Estratégias metodológicas para avaliação e análise funcional do comportamento obsessivo-compulsivo

  • Paola Esposito de Moraes Almeida Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Carolina Machado Ortega Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Helena Duran Meletti Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Jõao Manoel Rodrigues Neto Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Weslem Martins Santos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Resumo

O estudo teve por objetivo identificar variáveis controladoras de comportamentos obsessivo-compulsivos de um participante adulto, com base em três estratégias de avaliação. Na primeira, Avaliação Funcional Indireta, recuperaram-se registros de sessões de terapia frequentadas pelo participante, em que foram descritas condições favorecedoras dos comportamentos obsessivo-compulsivos. Na segunda, Avaliação Funcional Descritiva, observou-se o comportamento do participante em sessões nas quais se dispunham tarefas antes indicadas como desencadeantes do comportamento-problema. Na terceira, Análise Funcional Breve – Teste de Função Única, foram manipuladas condições de demanda e controle, a fim de examinar a hipótese funcional de que o comportamento-problema seria mantido por fuga/ esquiva de tarefas. Embora divergentes, os resultados das avalições permitiram descartar a hipótese de que o comportamento-alvo seria mantido pela retirada da tarefa. Discutem-se a pertinência da adoção de diferentes estratégias de avaliação no trabalho clínico e a fragilidade de intervenções unicamente orientadas por relatos verbais.
Palavras-chave: Análise do Comportamento; Análise Funcional; Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC); Avaliação Funcional Indireta; Avaliação Funcional Descritiva.

Biografia do Autor

Paola Esposito de Moraes Almeida, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Possui graduação (1994) e mestrado (2001) em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, e doutorado pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (2009). Pesquisa assuntos ligados à Psicologia Clínica, com enfase em modelos experimentais de depressão, anorexia e autocontrole, investigando também relações entre comportamento verbal e não verbal em situações empíricas. É professora de graduação e pós graduação na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo desde 2007, lecionando disciplinas de conceitos e práticas de pesquisa em Análise do Comportamento, assim como de pressupostos e técnicas comportamentais de atendimento clínico. Coordena o laboratório de Psicologia Experimental da PUC-SP desde 2013, e atua em consultório particular desde 1994, como terapeuta e supervisora clínica.
Carolina Machado Ortega, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Possui graduação em Psicologia pela Universidade Anhembi Morumbi(2015), especialização em Teoria Comportamental pela Universidade de São Paulo(2017) e ensino-medio-segundo-graupelo Colegio Brasileiro(2007). Atualmente é Mestradanda em Psicologia Experimental - Análise do Comportamento pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Monitora da Hospital Universitário da Universidade de São Paulo.
Helena Duran Meletti, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Psicóloga formada pela PUC-SP, mestranda em Psicologia Experimental - Análise do Comportamento pela PUC-SP, com aprimoramento em análise aplicada do comportamento voltada para o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Psicóloga responsável pela Entremeio Intervenção Comportamental (São Paulo SP) e colaboradora do Semear - Instituto de Intervenção Comportamental (Fortaleza ? CE), instituições que atuam com indivíduos diagnosticados com TEA. Desenvolveu trabalhos em variabilidade do comportamento verbal de crianças e adolescentes diagnosticados com TEA.
Jõao Manoel Rodrigues Neto, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Mestre bolsista (CNPq) em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) onde pesquisou sobre a correlação entre pressupostos científicos e propostas sociais na obra de B. F. Skinner. Interesses de Pesquisa: Pressupostos Epistemológicos do Behaviorismo Radical e da Análise do Comportamento, Questões Sociais em Psicologia.
Weslem Martins Santos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Doutorando em Psicologia Experimental - Análise do Comportamento - pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2011), especialização em Psicopedagogia pelas Faculdades Integradas de Paranaíba (2013), mestrado em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia (2015) e especialização em Terapia Analítico-Comportamental pelo Instituto de Análise do Comportamento de Curitiba (2016). Atualmente é professor substituto da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul e psicólogo clínico no Instituto Paranaibense de Psicologia e Análise do Comportamento (IPPAC). Tem experiência em Psicologia, com ênfase em Análise Comportamental Clínica, atuando principalmente nos seguintes temas: relação terapêutica; comportamentos do terapeuta, relação terapêutica; integração em psicoterapia, modelos comportamentais de intervenção clínica.
Publicado
2019-10-17
Seção
Psicologia clínica