Repercussões da espectralidade e da duplicidade em Todos os dias, de Jorge Reis-Sá

Thiago Cavalcante Jeronimo

Resumo


O objetivo deste trabalho é identificar como a espectralidade e a duplicidade se materializam no romance Todos os dias, de Jorge Reis-Sá. O alicerce teórico se pauta nas contribuições de Leyla Perrone-Moisés acerca do espectro e das pontuações do duplo hereditário, isto é, a herança paterna que é passada às personagens: inacabadas, em processo. Não por acaso, esta última particularidade é encontrada no romance moderno, assim como o gosto pela criação da metanarrativa, fenômeno também presente no romance jorgeano. 


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikahil. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

______. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

BÍBLIA SAGRADA. Bíblia de Jerusalém. 3. ed. Trad. Domingos Zamagna. et. al. 3. Impressão. São Paulo: Paulus, 2004.

BRAVO, Nicole Fernandez. Duplo. In BRUNEL, Pierre (Org.). Dicionário de mitos literários. Trad. Carlos Sussekind. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: UNB, 1998. p. 261-287.

COMPAGNON, Antonie. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. C. P. Barreto e C. F. Santiago. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

CUNHA, Carla. Duplo. In: CEIA, Carlos. E-Dicionário de termos literários. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2017.

HOUAISS, Antônio. Dicionário da Língua Portuguesa. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

GASTÃO, Ana Marques. Entrevista a Jorge Reis-Sá (romancista, poeta e editor responsável pela Quasi Edições): “Escrevo na torrente da memória”. Diário de notícias, Lisboa, 09 jul. 2007. Disponível em:

. Acesso em: 16 maio 2017.

GUIMARÃES, Rodrigo. Diálogos entre a literatura contemporânea e o pensamento de Jacques Derrida. Revista de Letras, São Paulo, v. 48, n. 1, p. 65-84, jan/jun. 2008.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Trad. Maria Luíza Appy, Dora Mariana R. Ferreira da Silva. Petrópolis: Vozes, 2000.

LOPES, Delvanir. Solombra: sombra e luz. Revista Texto poético, São Paulo, v. 6, n. 8, p. 154-168, 2010.

MEIRELES, Cecília. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

MELLO, Ana Maria Lisboa de. Duplo. In. Zilá Bernd (Org.). Dicionários de figuras e Mitos Literários das Américas. Porto Alegre: Tomo Editorial/ Editora da Universidade, 2007. p. 229-234.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Mutações da literatura no século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

REAL, Miguel. O romance português contemporâneo: 1950–2010. Alfragide: Caminho, 2012.

RULFO, Juan. Pedro Páramo Trad. Eric Nepomuceno. 4. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

REIS-SÁ, JORGE. Biologia do homem. São Paulo: Escrituras, 2005a.

______. Todos os dias. Lisboa: Publicações Dom Quijote, 2005b. [1ª edição portuguesa]

______. Todos os dias. Rio de Janeiro: Record, 2007. [1ª edição brasileira]

______. Todos os dias. Lisboa: Guerra e Paz, 2015a. [2ª edição portuguesa]

______. Instituto de antropologia: todos os poemas. Lisboa: Glaciar, 2013.

______. A definição do amor. Lisboa: Guerra e Paz, 2015b. [1ª edição portuguesa]

______. A definição do amor. São Paulo: Tordesilhas, 2016. [1ª edição brasileira]

SHAKESPEARE, William. Hamlet. Trad. L. F. Perreira. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2015.

SOLIS, Dirce Eleonora Nigro. Tela desconstrucionista: arquivo e mal de arquivo a partir de Jacques Derrida. Revista de Filosofia Aurora, Curitiba, v. 26, n. 38, p. 373-389, jan./jun. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.