: teoria, desenvolvimento, avaliação e aplicação em casa, na escola e no local de trabalho. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002. p. 237-251.

MAYER, J. D.; SALOVEY, P.; CARUSO, D. R. Mayer-Salovey-Caruso Emotional Intelligence Test. Toronto: Multi-Health Systems, 2002a.

MAYER, J. D.; SALOVEY, P.; CARUSO, D. R. Inteligência emocional como zeitgeist, como personalidade e como aptidão mental. In: BAR-ON, R.; PARKER, J. D. A. (Org.). Manual de inteligência emocional: teoria, desenvolvimento, avaliação e aplicação em casa, na escola e no local de trabalho. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002b. p. 81-98.

MAYER, J. D.; SALOVEY, P.; CARUSO, D. R. & SITARENIOS, G. Emotional intelligence as a standard intelligence. Emotion, Washington, v. 1, n. 3, p. 232-242, 2001.

NASCIMENTO, M. M. Evidências de validade para o teste de inteligência emocional-MSCEIT. 2006. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade São Francisco, Itatiba, 2006.

PRIMI, R. Inteligência: avanços nos modelos teóricos e nos instrumentos de medida. Avaliação Psicológica, Itatiba, v. 2, n. 1, p. 67-77, jan./jun. 2003.

ROBERTS, R. D.; ZEIDNER, M.; MATTHEWS, G. Does emotional intelligence meet traditional standards for an intelligence? Some new data and conclusions. Emotion, Washington, v. 3, n. 1, p. 196-231. 2001.

ROMANO, A. P. F. Stress na polícia militar: proposta de um curso de controle do stress. In: LIPP, M. E. N. (Org.). Pesquisas sobre stress no Brasil. Campinas: Papirus, 1996. p. 195-210.

SALOVEY, P.; MAYER, J. D. Emotional intelligence. Imagination, Cognition and Personality, New Haven, v. 9, n. 3, p. 185-211, 1990.

SELYE, H. History and present status of the stress concept. In: GOLDBERGER, L; BREZNITZ, S. (Ed.). Handbook of stress: theoretical and clinical aspects. New York: Free Pass, 1982. p. 7-17.

Downloads

Publicado

01.01.2007

Como Citar

Muniz, M., Primi, R., & Miguel, F. K. (2007). Investigação da Inteligência Emocional como Fator de Controle do Stress em Guardas Municipais. Revista Psicologia: Teoria E Prática, 9(1), 27–41. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/678

Edição

Seção

Artigos