Traduzindo T. S. Eliot

um exercício de paráfrase

  • André Mendes Kangussu Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Tradução, Tradução poética, Poesia inglesa

Resumo

Usaremos um poema de T. S. Eliot, “Eyes that last I saw in tears”, para um exercício de tradução. Esse poema tem uma estrutura rítmica complexa e um sistema de reincidências sonoras complexo. A manutenção desses efeitos numa tradução exige do tradutor um esforço mais criativo para parafrasear o original, ou seja, dizê-lo em outras palavras. Nosso principal objetivo é tornar visível essa multiplicidade de formas diferentes de reelaborar a poesia do original. Primeiro comentamos o poema e a poética do autor, a seguir, oferecemos uma tabela que sugere uma diversidade de formas e vocábulos para parafrasear cada verso e, por fim, propomos seis traduções baseadas na consulta a essa tabela.

Biografia do Autor

André Mendes Kangussu, Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná (UFPR), Programa de Pós-Graduação em Letras, Departamento de Estudos Literários (sigla), Paraná, PR, Brasil.

Mestre e doutorando em Estudos Literários, na UFPR.

Referências

ELIOT, T. S. Collected poems 1909-1962. London: Faber and Faber, 1963.

ELIOT, T. S. Poesia. Tradução Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

ELIOT, T. S. Poemas. Tradução Caetano W. Galindo. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SWARBRICK, A. Selected poems of T. S. Eliot. London: The Macmillan Press, 1988.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Kangussu, A. M. (2019). Traduzindo T. S. Eliot. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 19(3), 208-227. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/12826