Referenciação e argumentação em “Negro”, esquete do Porta dos Fundos

  • Anderson Nascimento Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Referenciação, Argumentação, Esquete

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de analisar o fenômeno referencial no esquete ‘Negro’, do Porta dos Fundos, e tem a sua justificativa destacada pelo fato de o esquete ser um tipo de produção verbo-visual pouco explorado quanto ao processo referencial e de como esse processo contribui para um dado ponto de vista. O trabalho encontra-se fundamentado teoricamente na Linguística Textual e estabelece um diálogo com estudos da argumentação na perspectiva de Amossy (2018). O resultado indica que no esquete analisado as recategorizações promovidas pela retomada de referentes no curso da interação servem para sinalizar uma visão de mundo preconceituosa. 

Biografia do Autor

Anderson Nascimento, Universidade Federal de São Paulo

Mestrando no programa de Pós-graduação em Letras pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), na área de Estudos Linguísticos, e graduado em Letras (bacharelado e licenciatura) pela mesma instituição. Membro do grupo de pesquisa CNPq Texto, Hipertexto e Ensino de Língua Portuguesa (THELPO), liderado pela Profa. Dra. Vanda Maria da Silva Elias, como também do Grupo de Estudos Humorísticos (GETHu/CNPq), coordenado pela Profa. Dra. Ana Cristina Carmelino. Possui interesse na área de Linguística, principalmente no que diz respeito aos estudos do texto e do discurso.

Referências

AMOSSY, R. A argumentação no discurso. São Paulo: Contexto, 2018.
FRANCIS, Gill. Labelling discourse: an aspect of nominal-group lexical cohesion. In: COULTHARD, M. (Ed.) Advances in written text analysis. London and New York: Routledge, 1994, p. 83-101.
KOCH, I. V. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 1984.
MARCUSCHI. L. A. Anáfora Indireta: o barco textual e suas âncoras. In.: KOCH, I. V.; MORATO, E. M.; BENTES, A. C. Referênciação e Discurso. São Paulo: Contexto, 2003, p. 53-102.
__________.; KOCH, I. V. Referenciação. In.: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. V. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006, p. 381-399.
MONDADA, L.; DUBOIS, D. Construção dos objetos de discurso e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: CAVALCANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. (Org.) Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003, p. 17-52.
PLANTIN, C. Os estudos da argumentação: da deslegitimação às reinvenções. In: A argumentação: histórica, teorias e perspectiva. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 7-24.
TRAVAGLIA, L. C. Esquete: caracterização de um gênero oral e sua possível correlação com outros gêneros. Uberlândia: ILEEL/UFU, cópia de inédito (2016). 28 p.
__________. O que é engraçado? Categorias do risível e o humor brasileiro na televisão. Estudos Linguísticos e Literários, Maceió, v. 5 e 6, p. 47-79, 1989.
Publicado
2020-07-07
Como Citar
Nascimento, A. (2020). Referenciação e argumentação em “Negro”, esquete do Porta dos Fundos. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 20(1), 18-31. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/13152