Angola se faz presente na escola: um breve estudo do romance Mayombe, de Pepetela

  • Débora Cristina Longo Andrade Universidade Presbiteriana Mackenzie
Palavras-chave: Literatura Angolana. Mayombe. Pepetela

Resumo

Este artigo procura trazer algumas considerações acerca da Lei 10.639, que institui a obrigatoriedade do Ensino de História e Cultura Africana e Afro-Brasileira no currículo escolar do ensino fundamental e médio, no sentido de reconhecer e valorizar a cultura e identidade de descendentes dos povos africanos, além de procurar combater uma postura discriminatória e racista que particularmente ainda atinge os negros no Brasil. Desse modo, procuramos dirigir o nosso olhar para o romance Mayombe, do escritor angolano Pepetela, a fim de oferecer uma visão mais completa e, ao mesmo tempo, mais profunda dos temas e motivos literários representados nessa obra, tanto significativa para os contextos curriculares escolares quanto relevante para a formação de professores e alunos.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm>. Acesso em 02 ago. 2019.
BRITO, R. H. P. “À mistura estão as pessoas”: lusofonia, política linguística e internacionalização. In: MARTINS, M. de L. (coordenação). Lusofonia e Interculturalidade: promessa e travessia. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade. Ribeirão – V. N. Famalicão: Edições Húmus, 2015, p. 295-312.
CANDIDO, A. O direito à literatura. In: Vários Escritos. São Paulo: Duas cidades, 1995, p. 235-263.
CHAVES, R. MACÊDO, T. (Orgs.). Portanto... Pepetela. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.
FARACO, C. A. Português: Língua e Cultura – Ensino Médio. Curitiba: Base Editora, 2003.
FIORIN, J. L. A lusofonia como espaço linguístico. In: BASTOS, N. (Org.). Língua Portuguesa: reflexões lusófonas. São Paulo: Ed. PUC, 2006, p. 25-48.
FREYRE, G. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: José Olympio, 1978.
MARCON, F. N. Leituras Transatlânticas: Diálogos sobre identidade e o romance de Pepetela. 2005. 275f. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Programa de Pós-graduação em Antropologia Social. Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina.
MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.
PEPETELA. Mayombe. Rio de Janeiro: Leya, 2013.
SERRANO, C. O romance como documento social: o caso de Mayombe. Revista Via Atlântica, São Paulo: USP/FFLCH/Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas. n. 3, dez. 1999, p. 132-139.
SILVA, C. R. Literatura e História Africanas: Implicações para a Formação de Professores, no Contexto da Lei 10.639/03. Revista das Faculdades Integradas Claretianas, n. 5, jan./dez., 2012, p. 120-130.
SILVA, M. Angola e sua literatura: uma introdução à prosa de ficção angolana lusófona. Revista Intertexto. Uberaba, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, v. 3, n. 2, p. 5-24, jul./dez., 2010.
SILVA, R. V. da R. e; MATTOS, T. R. de. Mayombe: presença da guerra, perspectiva histórica e memória na construção do romance. Cerrados - Revista do Programa de Pós-Graduação em Literatura, Brasília, v. 24, n. 40, p. 289-302, 2015.
Publicado
2020-07-07
Como Citar
Andrade, D. C. L. (2020). Angola se faz presente na escola: um breve estudo do romance Mayombe, de Pepetela . Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 20(1), 139-154. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/13081