Brincadeiras em uma Comunidade Ribeirinha Amazônica

Conteúdo do artigo principal

Daniela Castro Reis
Eline Freire Monteiro
Fernando Augusto Ramos Pontes
Simone Souza da Costa Silva

Resumo

A pesquisa objetivou descrever as brincadeiras em uma comunidade amazônica, relacionando-as ao contexto ribeirinho e ao seu modo de vida. Utilizaram-se como instrumentos o inventário sociodemográfico e o espontâneo de brincadeiras, a observação naturalística e notas de campo. Participaram da pesquisa 22 famílias, sendo 125 moradores, 66 crianças/adolescentes e 59 adultos. Inicialmente, caracterizou-se a comunidade, identificando os espaços físicos utilizados para brincadeiras, vinculados aos contextos sociais mais amplos. Verificou-se que as brincadeiras expressavam uma cultura tipicamente ribeirinha, influenciadas pela fauna e flora, representando temas domésticos e aspectos ligados ao meio de subsistência. Apesar de a barreira imposta pela floresta e pelo rio limitar o contato entre pares e priorizar as interações no contexto familiar, a cultura infantil apresenta-se ativa, criando estratégias de encontros sociais, como no caso do espaço escolar e do campo de futebol. Conclui-se que a cultura ribeirinha, aliada aos contextos tipicamente amazônicos, propicia modos de brincar diferenciados e específicos.
 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Reis, D. C., Monteiro, E. F., Pontes, F. A. R., & Silva, S. S. da C. (2012). Brincadeiras em uma Comunidade Ribeirinha Amazônica. Revista Psicologia: Teoria E Prática, 14(3), 48–61. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/2649
Seção
Artigos

Referências

ARCHER, J. Childhood gender roles: Social context and organization. In M. MC GURK (Ed.), Childhood social development: Contemporary perspectives. Hillsdale. USA: Lawrence Erlbaum, 1992. p.31-61.

ASSEF-MENDES, L. S., PONTES, F.A.R. SILVA, S. S. C., BUCHER-MALUSCHKE, JULIA S. N. F., REIS, D.C. ; SILVA, S. D. B. Inserção Ecológica no Contexto de uma Comunidade Ribeirinha Amazônica. Revista Interamericana de Psicologia, v.42, p.1-10, 2008.

BEAL, C.R. Boys And girls: The development of gender roles. USA: MC Graw Hill, 1994.

BICHARA, I. D. Brincadeira e cultura: o faz de conta das crianças Xocó e do Mocambo (Porto da Folha/SE). Temas de Psicologia, v.7, n. 1, p. 57-64, 1999.

BRONFENBRENNER, U. A Ecologia do Desenvolvimento Humano: Experimentos Naturais e Planejados. Porto Alegre: Artes Médicas. 1996.

BUSSAB, V.S.R. Afetividade e interação social em crianças: perspectiva psicoetológica. 2003. Título de Livre-Docente, Instituto de Psicologia da USP, São Paulo. 2003.

CARVALHO, A. M. A. O que é “Social” para a Psicologia? Temas em Psicologia.v.3, p. 01-17, 1994.

CORSARO, W. Friendship end peer in the early years. Norwood: Ablex. 1985.

COTRIM, G. S.; FIAES, C. S.; MARQUES, R. L.; BICHARA, I. D. Espaços urbanos para (e das) brincadeiras: um estudo exploratório na cidade de Salvador (BA). Psicologia: Teoria e Prática, v.11, p.50-61. 2009.

GOSSO, Y. Pexe Oxemoarai: Brincadeiras infantis entre os índios Parakanâ. 2004. Tese (Doutorado em Psicologia)-Universidade de São Paulo: São Paulo. 2004.

JOHNSON, J, E; CHRISTIE, J, F; YAWKEY, T, D. Play and Early childhood development. United States of America: Haper Collins Publishrs. 1999.

LORDELO, E.R; CARVALHO, A.M.A. Padrões de parceria social e brincadeira em ambientes de creches. Psicologia em estudo, v.11, n.1, p. 99-108. 2006.

MACCOBY, E. Gender and relationships: A developmental account. American Psychologist, v.45, p.513-520. 1990.

MORAES, M. S.; OTTA, E. Entre a serra e o mar. In: CARVALHO, A.M.A.; MAGALHÃES, C.M.C.; PONTES, F.A.R.; BICHARA; I. D. (Orgs). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: casa do Psicólogo, 2003. p.187-206.

NODA, S. N; NODA, H.; PEREIRA, H. S.; MARTINS, A. L. U. Utilização e apropriação das terras por agricultura familiar amazonense de várzeas. In: DIEGUES, A. C.; MOREIRA, A. C. (Eds.). Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: NUPAUB, 2001.p. 181-204.

OLIVEIRA, I. C. C.; FRANCISCHINI, R. A importância da brincadeira: o discurso de crianças trabalhadoras e não trabalhadoras. Psicologia: Teoria e Prática, v.5, p. 41-56. 2003.

PONTES, F.A.R.; MAGALHÃES, C.M.C. A transmissão da cultura da brincadeira: algumas possibilidades de investigação. Psicologia: Reflexão e crítica, v.16, n. 1, p. 117-124. 2003.

REIS, D. C. Cultura da brincadeira em uma comunidade ribeirinha na ilha do Marajó. Belém, Pará. 2007. 221f. Dissertação (Mestrado no Programa de pós-graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento)-Universidade Federal do Pará, Belém, 2007.

SCHERER, E. F. Mosaico Terra-Água: a vulnerabilidade social ribeirinha na Amazônia. In: VIII CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 2004, Coimbra. Anais do VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais. Coimbra: Editora Afrontamento, 2004. P. 55-65.

SILVA, L. I. C. Papagaio, pira, peteca e coisas dos gêneros. 2006. 299f. Tese (Doutorado no Programa de pós-graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento)-Universidade do Federal do Pará, Belém, 2006.

SILVA, S. D. B; PONTES, F. A. R.; SANTOS, M. T; BUCHER-MALUSCHKE, JULIA S. N. F.; ASSEF-MENDES, L. S.; REIS, D.C.; SILVA, S. D. B. Rotinas Familiares de Ribeirinhos Amazônicos: Uma Possibilidade de Investigação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 26, n. 2, p.341-350, 2010.

WAGLEY, C. Uma comunidade na Amazônia. Belo Horizonte: Itatiaia/Edusp, 1988.