Paradigmas epistemológicos no ensino de língua

O que está subjacente às práticas pedagógicas

  • Luciana Idiarte Soares Falkenbach Centro Universitário e Faculdades UNIFTEC
  • Tânia Maris de Azevedo Universidade de Caxias do Sul - UCS
Palavras-chave: Paradigmas epistemológicos. Atuação docente. Ensino de língua. Aprendizagem de língua. Teorias da aprendizagem.

Resumo

Este artigo tem por objetivo descrever como os paradigmas epistemológicos estão implicados no ensino de língua. Trata-se de um estudo bibliográfico, pois traz uma revisão da literatura acerca dos paradigmas epistemológicos apriorista, empirista e interacionista, teorias da aprendizagem deles derivadas e sua implicação no ensino e aprendizagem de língua. Pressupõe-se que um número significante de educadores não está consciente da(s) epistemologia(s) subjacente(s) ao seu trabalho docente e o esclarecimento desses paradigmas pode contribuir para a construção da consciência crítica, para que a ação educativa seja sustentada por aportes teóricos consistentes.

Biografia do Autor

Luciana Idiarte Soares Falkenbach, Centro Universitário e Faculdades UNIFTEC

Mestre em Educação, graduada em Letras-Português, Letras-Inglês e Pedagogia. Coordenadora e professora do Curso de Pedagogia do Centro Universitário e Faculdades UNIFTEC - Caxias do Sul. ORCID:<https://orcid.org/0000-0001-7554-2507>

Tânia Maris de Azevedo, Universidade de Caxias do Sul - UCS
Doutora e Mestre em Letras – Linguística aplicada – pela PUC-RS. Professora do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação – mestrado e doutorado –, e do curso de Letras, da Universidade de Caxias do Sul. ORCID: <https://orcid.org/0000-0002-0499-356X>
Publicado
2020-04-23
Seção
Língua e Linguística