Positive Driver Behaviours Scale: Adaptação e Validação para o Brasil

Autores

  • Thayro Andrade Carvalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Ana Raquel de Oliveira Universidade Federal do Piauí
  • Ricardo Neves Couto Universidade Federal da Paraíba
  • João Carlos Alchieri Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.5935/1980-6906/ePTPPA13623.en

Palavras-chave:

trânsito, escala, direção, acidentes, validade

Resumo

Objetivou-se realizar uma adaptação da Positive Driver Behaviours Scale (PDBS) para o Brasil e verificar se seria possível propor uma medida reduzida. O instrumento originalmente composto por 38 itens foi aplicado a 204 motoristas do Brasil, sendo a maioria homens (65,7%), com média de 35,6 anos. O resultado mostrou a possibilidade de uma estrutura unifatorial, composta por um total de 19 itens e alfa de Cronbach = 0,90, explicando 37,9% da variância total. Destaca-se a relevância dessa medida, pois ela fornece um subsídio capaz de medir comportamento no trânsito. Além disso, oferece suporte para os profissionais e psicólogos do trânsito, de modo a instrumentalizar as práticas. Permite ainda uma compreensão do fenômeno dos transportes, o que pode facilitar o desenvolvimento de medidas eficazes no combate aos acidentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alchieri, J. C., & Stroecher, F. (2002). Avaliação psicologia no trânsito: O estado da arte no Brasil sessenta anos depois. In R. M. Cruz, J. Alchieri, & J. Sardá, Jr. (Orgs.), Avaliação e medidas psicológicas (pp. 234–345). Casa do Psicólogo.

Aparecida, J. S., Mendes, D. F., & Silva, L. de A. M. (2018). Contribuições dos testes para a avaliação psicológica no trânsito. Revista Psicologia e Saúde em Debate, 4(1), 9–43. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N1A2

Bıçaksız, P., & Özkan, T. (2016). Developing the Impulsive Driver Behavior Scale. Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour, 43, 339–356. https://doi.org/10.1016/j.trf.2016.09.005

Chang, F., Xu, P., Zhou, H., Lee, J., & Huanga, H. (2019). Identifying motorcycle high-risk traffic scenarios through interactive analysis of driver behavior and traffic characteristics. Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour, 62, 844–854. https://doi.org/10.1016/j.trf.2019.03.010

Coelho, R. P. S., Grassi-Oliveira, R., Machado, M., Williams, A. V., Matte, B. C., Pechansky, F., Rohde, L. A. P., & Szobot, C. M. (2012). Tradução e adaptação da escala Motorcycle Rider Behavior Questionnaire: Versão brasileira. Cadernos de Saúde Pública, 28(6), 1205–1210. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000600019

Conselho Federal de Psicologia. (2019). Resolução CFP nº 01/2019. Institui normas e procedimentos para a perícia psicológica no contexto do trânsito e revoga as Resoluções CFP nº 007/2009 e 009/2011. https://atosoficiais.com.br/cfp/resolucao-do-exercicio-profissional-n-1-2019-institui-normas-e-procedimentospara-a-pericia-psicologica-no-contexto-do-transito-e-revoga-as-resolucoes-cfp-no-007-2009-e-009-2011?origin=instituicao&q=tr%C3%A2nsito

Dancey, C., & Reidy, J. (2019). Estatística sem matemática para psicologia (7a ed.). Penso Editora.

Ferreira, B. N. P., Oliveira, A. J., Ferro, L. R. M., & Rezende, M. M. (2021). Avaliação psicológica no trânsito: Os construtos psicológicos avaliados em candidatos à Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Revista Iberoamericana de Psicologia, 1(1), 1–13. https://revistapsicologia.uniandrade.br/index.php/psico/article/view/13

Hutz, C. S., Bandeira, D. R., & Trentini, C. (Orgs.). (2015). Psicometria. Artmed. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Projeções do IBGE. http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2020). Atlas da violência 2020. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&id=26277

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia, & Observatório das Metrópoles. (2013). Evolução da frota de automóveis e motos no Brasil 2001-2012. http://www.observatoriodasmetropoles.net

Khouri, N. D. M. A. A., & Silva, J. C. (2019). Revisão narrativa: Metodologias de adaptação e validação de instrumentos psicológicos. Revista Eixo, 8(2), 220–229. http://revistaeixo.ifb.edu.br/index.php/RevistaEixo/article/view/588

Monteiro, R. M., & Rueda, F. J. M. (2015). Teste de Atenção Alternada (TEALT): Diferenças entre estados brasileiros e faixa etária. Revista de Psicologia da IMED, 7(2), 5–15.

Moreira, M. R., Ribeiro, J. M., Motta, C. T., & Motta, J. I. J. (2018). Mortalidade por acidentes de transporte de trânsito em adolescentes e jovens, Brasil, 1996-2015: Cumpriremos o ODS 3.6? Ciência & Saúde Coletiva, 23(9), 2785–2796. https://doi.org/10.1590/1413-81232018239.17082018

Nakano, T. C., & Sampaio, M. H. L. (2016). Desempenho em inteligência, atenção concentrada e personalidade de diferentes grupos de motoristas. Psico-USF, 21(1), 147–161. https://doi.org/10.1590/1413-82712016210113

Ostapczuk, M., Joseph, R., Pufal, J., & Musch, J. (2017). Validação da versão em alemão do Driver Skill Inventory (DSI) e da Driver Social Desirability Scales (DSDS). Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour, 45, 169–182. https://doi.org/10.1016/j.trf.2016.12.003

Özkan, T., & Lajunen, T. (2005). A new addition to DBQ: Positive Driver Behaviours Scale. Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour, 8(4-5), 355–368. https://doi.org/10.1016/j.trf.2005.04.018

Pasquali, L. (2010). Instrumentação psicológica: Fundamentos e práticas. Artmed.

Rushton, J. P., Fulker, D. W., Neale, M. C., Nias, D. K. B., & Eysenck, H. J. (1986). Altruísmo e agressão: A herdabilidade das diferenças individuais. Jornal de Personalidade e Psicologia Social, 50(6), 1192–1198. http://dx.doi.org/10.1037/0022-3514.50.6.1192

Santos, A. M. R., Rodrigues, R. A. P., Santos, C. B., & Caminiti, G. B. (2016). Distribuição geográfica dos óbitos de idosos por acidente de trânsito. Escola Anna Nery – Revista de Enfermagem, 20(1), 130–137. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160018

Silva, F. H. V. C., & Alchieri, J. C. (2008). Revisão das pesquisas brasileiras em avaliação psicológica de habilidades e inteligência de condutores. Estudos de Psicologia, 13(1), 57–64. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2008000100007

Silva, J. A., Mendes, D. F., & Silva, L. A. M. (2018). Contribuições dos testes para a avaliação psicológica no trânsito. Psicologia e Saúde em Debate, 4(1), 9–43. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N1A2

Souza, A. N., & Rosa, F. D. (2015). Desenvolvimento de uma plataforma web de apoio ao gerenciamento de acidentes de trânsito. Transportes, 23(3), 26–34. https://doi.org/10.14295/transportes.v23i3.876

Veiga, H. M. S., Pasquali, L., & Silva, N. I. A. (2009). Questionário do Comportamento do Motorista – QCM: Adaptação e validação para a realidade brasileira. Avaliação Psicológica, 8(2), 187–196. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712009000200005&lng=pt&tlng=pt

Zhang, Y., Houston, R., & Wu, C. (2016). Psychometric examination and validation of the aggressive driving scale (ADS). Aggressive Behavior, 42(4), 313–323. https://doi.org/10.1002/ab.21627

Publicado

24.01.2023

Como Citar

Carvalho, T. A., de Oliveira, A. R., Couto, R. N., & Alchieri, J. C. (2023). Positive Driver Behaviours Scale: Adaptação e Validação para o Brasil. Revista Psicologia: Teoria E Prática, 25(1), ePTPPA13623. https://doi.org/10.5935/1980-6906/ePTPPA13623.en

Edição

Seção

Artigos