Memórias Póstumas de Brás Cubas

do livro ao palco

  • Marcella Iole da Costa Universidade Presbiteriana Mackenzie
Palavras-chave: Transposição midiática, Literatura, Teatro

Resumo

O presente artigo objetiva analisar a transposição da notória obra literária Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, publicada em 1880, para a peça de teatro musical Memórias póstumas de Brás Cubas – musical cômico-fantástico, feita pela atriz e diretora Regina Galdino, em 2017. Busca-se elaborar reflexões sobre as razões que levaram ao formato adquirido na nova mídia e sobre as soluções encontradas para que o produto final da transposição mantivesse as características mais importantes do texto original.

Biografia do Autor

Marcella Iole da Costa, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie, nas áreas de Linguística, Lusofonia, Identidade e Português Língua Estrangeira. Mestre em Letras pelo mesmo programa. Bacharel em Letras/Tradutor nos idiomas inglês e francês pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, licenciada em Português, Inglês e Francês pela mesma universidade. No período 2015-2016 foi bolsista Fulbright, atuando como instrutora de Português como Língua Estrangeira na Florida International University, em Miami - FL. Atualmente, realiza estágio científico na Universidade do Minho, como parte de sua pesquisa de doutorado, por meio de bolsa concedida pelo Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior, da Capes.

Referências

ALENCAR, V. P. Bertolt Brecht: teatro épico com postura crítica do público. UOL Educação, 10 fev. 2014. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/disciplinas/artes/bertolt-brecht-teatro-epico-com-postura-critica-do-publico.htm. Acesso em: 10 out. 2017.

ASSIS, M. Memórias póstumas de Brás Cubas. 30. ed. São Paulo: Ática, 2011.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoievski. 2. ed. Tradução Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

BRECHT, B. Estudos sobre teatro. 2. ed. Tradução Fiama Pais Brandão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

CLÜVER, C. Inter textus/inter artes/inter media. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, v. 14, p. 11-41, jul./dez. 2006. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/1357. Acesso em: 9 out. 2019.

MEMÓRIAS póstumas de Brás Cubas – musical cômico-fantástico. Direção e adaptação de texto: Regina Galdino. Intérprete: Marcos Damigo. Música original: Mário Manga. Direção musical, arranjos e trilha sonora: Pedro Paulo Bogossian. Figurino: Fábio Namatame. Coreografia: Marcos Damigo. Consultoria de movimento: Roberto Alencar. Iluminação e cenografia: Regina Galdino. Execução cenográfica: Luis Rossi. Fotos: Lucas Brandão. São Paulo: Oasis Empreendimentos Artísticos, 2017.

MERQUIOR, J. G. O romance carnavalesco de Machado. In: ASSIS, M. Memórias póstumas de Brás Cubas. 30. ed. São Paulo: Ática, 2011. p. 11-15.

OLIVEIRA, A. M. Machado de Assis: uma releitura à luz da teoria da carnavalização, de Bakhtin. Revista Eletrônica de Estudos Literários, s. 1, a. 5, n. 5, 2009. p. 89-96.

RAJEWSKY, I. Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: uma perspectiva literária sobre a intermidialidade. In: DINIZ, T. F. N. (org.). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: UFMG, 2012. p. 15-45.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Iole da Costa, M. (2019). Memórias Póstumas de Brás Cubas. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 19(3), 145-154. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/12651