A Saúde como Processo Subjetivo: Uma Reflexão Necessária

Conteúdo do artigo principal

Valéria Mori
Fernando González Rey

Resumo

Neste artigo, versamos sobre os desdobramentos subjetivos dos processos de saúde e doença com base na teoria da subjetividade desenvolvida por González Rey fundamentada no enfoque histórico cultural. Propomos uma reflexão sobre esse processo plurideterminado e subjetivamente organizado na experiência da pessoa como sujeito que constitui as subjetividades social e individual e é constituída por elas. Analisamos a importância da categoria sujeito para o reconhecimento da pessoa como ativa em relação às suas opções referentes à saúde, assim como a categoria sentido subjetivo que evidencia a singularidade dos processos subjetivos. Neste trabalho, faz-se uma reflexão crítica sobre a normalização da saúde e o tipo de prática a que aspiramos como profissionais de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Mori, V., & González Rey, F. (2012). A Saúde como Processo Subjetivo: Uma Reflexão Necessária. Revista Psicologia: Teoria E Prática, 14(3), 140–152. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/2863
Seção
Artigos

Referências

ALVES, R.; SILVA, R.; ERNESTO, M.; LIMA, A.; SOUZA, F. Gênero e saúde: o cuidar do homem em debate. Revista Psicologia: Teoria e Prática, vol 13, numero 3, p.152-166, 2011.

CAMPOS, G.W. Clínica e saúde coletiva compartilhadas: teoria Paidéia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. In: Campos, G.W. Et al. (Ed.). Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec, 2009a. p. 41-80.

CAMPOS, G.W. Considerações sobre a arte e a ciência da mudança: revolução das coisas e reforma das pessoas. O caso da saúde. In: CARVALHO, S.R.; BARROS, M.E.; FERIGATO, S. (Ed). Conexões: saúde coletiva e políticas de subjetividade. São Paulo: Hucitec, 2009b. p. 243-275.

CARVALHO, S.R. Reflexões sobre o tema da cidadania e a produção de subjetividade no SUS. O caso da saúde. In: CARVALHO, S.R.; BARROS, M.E.; FERIGATO, S. (Ed). Conexões: saúde coletiva e políticas de subjetividade. São Paulo: Hucitec, 2009. p. 23-41.

GONÇALVES, M. A psicologia como ciência do sujeito e da subjetividade: a historicidade como noção básica. Em Bock, A.; Gonçalves, M; Furtado, O. (Ed), Psicologia sócio-histórica. São Paulo: Cortez, 2001. p. 37-52.

GONZÁLEZ REY, F. Problemas epistemológicos de la psicología. Universidad Autónoma de México, 1993.

GONZÁLEZ REY, F. Epsitemología cualitativa y subjetivdad. São Paulo: EDUC, 1997.

GONZÁLEZ REY, F. Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Thomson Learnig, 2003.

GONZÁLEZ REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: caminhos e desafios. São Paulo: Thomson Learnig, 2002.

GONZÁLEZ REY, F. Personalidade Saúde e Modo de Vida. São Paulo: Thomson Learnig, 2004a.

GONZÁLEZ REY, F. O social na psicologia e a psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2004b.

GONZÁLEZ REY, F. Pesquisa Qualitativa e Subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Thomson Learnig, 2005.

GONZÁLEZ REY, F. Psicoterapia, subjetividade e pós modernidade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Thomson Learnig, 2007.

GUATTARI, F. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

HELLER, A. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e terra, 2008.

HERZLICH, C. Saúde e doença no início do século XXI: entre a experiência privada e a esfera pública. Physis: Revista de Saúde Coletiva, vol 14 supl 2, p. 383-394, 2004.

LUZ, M. Políticas de descentralização e cidadania: novas práticas de saúde no Brasil atual. In: Pinheiro, R.; Mattos, R.A. (Ed) Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à Saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 2001. p. 17-37.

MATTA, G.C; CAMARGO Jr, K. (2007). O processo de saúde e doença como foco da Psicologia: as tradições teóricas. In Spink, M.J. (Ed) A Psicologia em diálogo com o SUS. São Paulo: Casa do psicólogo, 2007. p. 129-139

MINAYO, M. C. S. Saúde e doença como expressão cultural. In A. A. Filho; M. C. G. B. Moreira (Ed). Saúde, trabalho e formação profissional. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1997. p. 31-39

MITÁNS, A. A teoria da subjetividade de González Rey: uma expressão do paradigma da complexidade na psicologia. Em González Rey, F. (Ed) Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia. São Paulo: Thomson Learnig, 2005. p. 1-25

MORIN, E. A noção de sujeito. In Schnitman, D. (ed), Novos paradigmas, Cultura e Subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 45-55.

PINHEIRO, R. As práticas do cotidiano na relação oferta e demanda dos serviços de saúde: um campo de estudo e construção da integralidade. In: Pinheiro, R.; Mattos, R.A. (Ed) Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à Saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 2001. P. 65-112.

TOURAINE, A. A busca de si: diálogo sobre o sujeito. Rio de Janeiro: Bertrand, 2004.

TOURAINE, A. Um novo paradigma: para compreender o mundo de hoje. Petrópolis: Vozes, 2006.

VYGOTSKY, L. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989.