O Parque Olímpico do Rio de Janeiro/RJ e os vestígios de sua utilização

Autores

  • Felipe Buller Bertuzzi Faculdade IMED
  • Grace Tibério Cardoso Faculdade IMED
  • Dirceu Piccinato Faculdade IMED

DOI:

https://doi.org/10.5935/cadernosarquitetura.v19n2p116-131

Palavras-chave:

Megaeventos; Grande Projeto Urbano (GPU); Transformações Urbanas; Parque Olímpico do Rio de Janeiro/RJ; Apropriação do ambiente construído.

Resumo

A cidade do Rio de Janeiro passou a ser vista no cenário internacional para a implantação de megaeventos, a partir das transformações urbanas ocorridas em razão dos Jogos Pan-Americanos de 2007. Além dos aspectos festivos oriundos da comemoração mundial do esporte em torno de um megaevento, observa-se a falta de comprometimento ambiental e social.  Por isso, vê-se a necessidade de averiguar a qualidade de um espaço de uso coletivo na esfera social e cultural, o entendimento da percepção do usuário e a forma de como o local é apropriado. Sendo assim, o presente artigo busca compreender o uso e a apropriação do Parque Olímpico do Rio de Janeiro/RJ após o ano de 2016, a fim de caracterizar a percepção dos usuários com base nos vestígios de sua utilização.

Palavras-chave: Megaeventos; Grande Projeto Urbano (GPU); Transformações Urbanas; Parque Olímpico do Rio de Janeiro/RJ; Apropriação do ambiente construído.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Buller Bertuzzi, Faculdade IMED

Arquiteto e Urbanista.

Mestrando do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade IMED. 

Grace Tibério Cardoso, Faculdade IMED

Doutora em Ciências da Engenharia Ambiental pela EESC-USP, Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade IMED.

Dirceu Piccinato, Faculdade IMED

Doutor em Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas PUC-Campinas, Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade IMED.

Referências

ALVES, R. T. O processo de construção, transformação e expansão da Barra da Tijuca para “O Futuro do Rio de Janeiro”. Revista Idealogando, v. 1, n. 2, p. 64-82, nov. 2017.

ARCHDAILY. O direito à cidade em disputa no Rio de Janeiro: o caso do Plano Popular da Vila Autódromo. 2013. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/01-127066/o-direito-a-cidade-em-disputa-no-rio-de-janeiro-o-caso-do-plano-popular-da-vila-autodromo?ad_medium=gallery. Acesso em: 10 out. 2018.

BERTUZZI, F. B.; CARDOSO, G. T. Apropriação e qualidade no ambiente construído: a percepção do usuário frente aos usos no espaço livre. In: ENEPEA – ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE PAISAGISMO EM ESCOLAS DE ARQUITETURA E URBANISMO NO BRASIL, 14., 2018, Santa Maria. Anais... Santa Maria: Enepea, 2018. p. 270-281.

BORTOLETO, E. M. A implantação de grandes hidrelétricas: desenvolvimento, discurso e impactos. Revista Geografares, Vitória, n. 2, p. 53-62, 2001.

BRASIL. Constituição. Medida Provisória nº 771, de 29 de março de 2017; nº 771, de 29 de março de 2017. Transforma a Autoridade Pública Olímpica – APO na Autoridade de Governança do Legado Olímpico – AGLO e dá outras providências.

CARVALHO, I. M. M. de; SOUZA, A. G.; PEREIRA, G. C. Polarização e segregação socioespacial em uma metrópole periférica. Caderno CRH, Salvador, v. 17, n. 41, p. 281-297, 2004.

CAVALCANTE, M. R. C. Qualidade térmica de praças em Maceió-AL: três estudos de caso. 2007. 195 f. Dissertação (Mestrado em Dinâmica do Espaço Habitado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2007.

COELHO, L. L. Os conceitos de dispersão e fragmentação urbana sob a abordagem da paisagem. In: IENANPARQ – ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO, 4., 2016, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Enanparq, 2016. p. 1-16.

COMPANS, R. O paradigma das global cities nas estratégias de desenvolvimento local. Estudos Urbanos e Regionais, São Paulo, v. 1, p. 91-114, 1999.

CUNHA, F. L. R. da. Desapropriações e remoções decorrentes dos megaeventos esportivos: o caso do Rio de Janeiro. 2017. 53 f. TCC (Graduação) – Curso de Direito, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2017.

EL PAÍS. Remoções na Vila Autódromo expõem o lado B das Olimpíadas do Rio: moradores resistem a deixar a Vila Autódromo, comunidade ao lado do Parque Olímpico. Milhares de pessoas deixaram suas casas devido à organização do megaevento. 2015. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2015/06/20/politica/1434753946_363539.html. Acesso em: 10 out. 2018.

FERNANDES, A. M. V. Patrimônio Cultural, turismo e a renovação das cidades: aproximações e dissonâncias entre Barcelona e Rio de Janeiro. 2017. 410 f. Tese (Doutorado) – Curso de Geografia, Análise Ambiental e Dinâmica Territorial, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2017.

FONTES, M. S. G. de C.; MELO, L. F. de. Influência do desenho e do microclima urbano nos usos de espaços públicos. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 5., 2003. CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE CONFORTO E DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFICAÇÕES – ENCAC/COTEDI, 7., Curitiba. Anais... Curitiba, 2003. p. 639-645.

G1. Parte do Parque Olímpico para de funcionar nesta segunda-feira. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2019/07/01/parte-do-parque-olimpico-para-de-funcionar-nesta-segunda-feira.ghtml. Acesso em: 6 set. 2019.

GALIZA, H. R. dos S.; VAZ, L. F.; SILVA, M. L. P. da. Grandes eventos, obras e remoções na cidade do Rio de Janeiro, do século XIX ao XXI. 2014. Disponível em: http://memoriadasolimpiadas.rb.gov.br/jspui/handle/123456789/888. Acesso em: 15 abr. 2018.

HARVEY, D. O direito à cidade. Lutas Sociais, São Paulo, n. 29, p. 73-89, 2012.

IAB – Instituto de Arquitetos do Brasil. 1º Lugar no Concurso Parque Olímpico: “Um protagonista global”. 2013. Disponível em: http://www.iab.org.br/projetos/1o-lugar-concurso-parque-olimpico-um-protagonista-global. Acesso em: 15 mar. 2018.

JORNAL DA RECORD. Parque Olímpico do Rio é fechado, e projetos sociais param.2019. Disponível em: https://recordtv.r7.com/jornal-da-record/videos/parque-olimpico-do-rio-e-fechado-e-projetos-sociais-param-02072019. Acesso em: 6 set. 2019.

LEITE, C.; AWAD, J. di C. Cidades sustentáveis, cidades inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. Porto Alegre: Bookman, 2012.

LIAO, H.; PITTS, A. A brief historical review of Olympic urbanization. The International Journal Of The History Of Sport, Londres, v. 23, n. 7, p.1232-1252, nov. 2006.

MASCARENHAS, G. Mega-eventos esportivos, desenvolvimento urbano e cidadania: uma análise da gestão da cidade do Rio de Janeiro por ocasião dos Jogos Pan-Americanos-2007. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, v. 1, n. 245, 2007.

MELO, V. Rio esportivo. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2015. 224 p.

MIAGUSKO, E. Antes da Copa, depois do Pan: o Rio de Janeiro na era dos megaeventos esportivos. Civitas: Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 295-408, 2012.

MINISTÉRIO DO ESPORTE. Cartilha da Autoridade de Governança do Legado Olímpico. 2017. Disponível em: http://www.esporte.gov.br/arquivos/aglo/Min_do_Esporte_Cartilha_AGLO_web.pdf. Acesso em: 5 jul. 2018.

MOLET, R. F. Planos, projetos, eventos: Barcelona 1992-2012. Arqtexto, Porto Alegre, v. 17, p. 124-137, 2010.

MOLINA, F. S. A produção da “Cidade Olímpica” e o contexto do empreendedorismo urbano no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (RBEUR), v. 16, n. 2, p. 63-79, 30 nov. 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2014v16n2p63. Acesso em: 10 maio 2019.

MOSER, G. Psicologia Ambiental. Estudos de Psicologia, Natal, v. 3, n. 1, p.121-130, 1998.

NIEMEYER, C. A. da C. Percepção e desempenho ambiental em praças públicas na cidade de Caraguatatuba-SP. 2015. Tese (Doutorado em Arquitetura, Tecnologia e Cidade) – Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas, 2015.

O’DONNELL, J. A invenção de Copacabana: culturas urbanas e estilos de vida no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

OLIVEIRA, A. S. de; CALLEJAS, I. J. A.; NOGUEIRA, M. C. de J. A. Relações entre vegetação arbórea e uso de praças públicas: estudo de caso em cidade de clima tropical. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO – ENCAC, 12., 2013, Brasília. Anais... Brasília: Encac, 2013. p. 1-10.

PORTER, M. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review, November-December 1998.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Município do Rio de Janeiro. Concurso Público Internacional para a seleção do melhor Plano Geral Urbanístico (Master Plan) para o Parque Olímpico Rio 2016, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro-RJ. 2011. Disponível em: https://autodromodejacarepagua.files.wordpress.com/2010/05/00-pqo-edital.pdf. Acesso em: 30 jul. 2019.

PREUSS, H. The conceptualization and measurement of mega sport event legacies. Journal of Sport & Tourism, v. 12, n. 3-4, p. 207-227, 2007.

RIO DE JANEIRO. Município do Rio de Janeiro. Concurso Público Internacional para a seleção do melhor Plano Geral Urbanístico (Master Plan) para o Parque Olímpico Rio 2016, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro-RJ. 2011. Disponível em: https://autodromodejacarepagua.files.wordpress.com/2010/05/00-pqo-edital.pdf. Acesso em: 30 jun. 2018.

SARMENTO, B. R.; ELALI, G. A. Qualidade ambiental em espaços livres: uma avaliação no centro de vivência do Campus I da UFPB. In: ENCONTRO NACIONAL DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 6., 2016, Recife. Anais.... Recife, PE: Eneac, 2016. p. 1-12.

SILVA, A. C. C. de L. e. Porto Maravilha: arbitrariedade, mídia e produção de consenso na construção da nova região portuária do Rio de Janeiro. 2016. 110 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Programa de Pós-graduação em Mídia e Cotidiano, Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2016.

SILVA, G.; REIS, A. T. Uma análise exploratória sobre a localização de equipamentos olímpicos e seus usos pós-Jogos do Rio de Janeiro 2016. Urbana, Campinas, v. 19, p. 30-49, 2018.

SMITH, N. A gentrificação generalizada de uma anomalia local à “regeneração” urbana como estratégia urbana global. In: BIDOU-ZACHAIASEN, C. (coord.). De volta à cidade: dos processos de gentrificação às políticas de revitalização dos centros urbanos. São Paulo: Annablume, 2006. p. 59-87.

STIFTUNG, H. B. Vila Autódromo: remoção e resistência. 2016. Disponível em: https://br.boell.org/pt-br/2016/06/22/vila-autodromo-remocao-e-resistencia. Acesso em: 5 set. 2019.

TANAKA, G. Fundação Heinrich Böll Brasil. 2016. Disponível em: https://br.boell.org/pt-br/2016/06/22/vila-autodromo-remocao-e-resistencia. Acesso em: 15 out. 2018.

VAINER, C. et al. Recife. Ministério da Cultura. O plano popular da Vila Autódromo, uma experiência de planejamento conflitual. 2013. Disponível em: http://memoriadasolimpiadas.rb.gov.br/jspui/handle/123456789/896. Acesso em: 12 set. 2018.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

BERTUZZI, F. B.; CARDOSO, G. T.; PICCINATO, D. O Parque Olímpico do Rio de Janeiro/RJ e os vestígios de sua utilização. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, [S. l.], v. 19, n. 2, p. 116–131, 2020. DOI: 10.5935/cadernosarquitetura.v19n2p116-131. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/parque.olimpico.riojaneiro.cadernos.2019.2. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos