A Gestão dos Cuidados tem Gênero, Raça e Classe

As zonas de sacrifício do Covid-19 nas cidades brasileiras

Autores

  • Kaya Lazarini USP
  • Diana Helene Ramos Universidade Federal do Alagoas
  • Maria Beatriz Andreotti Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5935/cadernospos.v21n1p28-43

Palavras-chave:

Cuidado; Covid-19; Gênero; Classe; Raça.

Resumo

O artigo pretende discutir como se organizam as atividades e hierarquias da gestão da vida cotidiana e como essas atividades se refletem e se distribuem no território, a partir da sobreposição da dinâmica imposta pelas restrições da pandemia. Considerando-se a intersecção entre gênero, raça e classe, o trabalho combina informações relativas à conformação urbana atual e letalidade da Covid-19, em que se observam maiores taxas de contaminação e mortalidade nas periferias urbanas. Revela, dessa forma, o estabelecimento de zonas de sacrifício da Covid-19 na morfologia urbana brasileira e uma crise na gestão dos cuidados e da reprodução da vida, nas quais as mulheres têm um papel central. Em contrapartida, a situação atual demonstra a importância das pautas levantadas pelos movimentos de luta por moradia e Reforma Urbana, como espaços possíveis para repensar as cidades e a organização popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kaya Lazarini, USP

Kaya Lazarini é doutoranda pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (2019-2023), mestra pela mesma universidade (FAU-USP/2014), na área de Habitat. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP/2008) e especialização na mesma Universidade em Economia Solidária e Tecnologia Social na América Latina (UNICAMP/2011). Desde 2010 é integrante da USINA - centro de trabalhos para o ambiente habitado, entidade sem fins lucrativos que presta assessoria técnica a movimentos populares na área de habitação popular e reforma urbana."

Diana Helene Ramos, Universidade Federal do Alagoas

HELENE, Diana é professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas (FAU/UFAL); com graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2005); mestrado em Planejamento Urbano e Regional pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de São Paulo - USP (2009); doutorado em Planejamento Urbano e Regional no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de janeiro - IPPUR-UFRJ (2015) com doutorado sanduíche na École des Hautes Études en Sciences Sociales - EHESS (Paris-França, 2013); pós-doutorado em estudos urbanos no Instituto de Geografia da Université du Québec à Montréal - UQAM (Canadá, 2016/2017); e pós-doutorado em Planejamento Urbano e Regional no IPPUR-UFRJ (2017/2018). Tem experiência no ensino e pesquisa dos seguintes temas: gênero, direito à cidade, planejamento urbano e regional, informalidade urbana, habitação social, tecnologia social e economia solidária. Na extensão universitária e na educação popular tem experiência em cooperativismo, autogestão, comunicação popular e comunitária, arte-educação, produção audiovisual e reforço escolar em cooperativas populares, comunidades e movimentos sociais. Ganhou o prêmio de melhor tese na área do Planejamento Urbano e Regional pelo Prêmio Capes de Tese - Edição 2016 (Helene, 2015).

Maria Beatriz Andreotti, Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Doutoranda no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo desde 2018, possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Campinas (2008) e mestrado pelo programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual de Campinas (2015), na área de Política, Memória e Cidade. Realizou parte desta pesquisa na Università Degli Studi di Padova, Itália, no período de setembro de 2013 a março de 2014. De 2015 a 2020 fez parte do corpo docente da Universidade São Francisco USF, atuando na área de projeto e patrimônio. Fez parte do Conselho de Patrimônio de Itatiba-SP (2019-2020). Coordenou o Centro de Estudos Urbanos da USF Itatiba entre 2017-2018 e 2019-2020, desenvolvendo e orientando pesquisas de iniciação científica, projetos de extensão entre outras atividades. Como assessora da coordenação, colaborou para as atividades de realização do exame do ENADE. Foi membro Ad Hoc do NDE (Núcleo Docente Estruturante) da Instituição entre 2019 e 2020. É Colaboradora do INEP MEC, tendo elaborado questões do ENADE 2019. No IAU USP é pesquisadora do grupo de pesquisa LEAUC, Laboratório de Estudos do Ambiente Urbano Contemporâneo, onde desenvolve pesquisas relacionadas às dinâmicas urbanas contemporâneas e patrimônio, bem como participa e colabora na organização de eventos científicos.

Referências

AKOTIRENE, C. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2018.

BASILIO, P. Com creches fechadas na pandemia, participação de mulheres no mercado de trabalho é a menor desde 1990. G1 Economia, 5 set. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/2020/09/05/com-creches-fechadas-na-pandemia-participacao-de-mulheres-no-mercado-de-trabalho-e-a-menor-desde 1990.ghtml. Acesso em: 6 set. 2020.

BIANCONI, G. et al. Pesquisa: SEM PARAR - o trabalho e a vida das mulheres na pandemia. SOF. SempreViva Organização Feminista e Gênero e Número, 2020.

DAVIS, A. Mulheres, classe e raça. São Paulo: Boitempo, 2016.

FAUSTINO, C.; FURTADO, F. Indústria do Petróleo e Conflitos Ambientais na Baía de Guanabara: O Caso do COMPERJ. Relatório da missão de investigação e incidência. Plataforma Dhesca – Relatoria do Direito Humano ao Meio Ambiente, 2013.

FAZZIONI, N. O que podemos aprender sobre “cuidado” com a epidemia de coronavírus. In: Blog do Laboratório de Etnografias e Interfaces do Conhecimento – LEIC, 2020. Acesso em: 12 ago. 2020.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FIOCRUZ, Fundação Oswaldo Cruz. Perfil da enfermagem no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2015. Disponível em: http://andromeda.ensp.fiocruz.br/perfildaenfermagem/. Acesso em: 12 mai. 2020.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Déficit habitacional no Brasil 2015. Diretoria de Estatística e Informações. Belo Horizonte: FJP, 2018.

GONZAGA, T. de O. A cidade e a Arquitetura também mulher: planejamento urbano,

projetos arquitetônicos e gênero. São Paulo: Editora Annablume, 2011.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: SILVA, L. A. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p. 223-244, 1983.

HELENE, D. “Eu quero sair daqui!”: do isolamento doméstico a coletivização do

cuidado”. In: BORGES, A.; MARQUES, L. (orgs.). Reflexões durante a pandemia:

coronavírus e as cidades no Brasil. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2020.

HELENE, D. Gênero e direito à cidade a partir da luta dos movimentos de

moradia. Cad. Metrop., São Paulo, v. 21, n. 46, p. 951-974, Dec. 2019.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex

t&pid=S2236-99962019000300951&lng=en&nrm=iso. Acesso em:

º set. 2020.

HELENE, D. A guerra dos lugares nas ocupações de edifícios abandonados do centro de São Paulo. 2009. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2009.

HELENE, D.; LAZARINI, K. Autonomie et émancipation: les femmes dans les mobilisations pour le droit au logement. In: COLLOQUE PERSPECTIVES FÉMINISTES SUR LE LOGEMENT DES FEMMES, 2018. Anais [...]. Montréal: UQAM, 2018.

HELENE, D.; TAVARES, R. Urbanização Periférica e Problemas Socioambientais na Baixada Fluminense à Luz das Desigualdades de Gênero. Meu corpo, meu território: Mulheres e direito à cidade a partir das relações interseccionais no espaço urbano. HELENE, D.; TAVARES, R. (org.) Sessão Livre. Natal, XVII Encontro Nacional de Planejamento Urbano e Regional - ENANPUR, Natal, 2019.

HIRATA, H. Reestruturação produtiva, trabalho e relações de gênero. Gênero, Tecnologia e Trabalho: Revista Latinoamericana de Estudos do Trabalho, Associação Latino-americana de Sociologia do Trabalho, Rio de Janeiro, ano 4, n. 7, 1998.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo soc. [on-line], v. 26, n. 1, p. 61-73, 2014.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA/ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Retrato das desigualdades de gênero e raça - 1995/2015. Brasília, 2015. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/retrato/. Acesso em: 23 jul. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela 1.16 - Domicílios recenseados, por espécie, segundo as Grandes Regiões, as Unidades da Federação e a situação do domicílio – 2010. Disponível em https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=16&uf=00. Acesso em: 25 jul. 2020.

ITIKAWA, L. Mulheres na periferia do urbanismo - Informalidade subordinada, autonomia desarticulada e resistência em Mumbai, São Paulo e Durban. Buenos Aires CLACSO; IDEAs. CODESRIA, 2015.

KERGOAT, D. La division du travail entre les sexes. In: KERGOAT, J. et al. (orgs.). Le monde du travail. Paris: La Découverte, 1998.

KRONEMBERGER, D. Análise dos impactos na saúde e no Sistema Único de Saúde decorrentes de agravos relacionados a um esgotamento sanitário inadequado dos 100 maiores municípios brasileiros no período 2008-2011. Relatório Final. Oscip Instituto Trata Brasil, 2013.

LATENDRESSE, A. La ville: un espace investi par les femmes et le groupes de femmes. In: 4 CONGRÈS INTERNATIONAL DES RECHERCHES FÉEMINISTES DANS LA FRANCOPHONIE PLURIELLE, 4., 2005. Atas [...]. Ottawa: Les éditions du remeu-ménage, 2005.

LAZARINI, K. Luta por moradia e autogestão em Buenos Aires: da crise à construção popular do hábitat. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, (USP). São Paulo, 2014.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Morais, 1991.

MELO, M. L. de. Primeira vítima do RJ era doméstica e pegou coronavírus da patroa no Leblon. UOL Notícias - Rio de Janeiro, 19 mar. 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/03/19/primeira-vitima-do-rj-era-domestica-e-pegou-coronavirus-da-patroa.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em: 24 jul. 2020.

OBSERVATÓRIO COVID-19 BR. O impacto da desigualdade na mortalidade por Covid-19. Página do Observatório Covid-19 BR, 2020. Disponível em: https://covid19br.github.io/analises.html?aba=aba6#. Acesso em: 24 jul. 2020.

ONU MULHERES. Gênero e Covid-19 na América Latina e no Caribe: Dimensões de gênero na resposta. Brasília: ONU Mulheres Brasil, 2020.

OXFAM INTERNACIONAL. Bem público ou riqueza privada? 2019. Disponível em: https://rdstationstatic.s3.amazonaws.com/cms/files/115321/15968306152019_bem_publico_ou_riqueza_privada_pt-br.pdf. Acesso em: 18 dez. 2020.

OXFAM INTERNACIONAL. Quem paga a conta? Taxar a riqueza para enfrentar a crise da Covid-19 na América Latina e Caribe. 2020. Disponível em: https://rdstation-static.s3.amazonaws.com/cms/files/115321/1595622094Nota_informativa_da_Oxfam_Quem_Paga_a_Conta.pdf. Acesso em: 1º set. 2020.

PENA, J. S. O quarto de empregada e a morte de Miguel. Portal Geledés, 2020. Disponível em: https://www.geledes.org.br/o-quarto-de-empregada-e-a-morte-de-miguel/. Acesso em: 24 jul. 2020.

PEREIRA, G. L. Cidades, racismo e necropolítica: conversa com Tainá de Paula e Gabriela Gaia. Corpo, Discurso e Território. 2020. Podcast. Disponível em: https://open.spotify.com/episode/5P9PgZwoE2hJ2hL1lPt5Hu. Acesso em: 24 jul. 2020.

PEREIRA, T. C. G. Sustentabilidade e justiça ambiental na Baixada Fluminense: identificando problemas ambientais a partir das demandas ao Ministério Público. Cad. Metrop.,. São Paulo, v. 15, n. 29, p. 339-358, jan./jun. 2013.

PRONI, M. W.; GOMES, D. C. Precariedade ocupacional: uma questão de gênero e raça. Estud. Av. [on-line]. 2015, v. 29, n. 85, p. 137-151, 2015.

RODRIGUES, A. Mortes por Covid-19 têm mais relação com autônomos, donas de casa e transporte público. Folha de S.Paulo. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/08/mortes-por-covid-19-tem-mais-relacao-com-autonomos-donas-de-casa-e-transporte-publico.shtml/. Acesso em: 1º set. 2020.

ROLNIK, R.; REIS, J.; SANTOS, M. P.; IACOVINI, R. F. G. Como fazer valer o direito das mulheres à moradia? Relatoria Especial da ONU para o Direito à Moradia Adequada, 2011.

ROLNIK, R. et al. Circulação para trabalho explica concentração de casos de Covid-19. Blog do Labcidade. 2020. Disponível em http://www.labcidade.fau.usp.br/circulacao-para-trabalho-inclusive-servicos-essenciais-explica-concentracao-de-casos-de-covid-19/. Acesso em: 1º set. 2020.

ROLNIK, R.; CYMBALISTA, R.; NAKANO, K. Solo urbano e habitação de interesse social: a questão fundiária na política habitacional e urbana do país. Revista de Direito da ADVOCEF, ano VII, n. 13, p. 123-158, 2007.

SAFFIOTI, H. B. Movimentos sociais: face feminina. ln: CARVALHO, N. V. de (org.). A condição feminina. São Paulo: Vértice: Revista dos Tribunais, 1988. p. 143-178.

SAFFIOTI, H. Gênero, patriarcado e violência. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SANTORO, P. F. Gênero e planejamento territorial: uma aproximação. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 16., 2008. Anais [...]. Caxambu: Abe, 2008.

SCHMIDT, S. No Rio, Covid-19 mata mais na Zona Oeste e em trecho da Zona Norte. O Globo, 2020. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/no-rio-covid-19-mata-mais-na-zona-oeste-em-trecho-da-zona-norte-veja-numeros-24405711/. Acesso em: 24 jul. 2020.

SILVA, J. Um ensaio sobre a potencialidade do uso do conceito de gênero na análise geográfica. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 8, n. 1, p. 31-45, 2003.

SILVESTRE, H. Vozes invisíveis da periferia - mulheres na pandemia. Evento Educação e Infâncias na pandemia e depois: interlocuções e desafios do extremo da Zona Leste para cidade. Coletivos Infâncias Zona Leste e Faculdade de Educação da USP, 2020.

TAVARES, R. B. Indiferença à diferença: espaços urbanos de resistência na perspectiva das desigualdades de gênero. Tese (Doutorado em Urbanismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

UNITED NATIONS HUMAN RIGHTS SPECIAL PROCEDURES. Housing, the front line defense against the COVID-19 outbreak. Geneva, 2020. Disponível em http://unhousingrapp.org/user/pages/07.press-room/CV19%20Press%20Release%20w:%20Letterhead.pdf. Acesso em: 1º set. 2020.

VERGÈS, F. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-03

Como Citar

LAZARINI, K.; HELENE RAMOS, D.; ANDREOTTI, M. B. A Gestão dos Cuidados tem Gênero, Raça e Classe: As zonas de sacrifício do Covid-19 nas cidades brasileiras. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 28–43, 2021. DOI: 10.5935/cadernospos.v21n1p28-43. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/gestao.cuidados.genero.raca.classe.cadernos.pos.au.2021.1. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos