Relevância da avaliação obrigatória de traços de personalidade em motoristas

Conteúdo do artigo principal

Paola Lucena Santos
Raquel Melo Boff
Silvano Sperb Konflanz

Resumo

No Brasil, a avaliação de traços de personalidade em condutores é obrigatória. No entanto, as pesquisas na área não apresentam resultados conclusivos de que determinadas características de personalidade estariam associadas com maiores ocorrências de infrações de trânsito e acidentes. Assim, o presente estudo objetiva revisar estudos empíricos internacionais que tenham avaliado a possível ligação entre envolvimento em infrações ou acidentes de trânsito e características de personalidade em motoristas, a fim de verificar se a instituição de tal obrigatoriedade possui embasamento científico. Trata-se de artigo de revisão de literatura breve, não sistemática. Foi realizada busca de artigos na base de dados eletrônica Scopus, com os descritores (personality) AND (traffic accidents OR automobile driving OR traffic violations), retirados do MeSH. Foi possível concluir que existe base empírica por detrás da necessidade de avaliação dos traços de personalidade, que podem ser considerados fatores preditivos distais dos índices de acidentes e infrações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Santos, P. L., Boff, R. M., & Konflanz, S. S. (2012). Relevância da avaliação obrigatória de traços de personalidade em motoristas. Revista Psicologia: Teoria E Prática, 14(3), 101–110. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/4051
Seção
Artigos

Referências

ALCHIERI, J. C.; STROEHER, F. Características do processo de avaliação psicológica para condutores de veículos: Um estudo sobre a tomada de decisão dos psicólogos na utilização de testes psicológicos no Brasil. Revista Iberoamericana de Diagnostico y Evaluación Psicológica, v. 15, n. 1, p. 107-119, 2003.

BRASIL. Código de trânsito brasileiro. Brasília: Senado Federal, 2002.

CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO. Resolução número 267 do Conselho Nacional de Trânsito. Disponível em <http://www.denatran.gov.br/download/Resolucoes/RESOLUCAO_CONTRAN_267.pdf> Acesso em 26.10.2011.

CONSTANTINOU, E. et al. Risky and aggressive driving in young adults: Personality matters. Accident Analysis and Prevention, v. 43, n. 4, p. 1323-1331, 2011.

DAHLEN, E. R. et al. Driving anger, sensation seeking, impulsiveness, and boredomproneness in the prediction of unsafe driving. Accident Analysis and Prevention, v. 37, p. 341-348, 2005.

FURNHAM, A.; SAIPE, J. Personality correlates of convicted drivers. Personality and Individual Differences, v. 14, p. 329-336, 1993.

GREAVES, S. P.; ELLISON, A. B. Personality, risk aversion and speeding: An empirical investigation. Accident Analysis and Prevention, v. 43, p. 1828-1836, 2011.

IVERSEN, H.; RUNDMO, T. Personality, risky driving and accident involvement among Norwegian drivers. Personality and Individual Differences, v. 33, n. 8, p. 1251-1263, 2002.

JONAH, B. A.; THIESSEN, R.; AU-YEUNG, E. Sensation seeking, risky driving and behavioral adaptation. Accident Analysis and Prevention, v. 33, p. 679-684, 2001.

KALYONCUOGLU, S. F.; TIGDEMIR, M. Modelling of personality, attitudes and risky driving. Proceedings of the Institution of Civil Engineers: Transport, v. 161, n. 1, p. 37-43, 2008.

Li, Y. Z. et al. Association of personality with driving behaviors and accident involvement in motorcyclists. Chinese Journal of Clinical Rehabilitation, v. 9. n. 48, p. 12-14, 2005.

MCCRAE, R. R.; COSTA, P. T. Trait explanations in personality psychology. European Journal of Personality, v. 9, p. 231-252, 1995.

NORRIS, F. H.; MATTHEWS, B. A.; RIAD, J. K. Characterological, situational, and behavioral risk factors for motor vehicle accidents: a prospective examination. Accident Analysis and Prevention, v. 32, p. 505-515, 2000.

PATIL, S. M. et al. The role of personality characteristics in young adult driving. Traffic Injury Prevention, v. 7, n. 4, p. 328-334, 2006.

RENNER, W.; ANDERLE, F. G. Venturesomeness and extraversion as correlates of juvenile drivers’ traffic violations. Accident Analysis and Prevention, v. 32, p. 673-678, 2000.

SILVA, F. H. V.; ALCHIERI, J. C. Avaliação psicológica da personalidade de condutores: Uma revisão de literatura. Psico-USF, v. 12, n. 2, p. 189-196, 2007.

__________. Revisão das pesquisas brasileiras em avaliação psicológica de habilidades e inteligência de condutores. Estudos em Psicologia (Natal), v. 13, n. 1, p. 57-64, 2008.

SPAGNHOL, J. M. A psicologia do trânsito no Brasil: desenvolvimento e perspectivas. Psicologia & Trânsito, v. 2, n. 2, p. 7-10, 1985.

SUMÉRIA, N. Personality and behavioral predictors of traffic accidents: Testing a contextual mediated model. Accident Analysis and Prevention, v. 35, n. 6, p. 949-964, 2003.

ULLEBERG, P.; RUNDMO, T. Personality, attitudes and risk perception as predictors of risky driving behaviour among young drivers. Safety Science, v. 41, p. 427-443, 2003.

ZUCKERMAN, M.; KUHLMAN, D. M. Personality and Risk-Taking: Common Biosocial Factors. Journal of Personality, v. 68, n. 6, p. 999-1029, 2000.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Road traffic crashes leading cause of death among young people. Geneva, 19 apr. 2007. Disponível em: <http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2007/pr17/en/index.html> Acesso em: 25.10.2011.