Trilogia da fuga

a morte nas obras de Antônio Torres

  • Clélia Gomes dos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Ricardo Martins Valle Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
Palavras-chave: Migração, Suicídio, Ficção contemporânea

Resumo

Este ensaio tem como foco a morte, considerando esta como resultado de um malfadado processo migratório nas obras literárias contemporâneas Essa terra, O cachorro e o lobo e Pelo fundo da agulha, do escritor Antônio Torres, romances em que o autor propõe uma reflexão sobre a migração nordestina. A nossa hipótese é a de que Torres, ao evidenciar algumas das condições desse cenário, cria personagens confusas diante das adversidades das idas e vindas que, ao não saberem lidar com estas, buscam diferentes saídas, sendo a morte uma delas. Assim, com base em estudiosos da temática, este texto analisa a morte como uma das diversas formas de fuga de realidades dentro das obras literárias citadas.

Biografia do Autor

Clélia Gomes dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Mestranda do Programa de Pós- Graduação em Letras: Cultura, Educação e Linguagem, pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Graduada em Letras Português/Inglês e Literaturas pela Universidade do Estado da Bahia (2005). É especialista em Letras, Português e Literaturas pela FIJ e em Práticas Docentes Interdisciplinares pela UNEB.

Ricardo Martins Valle, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduado em Letras Alemão/Português pela Universidade de São Paulo - USP, Mestrado e Doutorado em Literatura Brasileira também pela USP. É professor na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Vitória da Conquista, atuando nos cursos de Graduação e Pós-Graduação - PPGCEL.

Referências

ALVAREZ, A. O deus selvagem: um estudo do suicídio. Tradução S. Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

AMADO, J. Seara vermelha. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ANDRÉ, W. Literatura e suicídio: alguns operadores de leitura. Acta Scientiarum. Language and Culture, v. 40, n. 2, 2018.

ARAÚJO, R. M. S. Um grito de desespero: diálogos para uma filosofia da morte em Ivan Junqueira e Emil Cioran Rodrigo Michell dos Santos Araujo. Estação Literária, v. 9, p. 81-94, jun. 2012. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/estacaoliteraria/article/view/25685. Acesso em: 21 nov. 2019.

ASSIS, M. de. Memórias póstumas de Brás Cubas. Porto Alegre: L&PM, 2011.

ASSIS, M. de. A desejada das gentes. Belém: UNAMA: Núcleo de Educação à Distância, [2019]. Disponível em: http://dominiopublico.mec.gov.br/download/texto/ua000183.pdf Acesso em: 27 ago. 2019.

BANDEIRA, M. Consoada. In: BANDEIRA, M. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguillar, 1977.

BAUMAN, Z. Identidade. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Tradução Myriam et al. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BLANCHOT, M. A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

BELLE, E. A discursividade contemporânea sobre a morte. 2007. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2007.

BOURDIEU, P. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1996.

CAMUS, A. O primeiro homem. Tradução Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca e Maria Luiza Newlands Silveira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Diccionario de los símbolos. Barcelona: Editorial Herder, 1986.

ELIAS, N. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

GOETHE, J. W. Os sofrimentos do Jovem Werther. Tradução, organização, prefácio, comentários e notas de Marcelo Backes. São Paulo: Mediafashion, 2016.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

LISPECTOR, C. A hora da estrela. 23. edição. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995.

MELO NETO, J. C. Morte e vida severina e outros poemas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

MONTAIGNE, M. de. Os ensaios: uma seleção. Tradução Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

PESAVENTO, S. J. História e história cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

ROMERO, C. S.; FERNANDES, L. S. Três faces da morte: análises comparadas de poemas dos períodos Barroco, Romântico e Moderno. Trama, v. 8, n. 15, p. 67-80, jan./jun 2012.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação. Tradução Jair Barboza. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

SILVESTRE, E. Literatura. Globonews, 2001. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fCIycC_1SMU. Acesso em: 23 ago. 2019.

THOMAS, L.-V. Antropología de la muerte. México: Fondo de Cultura Económica, 1983.

TORRES, A. Pelo fundo da agulha. Rio de Janeiro: Record, 2014.

TORRES, A. O cachorro e o lobo. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

TORRES, A. Essa terra. 15. ed. Rio de Janeiro: Record, 2018.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
dos Santos, C. G., & Valle, R. M. (2019). Trilogia da fuga. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 19(3), 190-207. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/12734