Marcas da oralidade e persuasão no telejornalismo brasileiro

  • Patrícia Aparecida Silva Universidade de São Paulo - FFLCH/USP

Resumo

O objeto deste estudo é a análise de alguns aspectos das relações entre oralidade e persuasão no sistema telejornalístico brasileiro, enfatizando-se o papel exercido pelas marcas da oralidade na construção do uso discursivo de telejornais, bem como o caráter persuasivo da veiculação de notícias. Toda a pesquisa será balizada pelos pressupostos teóricos da Análise da Conversação – principalmente pelos estudos de Marcuschi (1986) – e da Análise do Discurso – representada, sobretudo, pelas teorias de Bakhtin (2010).

Biografia do Autor

Patrícia Aparecida Silva, Universidade de São Paulo - FFLCH/USP

Doutoranda em Letras - DLCV/FFLCH-USP.

Mestre em Letras - DLCV/FFLCH-USP.

Bacharel e Licenciada em Letras - Língua Portuguesa/ FFLCH-USP.

Referências

BAKHTIN, Mikhail (Volochínov). Marxismo e filosofia da linguagem. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

LEITE, Marli Quadros. A conversa é aqui nos telejornais. In: _________. (Org.). Oralidade e mídia. São Paulo: Humanitas, 2017. v.13, p. 83-135.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1986.

______. (2001). Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

PRETI, Dino. A propósito do discurso urbano oral culto: a língua e as transformações sociais. In: ______. (Org.). O discurso oral culto. São Paulo: Humanitas, 1997. p.17-27.

______. A gíria na língua falada e na língua escrita: uma longa história de preconceito social. In: ______. (Org.). Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas, 2000. v. 4, p. 241-257.

ROCCO, Maria Thereza Fraga. A linguagem autoritária. Televisão e persuasão. São Paulo: Brasiliense, 1999.

Publicado
2018-08-31
Como Citar
Silva, P. A. (2018). Marcas da oralidade e persuasão no telejornalismo brasileiro. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 18(2). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/11407