A CONTEMPORANEIDADE E SEUS DESAFIOS INTERDISCIPLINARES

Interpretar as particularidades da nossa temporalidade se tornou fundamental desde Hegel, filósofo que nos ensinou sobre a necessidade de conhecermos o espírito de nossa época. Ler as determinações significativas em seu aspecto cultural e histórico é a exigência básica para educarmos, em um sentido amplo, a consciência de si do humano. Deste modo, uma das faces da contemporaneidade a ser investigada e conhecida é a interdisciplinaridade. Se a modernidade se fixou como temporalidade por meio das ciências em seu viés disciplinar, a contemporaneidade se expressa nos diálogos internos entre as diversas áreas do conhecimento.

O nosso intuito neste número da Revista Trama é justamente explorar os diálogos entre os conhecimentos de forma interna e não somente em colaborações pragmáticas e utilitárias. Daí cinema dialogar com literatura, arte com educação, história com teatro, e por aí vai! São nos diálogos que os fenômenos de todas as modalidades aparecem ou se deixam aparecer àqueles/as interessados/as verdadeiramente na apreensão de tais fenômenos como possibilidade de elaboração de novos conhecimentos cuja fronteira disciplinar não existe mais. Ousada tal proposta? Sim e não. Sim porque todo conhecimento comprometido com o humano se faz ousado! Não porque já está na determinação do ato de conhecer explorar o não ainda explorado!

Convidamos a todos/as a enviar seus artigos e nos ajudem a pensar o ainda não pensado da nossa contemporaneidade de modo interdisciplinar! Abraços Fraternos!   

Paulo Roberto Monteiro de Araujo.