Alcântara-Maranhão: de Tapuitapera à Base Espacial

Grete Soares Pflueger

Resumo


Antiga aldeia Tapuitapera, e segunda cidade em importância histórica do Estado do Maranhão, depois da capital São Luís. Alcântara foi a sede da aristocracia rural agro exportadora de algodão no sec. XVIII, período do apogeu social e econômico , após a abolição  dos escravos e com a  mudança dos mercados de algodão a cidade  entrou em colapso e  passou o século XX como uma cidade morta .Desde seu tombamento em 1948 a cidade de Alcântara foi objeto de vários planos e diagnósticos, consultores da UNESCO e do IPHAN apontavam a fragilidade do tecido urbano em ruínas com a desconexão da cidade das redes regionais e globais e indicavam que a preservação da cidade histórica estava intrinsecamente ligada a recuperação de sua economia e vitalidade social perdidas no seu longo processo de decadência econômico-social e urbana sofridos desde o final do século XIX.  Após o tombamento, em 1950 houve a implantação de um presidio na cidade, o isolamento gerado pela exclusão e os problemas decorrentes da decadência e obsolescência econômica a levaram quase a morte, resiliente e resistente ela resistiu e foi reconectada a rede global de forma brusca   com a implantação do CLA -Centro de lançamento de foguetes de Alcântara em 1980. Tal empreendimento significou para esta comunidade um desafio e uma oportunidade. Oportunidade de conexão da cidade na rede global e desafio do enfrentamento entre o local e o global, entre o urbano e o rural, com a comunidade despreparada tecnicamente para se inserir no projeto e os desafios da era espacial.


Palavras-chave


Alcântara, ruinas, cidade resiliente

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Grete soares Pflueger