CRISE DA FORMA, FORMA DA CRISE: SOBRE O MONÓLOGO INTERIOR EM ULYSSES, DE JAMES JOYCE

  • Camila Hespanhol Peruchi Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Resumo

Este artigo parte do pressuposto de que a técnica do monólogo interior é uma resposta refletida a problemas formais e históricos do século XX. Ao analisar o processo de desenvolvimento do discurso indireto livre em monólogo interior no romance Ulysses, de James Joyce, o artigo demonstra como esta técnica contribuiu para a verossimilhança psicológica e para o rompimento do decoro da forma, configurando-se também como expressão da experiência moderna da cidade.

Biografia do Autor

Camila Hespanhol Peruchi, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
Camila Hespanhol Peruchi é doutoranda em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

ADORNO, Theodor W. Presupuestos: a propósito de una lectura de Hans G. Helms. In: Notas sobre literatura: obras completas. Traducción de Alfredo Brotons Muñoz. Madrid: Ediciones Akal, S. A., 2003a, p. 414-28.

_______. Posição do narrador no romance contemporâneo. In: Notas de literatura I. Tradução de Jorge de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003b, p.55-63.

DUJARDIN, Édouard. Os loureiros estão cortados. Tradução de Hilda Pedrollo. Porto Alegre: Editora Brejo, 2005.

DURÃO, Fabio Akcelrud. Modernismo e coerência: quatro capítulos de uma estética negativa. São Paulo: Nankin, 2012.

GALINDO, Caetano W. Sim, eu digo sim: uma visita guiada a Ulysses de James Joyce. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

GIFFORD, Don; SEIDMAN, Robert. J. Ulysses Annoted – Notes for James Joyce´s Ulysses. Berkeley: Los Angeles: London: University of California Press, 2008.

JAMESON, Frederic. Filmar O capital? In: Crítica Marxista, n.30, p.67-74, 2010.

JOYCE, James. Ulysses. The Gabler Edition. New York: Random House, 1986.

_______. Ulysses. Tradução de Caetano W. Galindo. São Paulo: Companhia das Letras/ Penguin, 2012.

_______. Estética In: De santos e sábios: escritos estéticos e políticos. Sérgio Medeiros e Dirce Waltrick do Amarante (orgs.). Tradução de André Cechinel. São Paulo: Iluminuras, 2012, p.151-8.

_______. In: POWER, Arthur. Conversations with James Joyce. Dublin: The Lilliput Press, 1999.

JUNG, Carl Gustave. Ulisses: um monólogo. In: DURÃO, Fabio Akcelrud. Modernismo e coerência: quatro capítulos de uma estética negativa. São Paulo: Nankin, 2012.

KENNER, Hugh. The rhetoric of silence. In: James Joyce Quarterly, Vol 14, No. 4 (Summer, 1977), p.382-394.

MCKEON, Michael. The origins of the English Novel: 1600-1740. United States of America: The Johns Hopkins University Press, 2002.

MORETTI, Franco. O século sério. In: Novos Estudos CEBRAP, nº 65, março de 2003, p.3-33.

_______. O longo adeus: Ulisses e o fim do capitalismo liberal. In: Signos e estilos da modernidade: ensaios sobre a sociologia das formas literárias. Tradução de Maria Beatriz de Medina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p.215-242.

WATT, Ian. A ascensão do romance inglês: estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

WILLIAMS, Raymond. Quando se deu o modernismo? In: Política do modernismo. Tradução de André Glaser. São Paulo: Editora Unesp, 2011, p.1-7.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
Peruchi, C. H. (2018). CRISE DA FORMA, FORMA DA CRISE: SOBRE O MONÓLOGO INTERIOR EM ULYSSES, DE JAMES JOYCE. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 18(3). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/11690