A Contribuição da Análise Interseccional e Espacial da Desigualdade de Gênero no Município de São Paulo

Autores

  • Luciana Fukimoto Itikawa FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

DOI:

https://doi.org/10.5935/cadernospos.v21n1p94-113

Palavras-chave:

Interseccionalidade; Gênero; Geoprocessamento; Segregação; Desigualdade.

Resumo

No Brasil, os indicadores de desigualdade de gênero frequentemente apontam condições desfavoráveis às mulheres no que diz respeito aos rendimentos, tempo no trabalho reprodutivo, divisão sexual do trabalho produtivo etc. No exame dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, incluindo o ODS5, cruzamentos de classe e raça são pouco explorados. Quando esses indicadores são confrontados e espacializados com outros, tais como trabalho (formal e informal); infraestrutura urbana (tempo de deslocamento, condições habitacionai, etc.); violências (racismo, feminicídio e demais violências contra a mulher); bem como indicadores da Covid-19, é possível avaliar que a variável localização é determinante na identificação de como e onde estão as mulheres mais afetadas pelas desigualdades de gênero. Os mapas podem contribuir na revisão da literatura sobre interseccionalidade na medida em que identifica que as desigualdades de gênero são mais ou menos intensas e concentradas no território quando sobrepomos as demais vulnerabilidades sociais. O objetivo é que essa abordagem conjugada possa dar subsídio para políticas públicas mais inclusivas e precisas espacialmente. Foram utilizadas as últimas bases de dados espacializáveis municipal, estadual e federal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Fukimoto Itikawa, FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

Pesquisadora colaboradora do Instituto de Estudos Avançados da USP, pós-doutora pelo Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo. Membro do Conselho Diretor da Women in Informal Employment Globalizing and Organizing.

Referências

ADICHIE, C. N. Para educar crianças feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

BÓGUS, L.; PASTERNAK, S. (org.). São Paulo: transformações da ordem urbana. 1. ed. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015.

CAMARGO, C.P.F. et al. São Paulo, 1975: crescimento e pobreza. São Paulo: Loyola, 1976.

COLLINS, P. H. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

ESQUIVEL, V. Power and the Sustainable Development Goals: a feminist analysis. Gender & Development, v. 24, n. 1, p. 9-23, 2016. DOI: 10.1080/13552074.2016.1147872.

FEDERICI, S. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FRANCO, M.; FRANCISCO, M.; TAVARES, R. Nossos corpos, nossa cor, nossa cidade. Os impactos causados pelas interveções decorrentes dos grandes projetos de urbanização no Rio de Janeiro. In: IBDU. Direito à Cidade: uma outra visão de gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

GONZALEZ, L. O Golpe de 64, o novo modelo econômico e a população negra. In: GONZALEZ, L.; HASENBALG, C. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.

JESUS, C.M. Quarto de Despejo. São Paulo: Ática, 1958.

HOOKS, B. Não sou eu uma mulher. Mulher negra e feminismo. São Paulo: Plataforma Gueto, 2014.

MARQUES, E. A Metrópole de São Paulo no início do século XXI. Revista USP, jul. 2014.

NERY, M. B.; SOUZA, A. A. L.; ADORNO, S. Os padrões urbano-demográficos da capital paulista. Revista de Estudos Avançados, São Paulo, v. 33, n. 97, set./out. 2019.

OXFAM. Tempo de cuidar. O trabalho de cuidado não remunerado e mal pago e a crise global de desigualdade. 2019. Disponível em: https://www.oxfam.org.br/justica-social-e-economica/forumeconomico-de-davos/tempo-de-cuidar. Acesso em: 22 set. 2020.

PASTERNAK, S. Cidades dos anéis. Cadernos de Pesquisa do LAP, São Paulo, n. 28, p.1-62, 2002.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? São Paulo: Letramento, 2017.

SAFFIOTI, H. Do artesanal ao industrial: a exploração da mulher. São Paulo: Hucitec, 1981.

STRUCKMANN, C. A postcolonial feminist critique of the 2030 Agenda for Sustainable Development: a South African application. 2017. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Stellenbosch University, Stellenbosch, 2017.

Downloads

Publicado

2021-07-03

Como Citar

FUKIMOTO ITIKAWA, L. . A Contribuição da Análise Interseccional e Espacial da Desigualdade de Gênero no Município de São Paulo. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 94–113, 2021. DOI: 10.5935/cadernospos.v21n1p94-113. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/contribuicao.analise.interseccional.cadernos.pos.au.2021.1. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos