Sistema de Espaços Livres para Diálogos Interculturais

Processo Projetual Colaborativo e Valorização do Povo Kaingang

Autores

  • Fernanda M. Dill Universidade Federal de Santa Catarina
  • Vanessa G. Dorneles Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.5935/cadernospos.v20n1p88-106

Palavras-chave:

Povo Kaingang; Sistema de espaços livres; Cultura; História da cidade; Projeto colaborativo.

Resumo

A população indígena Kaingang habita o espaço que compreende o centro no município de Chapecó-SC, desde antes da configuração formal da cidade. No entanto, devido ao processo de urbanização, tal comunidade teve sua trajetória histórica e sua relação com a cidade invisibilizadas por ações oriundas principalmente do poder público. Pra contribuir na transformação desse contexto, foi elaborado, de forma colaborativa com a comunidade indígena, o projeto de um sistema de espaços livres para diálogos interculturais, que se propõe a contar a história da cidade a partir do olhar de seu povo tradicional através de intervenções espaciais em diferentes escalas. O presente artigo pretende explorar as possibilidades de valorização histórica e cultural através de intervenções urbanas, bem como apresentar as estratégias projetuais adotadas com o objetivo de valorizar a memória dos anciãos indígenas no processo de projeto, revelando o caráter educativo e social do mesmo. Para tanto, apresenta-se o Povo Kaingang e sua relação com a construção histórica da cidade, apresentam-se as estratégias colaborativas utilizadas no processo de projeto, os resultados espaciais obtidos e a relação dos mesmos com a valorização e visibilização da cultura Kaingang.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORBA, T. Actualidade indígena. Coritiba: Typ e Lytog a Vapor impressora Paranaense,1908.

CAMPOS, S. A voz de Chapecó: Artigo de Antonio Selistre de Campos - 1939- 1952. Centro de Memória do Oeste Catarinense (org.). Chapecó: Argos, 2004

DILL, F. M. Linguagem Socioespacial: A dimensão espacial do modo de viver Kaingang. 2019. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo)—Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina, 2019.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

HALL, S. Quem precisa de Identidade? In: SILVA, T. T. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (p. 103-133). Petropolis: Vozes, 2005.

JUNIOR, A. G. Estudo Etnográfico sobre Alcoolização entre os Índios Kaingang da Terra Indígena Xapecó: das Dimensões Construtivas à Perturbação. 2010. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social)–Universidade Federal de Santa Catarina, 2010.

KRESÓ, P. O Kiki permanece. In: TORAL, A. EG JAMEN KY MU: textos KAINGÁG. Brasília: APBKG/MEC/PNUD, 1997, p. 80-87.

KUPER, A. Cultura, diferença, identidade. In: A. KUPER. Cultura: a visão dos antropólogos. Tradução de Mirtes Frange de Oliveira Pinheiros. Bauru: EDUSC, 2002, p. 287-318.

LYNCH, K. A Imagem da Cidade. Tradução Jeferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MAGNOLI, M. Em Busca de “Outros” Espaços Livres de Edificação. Revista Paisagem Ambiente: Ensaios, São Paulo, n. 21, p. 141-174, 2006.

MANN, P. H. Métodos de investigação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

MEIHY, J. C. Manual de História Oral. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

NIMUENDAJÚ, C. Etnografia e indigenismo: Sobre os Kaingang, os Afaié-Xavante e os índios do Perá. Campinas: Unicamp, 1993.

PRETO, M. H. de F. Sistema de Espaços Livres Públicos – uma contribuição ao planejamento local. 2009. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)-Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 2009.

PROSHANSKY, H. M. Place-identity: Physical world socialization of the self. Journal of Environmental Psychology, v. 3, n. 1, p. 57-83, 1983.

RAPOPORT, A. Hechos y Modelos. In: G. BROADBENT. Metodologia del Diseño Arquitectonico. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1971, p. 297-323.

RHEINGANTZ, P. A. Observando a Qualidade do Lugar: procedimentos para o trabalho de campo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

SANOF, H. School Design. New York: John Wiley & Sons INC, 1994.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço. São Paulo: Hucitec, 1998.

SCHIMITZ, P. I.; BEBER, M. V. Em busca dos antepassados Kaingang. In: Antes do Oeste Catarinense: Arqueologia dos povos indígenas. Chapecó: Argos.2011.

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO URBANO. Mapa do perímetro urbano de Chapecó. Prefeitura Municipal de Chapecó, 2018.

TOMMASINO, K. et al. Relatório I: Eleição de área para os Kaingang da Aldeia Kondá. Chapecó: Funai, 1998.

TOMMASINO, K. et al. Relatório II: Eleição de área para os Kaingang da Aldeia Kondá. Chapecó: Funai, 1999.

TOMMASINO, K.; FERNANDES, R. C. Povos indígenas no Brasil. São Paulo: Educ, 2001.

TUAN, Y. F. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

TYLOR, E. Primitive Culture. Londres: John Mursay & Co, 1958.

UNWIN, S. A análise da arquitetura. Tradução Alexandre Salvaterra. Porto Alegre: Bookman, 2013.

ZANIN, N. Z.; DILL, F. M. Educação escolar indígena manifestada em intervenção arquitetônica: reflexões a partir de uma escola Kaingang. Anais do XVI Encontro Estadual de História da ANPUH-SC. 2016.

Downloads

Publicado

2021-02-25

Como Citar

DILL, F. M.; DORNELES, V. G. Sistema de Espaços Livres para Diálogos Interculturais: Processo Projetual Colaborativo e Valorização do Povo Kaingang. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, [S. l.], v. 20, n. 1, p. 88–106, 2021. DOI: 10.5935/cadernospos.v20n1p88-106. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/sistema.espacos.livres.cadernos.pos.au.2020.1. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos