Reflexões epistemológicas para estudos significativos a partir de relatos orais: a experiência vivida no aprendizado de uma língua estrangeira

  • Cássia Regina Rocha Gonçalves Universidade Metodista de São Paulo UMESP

Resumo

O objetivo deste artigo é oferecer reflexões epistemológicas a fim de potencializar a sensibilidade de pesquisadores que queiram dedicar-se à pesquisa narrativa, a partir de relatos orais. Concebendo a linguagem humana como recorte semântico de uma experiência sensível, compreendemos que a mesma não dá conta de abarcar toda a subjetividade de uma experiência narrada. Apropriar-se desta totalidade requer olhos, ouvidos e sensibilidade abertos por parte do pesquisador. Assim, baseando-nos em uma pesquisa sobre o processo de ensino-aprendizagem de língua estrangeira, refletiremos sobre a constituição do ser, humano e social, através dos sentidos e na/pela linguagem, e o papel desempenhado pela língua neste devir, a partir da perspectiva da Antropologia dos Sentidos (Le Breton, 2016) e da Ontologia da Linguagem (Echeverrìa, 2016) como contribuição para um estudo significativo. 

Biografia do Autor

Cássia Regina Rocha Gonçalves, Universidade Metodista de São Paulo UMESP
Mestranda em Educação pela Umesp, na linha de Formação de Educadores, graduada em Letras - Licenciatura Plena em Língua Portuguesa e Língua Inglesa pela Universidade do Grande ABC e especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela FSA. Atua no ensino de Língua Estrangeira desde 1995 e possui experiência com diversas faixas etárias e suas especificidades com relação ao aprendizado.

Referências

BERTAUX, Daniel. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. Paulus/EDUFRN. Natal, RN. 2010.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri. Histórias de vida na abordagem de problemas educacionais. In: VON SIMSON, Olga R. de Moraes (Org.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo, SP. 1988. Pg. 44-71.

ECHEVERRÍA, Rafael. Ontología del Lenguage. Editora Granica. Buenos Aires, Argentina. 2016.

FIORIN, José Luiz (org.). Linguística? Que é isso? Editora Contexto. São Paulo, SP. 2013.

LE BRETON, David. Uma Antropologia dos Sentidos. In: Antropologia dos Sentidos. Pg. 21-66. Editora Vozes. Petrópolis, RJ. 2016.

OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno de. Epistemologia e Educação: Bases Conceituais e Racionalidades Científicas e Históricas. Editora Vozes. Petropólis, RJ. 2016.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira. Relatos Orais: do “indizível ao dizível”. In: VON SIMSON, Olga R. de Moraes (Org.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo, SP. 1988. p. 14-43.

RAJAGOPALAN. Kanavillil. O conceito e a identidade em linguística: é chegada a hora para uma reconsideração radical? In: SIGNORINI, Inês (Org.). Língua(em) e Identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Pg. 21 – 46. Mercado das Letras. Campinas, SP. 2002.

REVUZ, Christine. A língua estrangeira entre o desejo de um outro lugar e o risco do exílio. In:SIGNORINI, Inês (Org.). Língua(em) e Identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Pg. 213 – 230. Mercado das Letras. Campinas, SP. 2002.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e Linguagem. Editora Martins Fontes. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. 4a edição. São Paulo, SP. 2008.

Publicado
2018-08-31
Como Citar
Gonçalves, C. R. R. (2018). Reflexões epistemológicas para estudos significativos a partir de relatos orais: a experiência vivida no aprendizado de uma língua estrangeira. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 18(2). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/10725