Capacitação parental para manejo de comportamentos disruptivos para TEA em intervenção comportamental

  • Leila F. Bagaiolo Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Graccielle R. da Cunha gracci.rc@gmail.com
  • Maria Luísa M. Nogueira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Mariana Braido Pontifícia Universidade Católica (PUC)
  • Daniela Bordini Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Tatiana N. D. Sasaki Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Cláudia R. Pacífico Universidade de São Paulo

Resumo

O transtorno do espectro do autismo (TEA) afeta precocemente áreas de desenvolvimento e resulta em uma sobrecarga significativa para as famílias, tanto emocional quanto economicamente. Este é um estudo não controlado, multicêntrico, com o objetivo de capacitar, com base na Análise Aplicada do Comportamento, cuidadores de indivíduos com TEA que apresentam comportamento disruptivo e deficit de comunicação. Os resultados mostraram redução nos comportamentos disruptivos, medidos pelo Aberrant Behavior Checklist (ABC), e também nos sintomas de depressão e ansiedade dos cuidadores, avaliados pela Escala de Hamilton. As intervenções em grupo podem ser uma alternativa viável para atingir uma parcela maior da população. Palavras-chave: Transtorno do Espectro Autista; capacitação parental; análise do comportamento aplicada; gestão de comportamentos disruptivos; treino de comunicação funcional.

Biografia do Autor

Leila F. Bagaiolo, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

O Transtorno do Espectro do Autismo afeta precocemente áreas de desenvolvimento e resulta em uma sobrecarga significativa para as famílias, tanto emocional quanto economicamente. Este é um estudo não controlado, multicêntrico, com o objetivo de capacitar, com base na Análise Aplicada do Comportamento, cuidadores de indivíduos com TEA – esses indivíduos com TEA apresentam comportamento disruptivo e deficit de comunicação. Os resultados mostraram redução nos comportamentos disruptivos, medidos pelo Aberrant Behavior Checklist (ABC) e redução também nos sintomas de depressão e ansiedade dos cuidadores, avaliados pela Escala de Hamilton. As intervenções em grupo podem ser uma alternativa viável para atingir uma parcela maior da população.

Palavras-chave: Transtorno do Espectro Autista; Capacitação Parental; Análise do comportamento Aplicada; Gestão de Comportamentos Disruptivos; Treino de Comunicação Funcional.

Mariana Braido, Pontifícia Universidade Católica (PUC)

 

 

Publicado
2019-10-17
Seção
Desenvolvimento Humano - Seção Especial: Transtorno do Espectro Autista