A Investigação da redução do espaço a partir do CIAM de 1929

Autores

  • Gabriela de Oliveira Riccio Universidade São Judas Tadeu http://orcid.org/0000-0003-1338-6216
  • Paula De Vincenzo Fidelis Belfort Mattos Universidade São Judas Tadeu
  • Eneida de Almeida Universidade São Judas Tadeu

DOI:

https://doi.org/10.5935/cadernosarquitetura.v19n2p68-83

Palavras-chave:

CIAM; Habitação mínima; Industrialização; Apartamento; Quitinete.

Resumo

Este artigo faz parte de um estudo em desenvolvimento, vinculado à Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo, junto à Universidade São Judas Tadeu, que indaga a respeito dos motivos que podem ter contribuído para a redução do espaço da planta de apartamentos em São Paulo. O artigo parte de uma investigação cronológica da transformação da tipologia habitacional nas primeiras décadas do século XX, evidenciando os principais fatores relacionados à redução do espaço, em seguida procura estabelecer relações entre as diretrizes do CIAM de Frankfurt de 1929 com a redução da área interna das habitações. Interessa investigar se há indicações de que este documento pode ter sido um impulsionador no repensar das dimensões dos ambientes, procurando relacioná-lo com as práticas e discussões exercidas no campo da arquitetura em São Paulo, por meio da análise de exemplos de unidades habitacionais construídas pós CIAM de 1929.

Palavras-chave: CIAM; Habitação mínima; Industrialização; Apartamento; Quitinete.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela de Oliveira Riccio, Universidade São Judas Tadeu

Arquiteta e Urbanista, graduada pela Universidade São Judas Tadeu em 2014, no decorrer da vida acadêmica estagiou na Prefeitura Municipal de São Paulo, nos setores da Sec. Mun. de Planej. Orçamento e Gestão - SEMPLA, e na Sec. Mun. de Desenvol. Urbano - SMDU. Como arquiteta colaborou no escritório Assato Arquitetura & Construção e na empresa MBM Serviços de Engenharia Ltda. Desenvolveu nesse período apoio técnico a clientes nas áreas atuantes, sob forma de assessoria, projeto ou gerenciamento, promovendo trabalhos residências, decorativos, paisagísticos, comerciais e de serviços. Possui conhecimento dos softwares AutoCAD, Sketchup com Vray, Revit, Photoshop, Promob, Pacote Office e Internet, tem vivência na elaboração de projetos de arquitetura e urbanismo, suprimento técnico de materiais de obra, participação na análise de áreas e localização de Imóveis, pratica na elaboração de plantas, cortes e elevações através do programa AutoCad e modelagem de maquetes 3d em Skechup. 

Paula De Vincenzo Fidelis Belfort Mattos, Universidade São Judas Tadeu

Atualmente é coordenadora dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Design da Universidade São Judas Tadeu e também coordena o Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo na mesma Universidade. Exerce a função de professora da graduação e pós-graduação na Universidade São Judas Tadeu. A pesquisadora possui graduação em Arquitetura e Urbanismo - Instituição Moura Lacerda (1986), mestrado em Artes Visuais - IA/UNESP - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1997) e doutorado em História da Arquitetura - FAUUSP - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (2007). Tem experiência na área de Arquitetura e Desenho Industrial, com ênfase em Pesquisa, atuando principalmente nos seguintes temas: modernismo, história da arte, arte, arquitetura e artes plásticas.

Eneida de Almeida, Universidade São Judas Tadeu

É Professora da Universidade São Judas Tadeu em Regime de Tempo Integral, atua na Graduação e no Mestrado Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo. Possui doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, FAUUSP (2010), Mestrado em Studio e Restauro dei Monumenti - Università degli Studi di Roma La Sapienza (1987) e Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo, FAU-USP (1981). É coeditora da revista eletrônica arq.urb, do PGAUR/USJT. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em História e Preservação da Arquitetura, atuando principalmente nos seguintes temas: conservação, restauro, memória, inventários de bens culturais, relação antigo-novo, intervenção contemporânea em bem cultural, patrimônio arquitetônico e patrimônio urbano.

Referências

CAIUBY, E. H. S. Prédio “Lívia Maria”. Acrópole, São Paulo, v. 1, n. 11, p. 19-26, mar. 1939. Disponível em: http://www.acropole.fau.usp.br/. Acesso em: 10 abr. 2018.

FRAMPTON, K. História crítica da arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

GONÇALVES, I. J. O habitar mínimo. 2013. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Arquitetura, Universidade de Évora, 2013.

GRAVAGNUOLO, B. Historia del urbanismo en Europa, 1750-1960. Madrid: Akal, 1998.

GURGEL, A. Morar/habitar: cidades inventadas. In: FERRARA, L. D.’A. (org.). Cidade, entre mediações e interações. São Paulo: Editora Paulus, 2016. p. 12-31.

HALL, P. Cidades do Amanhã: uma história intelectual do planejamento e do projeto urbanos no século XX. São Paulo: Perspectiva, 1995.

HOMEM, M. C. N. O prédio Martinelli: a ascensão do imigrante e a verticalização de São Paulo. São Paulo: Projeto, 1984.

LE CORBUSIER. Analysis of the fundamental elements of the problem of “The minimum house”. 1929. Disponível em: https://modernistarchitecture.wordpress.com/2011/09/14/le-corbusier%E2%80%99s-%E2%80%9Cciam-2-1929%E2%80%9D-1929/. Acesso em: 8 abr. 2018.

LEMOS, C. A. C. Cozinhas e etc.: um estudo sobre as zonas de serviço da casa paulista. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1978.

MAY, E. Die Wohnung für das Existenzminimum. Das Neue Frankfurt, Alemanha: Heidelberg: Universitäts bibliothek, v. 3, n. 1, p. 209-217, jan. 1929. Disponível em: https://digi.ub.uni-heidelberg.de/diglit/neue_frankfurt1929/0343/image. Acesso em: 22 maio 2018.

MENDONÇA, R. N. Apartamentos mínimos contemporâneos: análises e reflexões para obtenção de sua qualidade. 2015. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e Design, Universidade Federal de Uberlândia, 2015.

PINHEIRO, M. L. B. Arquitetura residencial verticalizada em São Paulo nas décadas de 1930 e 1940. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 16, n. 1, Scielo, jan./jun. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-47142008000100004&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 6 jun. 2018.

ROLNIK, R. Apartamentos de 10 m²: mínimo necessário ou lucro máximo? 2017. Disponível: https://raquelrolnik.wordpress.com/2017/08/21/apartamentos-de-10-m%C2%B2-minimo-necessario-ou-lucro-maximo/. Acesso em: 6 jun. 2018.

SÃO PAULO (Município). Lei n. 3.427, de 19 de novembro de 1929. Código de Obras Arthur Saboya. São Paulo: Leis Municipais, 2012. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/SP/SAO.PAULO/LEI-3427-1929-SAO-PAULO-SP.pdf. Acesso em: 9 jun. 2018.

SÃO PAULO (Município). Lei n. 4.615, de 13 de janeiro de 1955. Regula as Condições Gerais das Edificações. São Paulo: Leis Municipais, 2012. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/sp/s/sao-paulo/lei-ordinaria/1955/461/4615/lei-ordinaria-n-4615-1955-regula-as-condicoes-gerais-das-edificacoes. Acesso em: 9 jun. 2018.

SILVA, R. D. Habitação mínima na primeira metade do século 20. 2006. Monografia (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), Universidade de São Paulo-USP, 2006.

SOMEKH, N. Trinta anos de urbanismo em São Paulo: teoria e ação. Arquitextos, São Paulo, ano 12, n. 143.00, Vitruvius, abr. 2012. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/12.143/4324. Acesso em: 1 out. 2019.

SOMEKH, N. A cidade vertical e o urbanismo modernizador. São Paulo: Studio Nobel, Edusp, Fapesp, 1997.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

RICCIO, G. de O.; MATTOS, P. D. V. F. B.; ALMEIDA, E. de. A Investigação da redução do espaço a partir do CIAM de 1929. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, [S. l.], v. 19, n. 2, p. 68–83, 2020. DOI: 10.5935/cadernosarquitetura.v19n2p68-83. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/investigacao.reducao.espaco.ciam1929.cadernos.2019.2. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos