Os invisíveis portadores de futuro

  • Ana Claudia Duarte Cardoso Universidade Federal do Pará/ Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo
  • Letícia Ribeiro Vicente Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Rafaela Carolina Bulhões de Oliveira Universidade Federal do Pará (UFPA)
Palavras-chave: Justiça socioambiental, Cidades na Amazônia, Populações tradicionais, Recursos naturais

Resumo

Este texto analisa a formação socioespacial do urbano híbrido amazônico e apresenta casos de ocupação informal, com matriz tradicional, localizados na Região Metropolitana de Belém (PA), com o propósito de ampliar a compreensão do papel das comunidades tradicionais inseridas em contexto urbano e periurbano, que ocorrem em todo o país, mas são mais visíveis na Amazônia. A partir dos casos, conclui-se que atributos dessas comunidades podem fortalecer uma agenda global de construção de políticas públicas mais inclusivas e plurais seguindo as propostas da Agenda 2030 (ONU, 2015).

Biografia do Autor

Ana Claudia Duarte Cardoso, Universidade Federal do Pará/ Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Phd em Arquitetura e Urbanismo (Oxford Brookes University/UK, 2002), Mestre em Planejamento Urbano (UnB, 1994), Graduada em Arquitetura e urbanismo (UFPA, 1991).

Docente da UFPA (FAU/ PPGAU/ PPGE)

Bolsista de Produtividade CNPq

Letícia Ribeiro Vicente, Universidade Federal do Pará (UFPA)
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU/UFPA), Bolsista de Iniciação Científica CNPq
Rafaela Carolina Bulhões de Oliveira, Universidade Federal do Pará (UFPA)
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU/UFPA), Bolsista de Iniciação Científica CNPq
Publicado
2019-11-12
Seção
Artigos