Avaliação do ler e do escrever de surdos pela língua brasileira de sinais

  • Veronica Aparecida Pereira UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS
  • Ana Cláudia Moreira Almeida-Verdu Universidade Estadual Paulista

Resumo

Resumo: A utilização da Língua Brasileira de Sinais (Libras) na educação dos surdos é assegurada por lei, mas sua adoção em políticas educacionais requer uma adequação nas modalidades de estímulo e de resposta adotadas. Esse estudo buscou caracterizar o desempenho do ler e do escrever em quatro alunos surdos, usuários de Libras em fase de alfabetização. A avaliação ocorreu por meio de tarefas de seleção, sinalização e escrita, por um procedimento de avaliação e de ensino usualmente adotado com crianças ouvintes. Os resultados replicaram dados observados com crianças ouvintes: satisfatório para as relações de cópia e discriminação de identidade entre figuras e estímulos gráficos; dificuldades nas relações de leitura e ditado. Os dados evidenciam que os alvos de investimento para a programação de condições de ensino do ler e do escrever em aprendizes surdos requerem adequações mais em relação à modalidade da comunicação do que em procedimentos de ensino.

Palavras?chave: leitura; escrita; Libras; surdez; educação especial.

 

Biografia do Autor

Veronica Aparecida Pereira, UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS

Professora Adjunta do Curso de Psicologia da UFGD. Psicóloga, Doutora em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos. Área de Atuação: Psicologia Escolar Temas de Pesquisa: Educação Inclusiva; Psicologia Escolar; Infância e Adolescência.

Ana Cláudia Moreira Almeida-Verdu, Universidade Estadual Paulista
concluiu o doutorado em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos em 2004. Atualmente é Professora Assistente Doutora da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Publicou 4 artigos em periódicos especializados e 36 trabalhos em anais de eventos. Possui 4 capítulos de livros e 1 livro publicados. Possui 1 processo ou técnica e outros 26 itens de produção técnica. Participou de 17 eventos no Brasil. Recebeu 2 prêmios e/ou homenagens. Atualmente coordena 2 projetos de pesquisa. Atua na área de Psicologia, com ênfase em Aprendizagem e Desempenho Acadêmicos. Em suas atividades profissionais interagiu com 41 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: análise do comportamento, controle de estímulos, classes de estímulos, surdos, avaliação auditiva, deficiência auditiva, equivalência de estímulos, implante coclear, responder seqüencial, inclusão educacional e necessidades educativas especiais.
Publicado
2012-08-31
Seção
Artigos Originais