Associações entre responsividade materna em função da prole e desenvolvimento motor

  • Paula Cristina Soares Mesquita UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
  • Daniela Dias Siqueira Universidade da Amazônia-UNAMA
  • Marilice Fernandes Garotti Universidade Federal do Pará
  • Ivete Furtado Ribeiro Caldas Universidade do Estado do Pará-UEPA

Resumo

Introdução: A responsividade materna (RM) é um importante preditor da aquisição de habilidades motoras de bebês prematuros, no entanto, pode ser influenciada pelo tamanho da prole. Objetivo: Verificar como a RM e o tamanho da prole pode influenciar no desenvolvimento motor de neonatos prematuros. Método: Participaram 18 díades que foram distribuídas em três grupos. Foram utilizados a Ficha clínica, a Escala de interação social (EIS) e o Protocolo de Observação do Desenvolvimento Motor (PODM). Resultados: Entre as crianças que evoluíram com desenvolvimento motor normal no DMFA, o MPG foi o mais frequente (5; 83.3%), com escore 13.2 pontos na EIS (p < 0.0001).  Para aquelas com desfecho de risco tanto no DMFA quanto no DMG, o grupo MM se destacou (4; 66.7%), apresentando escore de 12.1 (p < 0.0001). Conclusão: A qualidade da RM interfere no DMFA e DMG de prematuros, entretanto a presença de irmãos também interfere no desenvolvimento.

Biografia do Autor

Daniela Dias Siqueira, Universidade da Amazônia-UNAMA
Graduanda de Fisioterapia
Marilice Fernandes Garotti, Universidade Federal do Pará
Programa de Pós-Graduação em Pesquisa e Teoria do Comportamento, Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Brasil.
Ivete Furtado Ribeiro Caldas, Universidade do Estado do Pará-UEPA
Doutora pelo programa de Pós-Graduação em Neurociências e Biologia Celular, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Brasil.
Publicado
2020-04-14
Seção
Desenvolvimento humano