Uma Escrita literária feita de saliva e ouvidos

Um estudo sobre Terra Sonâmbula e A varanda do frangipani, de Mia Couto.

  • Josiane Souza Pires Lima Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)
  • Luiz Otávio de Magalhães Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
Palavras-chave: Escrita. Oralidade. Mia Couto.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o entrelaçamento da oralidade e da escrita em Terra Sonâmbula e A varanda do frangipani, do escritor moçambicano Mia Couto. Na literatura escrita os gêneros orais são reinventados, e nas obras de Mia Couto há uma busca pela legitimação da oralidade. Apesar da cultura letrada ter sido imposta de forma opressora, hoje ela é um meio de disseminação das culturas africanas. É na aliança entre a escrita e a oralidade que há uma expressão e veiculação de ideias.

 

 

Biografia do Autor

Luiz Otávio de Magalhães, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (Usp). Professor Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

Referências

BENJAMIN, W. O Narrador. In: Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. 3 ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

COUTO, Mia. A varanda do frangipani. São Paulo: Companhia das letras, 2007a.

COUTO, Mia. Terra Sonâmbula: São Paulo: Companhia das letras, 2007b.

FERREIRA, A. M. T. S. Traduzindo mundos: os mortos na narrativa de Mia Couto. Tese (Doutoramento em Literatura) – Universidade de Aveiro, Aveiro, 2007.

HAMPATÉ BÂ, A. A tradição viva. In.: KI-ZERBO, Joseph (Editor). História Geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2 ed. rev. Brasília: Unesco, 2010. p. 167-212.

LARANJEIRA, P. Mia Couto e as literaturas africanas de língua portuguesa. Revista de Filología Románica, n. II, Anexos, p. 185-205. 2001. Disponível em: < https://revistas.ucm.es/index.php/RFRM/article/viewFile/RFRM0101220185A/10937> Acesso em: jan. 2018.

LEITE, A. M.. Oralidades e escritas pós-coloniais: estudos sobre literaturas africanas. Rio de Janeiro: EdUerj, 2012.

PADILHA, L. Entre voz e letra: o lugar da ancestralidade na ficção angolana do século XX. Niterói, EdUFF, 2007.

RUI, Manuel. Entre mim e o nômade – a flor. África. Revista de literatura, arte e cultura, v. I, n. 5, jul-set. 1979.

TEIXEIRA, Eduardo de Araújo. O provérbio nas estórias de Guimarães Rosa e Mia Couto. Navegações, v. 8, n. 1, p. 57-63, 2015.

VANSINA, J. A tradição oral e sua metodologia. In.: KI-ZERBO, J. (Ed.). História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2 ed. rev. Brasília: Unesco, 2010. p. 167-212.

VIEIRA, Luandino. No antigamente, na vida. Lisboa: Editorial Caminho, 2005.

ZUMTHOR, P. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2014.
Publicado
2020-07-07
Como Citar
Souza Pires Lima, J., & de Magalhães, L. O. (2020). Uma Escrita literária feita de saliva e ouvidos. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 20(1), 186-203. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/13063