ANÁLISE COMPARATIVA DA REDE FERROVIÁRIA DE PORTUGAL E DO ESTADO DE SÃO PAULO

  • Vanessa Inegues Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Sergio Vicente Denser Pamboukian Universidade Presbiteriana Mackenzie
Palavras-chave: Ferrovia. Mobilidade. Transporte de passageiros.

Resumo

Este artigo analisa a viabilidade da implantação de uma nova ferrovia no estado de São Paulo, tendo por base as ferrovias de Portugal.1 É feita uma análise do transporte ferroviário de Portugal e do estado de São Paulo e são traçados paralelos entre as características físicas e operacionais das redes ferroviárias desses dois territórios. Para isso, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e coleta de dados com os principais órgãos estatísticos e do setor de transportes de cada país. A partir desse levantamento, verificou-se a falta de recursos para o transporte ferroviário de cargas e especialmente de passageiros no estado de São Paulo perante a estrutura ferroviária de Portugal. O estudo de caso tratou de projetar por meio de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) uma nova ferrovia para São Paulo que atendesse aos deslocamentos populacionais, obtendo resultados sobre seu traçado, viabilidade, gastos e demanda. Foi verificada a viabilidade de uma ferrovia projetada no canteiro central da Rodovia dos Bandeirantes que interligaria São Paulo a Campinas, e como essa iniciativa reduziria o tempo de viagem nesse trajeto. Essa ferrovia demonstrou-se viável visto que seu projeto já constava no planejamento da própria Rodovia dos Bandeirantes, eliminado assim muitas movimentações de terra que poderiam onerar sua execução. Verificou-se também que há demanda necessária para a implementação de uma ferrovia nesse local.

Referências

AGÊNCIA Nacional de Transportes Terrestres. Concessões ferroviárias. Brasília, DF, 2017a. Disponível em: http://www.antt.gov.br/ferrovias/America_Latina_Logistica_Malha_Sul_SA.html. Acesso em: 5 maio 2017.

AGÊNCIA Nacional de Transportes Terrestres. Declaração de rede. Brasília, DF, 2017b. Disponível em: http://www.antt.gov.br/ferrovias/Declaracao_de_Rede__2017.html. Acesso em: 4 maio 2017.

AGÊNCIA Nacional de Transportes Terrestres. Evolução do transporte ferroviário. Brasília, DF: ANTT, 2016.

BANCO Central do Brasil. Brasília, D F, 2017. D isponível em: http://www.bcb.gov.br/ptbr/#!/home. Acesso em: 10 out. 2017.

COMBOIOS de Portugal. CP.PT. 2016. D isponível em: https://www.cp.pt/institucional/pt/empresa. Acesso em: 26 maio 2017.

COMPANHIA Do Metropolitano De São Paulo. Metrô São Paulo | Estrutura Física. 2016 Disponível em: http://www.metro.sp.gov.br/metro/numeros-pesquisa/estrutura-fisica.aspx. Acesso em: 6 jan. 2017.

COMPANHIA do Transporte Metropolitano de São Paulo. Quem somos. São Paulo, 2015 Disponível em: http://www.metro.sp.gov.br/metro/institucional/quem-somos/index.aspx. Acesso em: 6 jan. 2017.

COMPANHIA Paulista de Trens Metropolitanos. Relatório da Administração 2016. São Paulo: CPTM, 2017.

FERREIRA, R. J. T. Avaliação da capacidade na rede ferroviária portuguesa. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal, 2014. Disponível em: http://ria.ua.pt/handle/10773/14110. Acesso em: 6 jan. 2017.

GOOGLE Maps. [S. l.], 2019. D isponível em: https://www.google.com.br/maps. Acesso em: 5 ago. 2019.

INFRAESTRUTURAS de Portugal. Diretório da Rede 2018. Portugal: IP, 2016.

INSTITUTO Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Downloads | Geociências. 2010. Disponível em: http://downloads.ibge.gov.br/downloads_geociencias.htm. Acesso em: 5 maio 2017.

INSTITUTO Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Arranjos populacionais e concentrações urbanas do Brasil – 2015. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

INSTITUTO Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estados@. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. D isponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=sp. Acesso em: 13 mar. 2017.

INSTITUTO Nacional de Estatística. Censos 2011: resultados definitivos – Portugal. Lisboa: INE, 2012.

INSTITUTO Nacional de Estatística. Estatísticas dos transportes e comunicações. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística: Infraestruturas de Portugal, 2015.

ISLER, C. A. Avaliação socioeconômica de uma rede ferroviária regional para o transporte de passageiros. 2015. Tese (Doutorado em Engenharia de Transportes) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, 2015. D isponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18144/tde-29072015-103140/. Acesso em: 26 jun. 2017.

LACERDA, S. M. Trens de alta velocidade: experiência internacional. 2008. Disponível em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/11095. Acesso em: 23 jun. 2017.

METRO do Porto. Relatórios e Contas 2015. Porto: MP, 2016.

METROPOLITANO de Lisboa. Evolução da rede. Lisboa, 2016a. D isponível em: http://www.metrolisboa.pt/empresa/o-metro-em-numeros/evolucao-da-rede/. Acesso em: 8 maio 2017.

METROPOLITANO de Lisboa. Procura do Metro. Lisboa, 2016b. D isponível em: http://www.metrolisboa.pt/empresa/o-metro-em-numeros/procura-do-metro/. Acesso em: 8 maio 2017.

PORDATA. Números da Europa. Portugal: Base de Dados Portugal Contemporâneo, 2014. Disponível em: http://www.pordata.pt/Europa/Quadro+Resumo/Portugal-7041. Acesso em: 6 jan. 2017.

PORDATA. Números de Portugal. Portugal: Base de Dados Portugal Contemporâneo, 2015. Disponível em: http://www.pordata.pt/Portugal/Quadro+Resumo/Portugal-7059. Acesso em: 6 jan. 2017.

ROSA, R. de A. Operação ferroviária: planejamento, dimensionamento e acompanhamento. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

SANTOS, J. B. dos; ASSECEIRO, F. Terceiro carril e coexistência de bitolas para o tráfego de mercadorias. Recarrei: Transportes e Negócios: Riscos Editora, 2014.

SÃO PAULO (Estado). Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo. Relatório dezembro de 2016. Info Siga SP, 2016. D isponível em: http://www.infosiga.sp.gov.br/Home/Relatorio. Acesso em: 3 abr. 2017.

SOUSA, C. A. I. Patologias na superestrutura da ferrovia balastrada. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Instituto Superior de Engenharia do Porto, Porto, Portugal, 2015. Disponível em: http://recipp.ipp.pt/handle/10400.22/8027. Acesso em: 6 jan. 2017.

STEFANI, C. R. B. O sistema ferroviário paulista: um estudo sobre a evolução do transporte de passageiros sobre trilhos. Dissertação (Mestrado em Ciências – Geografia Humana) – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 2007. D isponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-12022008-102649/en.php. Acesso em: 6 jan. 2017.

TELLES, P. C. da S. História da engenharia ferroviária no Brasil. Rio de Janeiro: Notícia & Cia, 2011.

WANG, J. J.; RONG, C.; XU, J.; OR, S. W. O. The funding of hierarchical railway development in China. Research in Transportation Economics, Transport Development in China, v. 35, n. 1, p. 26-33, 2012.

Publicado
2019-09-05
Como Citar
Inegues, V., & Pamboukian, S. V. D. (2019). ANÁLISE COMPARATIVA DA REDE FERROVIÁRIA DE PORTUGAL E DO ESTADO DE SÃO PAULO. Revista Mackenzie De Engenharia E Computação, 19(1). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/rmec/article/view/11003
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>