Escala de Enfrentamento para Situações Socioacadêmicas Difíceis: Versão Reduzida

Conteúdo do artigo principal

Adriana Benevides Soares
Luciana Mourão
Marcia Cristina Monteiro

Resumo

O presente estudo teve como objetivo testar uma versão reduzida e realizar uma análise confirmatória da Escala de Enfrentamento para Situações Socioacadêmicas Difíceis (EESSAD). A amostra foi composta por 601 estudantes universitários de diferentes períodos e cursos, com idades entre 18 e 57 anos (M = 26,2 anos, DP = 7,2), a maioria mulheres (66,1%). Os participantes responderam à EESSAD no local. Para a análise fatorial confirmatória, usamos o método de estimativa maximum likelihood (ML) e os resultados indicaram uma estrutura tridimensional (dez itens): foco em outros poderosos, foco no problema e foco na emoção. A discussão aborda a relevância de uma escala reduzida e debate a estrutura, tendo em vista sua contribuição para o enfrentamento dos distintos obstáculos da vida acadêmica. Estudos futuros poderão relacionar o enfrentamento a outros fenômenos no contexto universitário e a dados sociodemográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Soares, A. B., Mourão, L., & Monteiro, M. C. (2022). Escala de Enfrentamento para Situações Socioacadêmicas Difíceis: Versão Reduzida. Revista Psicologia: Teoria E Prática, 25(1), ePTPIC15617. https://doi.org/10.5935/1980-6906/ePTPPA14239.en
Seção
Artigos

Referências

Boujut, E., Bruchon-Schweitzer, M., & Dombrowski, S. (2012). Coping among students: Development and validation of an exploratory measure. Psychology, 3(8), 562–568. https://doi.org/10.4236/psych.2012.38084

Carlotto, R. C., Teixeira, M. A. P., & Dias, A. C. G. (2015). Adaptação acadêmica e coping em estudantes universitários. Psico-USF, 20(3), 421–432. https://doi.org/10.1590/1413-82712015200305

Castro, R. V., & Almeida L. S. (2016). Ser estudante no ensino superior: Observatório dos percursos académicos dos estudantes da UMinho. In L. S. Almeida & R. V. de Castro (Orgs.), Ser estudante no Ensino Superior: O caso dos estudantes do 1º ano (pp. 15–31). Universidade do Minho. https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/42317

Ferreira, M. C., Valentini, F., Damásio, B. F., Mourão, L., Porto, J. B., Chinelato, R. S. C., Novaes, V. P., & Pereira, M. M. (2016). Evidências adicionais de validade da UWES-9 em amostras brasileiras. Estudos de Psicologia, 21(4), 435–445. https://doi.org/10.5935/1678-4669.20160042

Ganesan, Y., Talwar, P., Fauzan, N., & Oon, Y. B. (2018). A study on stress level and coping strategies among undergraduate students. Journal of Cognitive Sciences and Human Development, 30(2), 37–47. https://doi.org/10.33736/jcshd.787.2018

Kemper, C. J., Trapp, S., Kathmann, N., Samuel, D. B., Ziegler, M. (2018). Short versus long scales in clinical assessment: Exploring the trade-off between resources saved and psychometric quality lost using two measures of obsessive-compulsive symptoms. Assessment, 26(5), 767–782. https://doi.org/10.1177/1073191118810057

Kirikkanat, B., & Soyer, M. K. (2018). A path analysis model pertinent to undergraduates’ academic success: Examining academic confidence, psychological capital and academic coping factors. European Journal of Educational Research, 7(1), 133–150. https://doi.org/10.12973/eu-jer.7.1.133

Kline, R. B. (2011). Principles and practice of structural equation modeling. Guilford Press.

Lazarus R. S., & Folkman S. (1984). Stress, appraisal and coping. Springer.

Luca, L., Noronha, A. P. P., & Queluz, F. N. F. R. (2018). Relações entre estratégias de coping e adaptabilidade acadêmica em estudantes universitários. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 19(2), 169–176. https://doi.org/10.26707/1984-7270/2019v19n2p169

Moretti, F. A, & Hübner, M. M. C. (2017). O estresse e a máquina de moer alunos do ensino superior: Vamos repensar nossa política educacional? Revista da Associação Brasileira de Psicopedagogia, 34(105), 258–267. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862017000300003

Oliveira, C. T., Carlotto, R. C., Vasconcelos, S. J. L., & Dias, A. C. G. (2014). Adaptação acadêmica e coping em estudantes universitários brasileiros: Uma revisão de literatura. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 15(2), 177–186. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902014000200008

Pereira, T. B., & Branco, V. L. R. (2016). As estratégias de coping na promoção à saúde mental de pacientes oncológicos: Uma revisão bibliográfica. Revista Psicologia e Saúde, 8(1), 24–31. https://doi.org/10.20435/2177093x2016104

Schweizer, K. (2011). Some thoughts concerning the recent shift from measures with many items to measures with few items. European Journal of Psychological Assessment, 27(2), 71–72. https://doi.org/10.1027/1015-5759/a000056

Soares, A. B., Gomes, G., Maia, F. A., Gomes, C. A. O., & Monteiro, M. C. (2016). Relações interpessoais na universidade: O que pensam estudantes da graduação em Psicologia? Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 7(1), 56–76. https://doi.org/10.5433/2236-6407.2016v7n1p56

Soares, A. B., Monteiro, M. C., Souza, M. S. de, Maia, F. A., Medeiros, H. C. P., & Barros, R. de S. N. (2019). Situações interpessoais difíceis: Relações entre habilidades sociais e coping na adaptação acadêmica. Psicologia: Ciência e Profissão, 39, e183912. https://doi.org/10.1590/1982-3703003183912

Soares, A. B., Mourão, L., Maia, F. A., Medeiros, H. C. P., Monteiro, M. C., Barros, R. S. N., & Rodrigues, P. V. S (2018). Construction and validity evidence of a scale for coping with difficult social academic interpersonal situations. Psicologia: Reflexão e Crítica, 31, Article 24. https://doi.org/10.1186/s41155-018-0103-2

Soares, A. B., Rodrigues, P. V. S., & Mourão, L. (2021). Indicadores críticos para avaliação de habilidades sociais educativas em situações interpessoais difíceis. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 37, e37303. https://doi.org/10.1590/0102.3772e37303

Soares, A. B., Santos, Z. A., Andrade, A. C., & Souza, M. S. (2017). Expectativas acadêmicas e habilidades sociais na adaptação à universidade. Ciências Psicológicas, 11(1), 77–88. https://doi.org/10.22235/cp.v11i2.1349

Souza, A. C., Alexandre, N. M. C., & Guirardello, E. B. (2017). Propriedades psicométricas na avaliação de instrumentos: Avaliação da confiabilidade e da validade. Epidemiologia Serviços de Saúde, 26(3), 649–659. https://doi.org/10.5123/s1679-49742017000300022

Trindade, L. M. D. F., & Vieira, M. J. (2013). O aluno de Medicina e estratégias de enfrentamento no atendimento ao paciente. Revista Brasileira de Educação Médica, 37(2), 167–177. https://doi.org/10.1590/s0100-55022013000200003

Turashvili, T., & Japaridze, M. (2013). Coping strategies of university students in Georgian context. Problems of Education in the 21st Century, 56, 144–149. http://oaji.net/articles/2014/457-1420056255.pdf