A imersão do leitor e a quarta parede na poética de Ana Martins Marques

Rodrigo Fonte

Resumo


Os poemas de Ana Martins Marques se constituem por certa corporeidade lírica que, envolvendo o leitor em seu processo imagético, paradoxalmente o frustra quanto à existência de uma realidade outra. Tal movimento, próprio à encenação teatral, foi entendido como “a quebra da quarta parede”, e nos três primeiros livros da poeta mineira funciona como uma forma de pensar a escrita de uma ambiência poética e sua recepção. Com uma forte carga de narratividade, em que o eu lírico elabora imagens-personagens bastante nítidas como Penélope e Ulisses, Ana Martins Marques toma de empréstimo algumas ferramentas teatrais para modelar uma interessante poesia-prosa. Isso posto, o presente estudo objetiva dissertar acerca da inter-relação entre os gêneros lírico e dramático, em que o leitor, à exemplo do espectador teatral, se vê motivado a encontrar a si mesmo nos interstícios dos versos mediante um processo de escavação de sentidos.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMS, M. H. The fourth Dimension of a Poem and Other Essays. New York; London: W. W. Norton & Company, 2012.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo – V.I e V II. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BLANCHOT, Maurice. Uma voz vinda de outro lugar. Tradução de Adriana Lisboa. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

CANDIDO, Antonio; CASTELLO, José Aderaldo. Presença da literatura brasileira – Modernismo. São Paulo: Difel, 1968.

CASTRO, Manuel Antônio de. “O próprio e os atributos”. Terceira Margem, nº 22, janeiro/junho de 2010, pp. 115-133.

DUFRENNE, Mikel. Estética e filosofia. Tradução de Roberto Figurelli. São Paulo: Perspectiva, 1972.

ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. Tradução Giovanni Cutolo. São Paulo: Perspectiva, 2010.

LANGER, Susanne K. “Poiesis”. In: ______. Sentimento e forma: uma teoria da arte desenvolvida a partir de Filosofia em nova chave. Tradução de Ana M. Godberger e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2014. Pp 217-44.

MARQUES, Ana Martins. A vida submarina. Belo Horizonte: Scriptum, 2009.

______. Da arte das armadilhas. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. O livro das semelhanças. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. Tradução de José Artur Gianotti e Armando Mora d’Oliveira. São Paulo: Perspectiva, 2012.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha (org. e trad.). Hélade: Antologia da cultura grega. Coimbra: Casa do Castelo Editora, 1963).

PIETRANI, Anélia Montechiari. “A razão ética e poética nos poemas de Ana Martins Marques”. Estudos de literatura brasileira contemporânea, nº.45, pp 301-19, jan/jun. 2015.

RANCIÈRE, Jacques. “Politique de lalittérature”. In: ______. Politique de la littérature. Paris: Éditions Galilée, 2007; pp. 11-40.

READ, Herbert. A educação pela arte. Tradução Ana Maria Rabaça e Luis Felipe Silva Teixeira. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

THOMAS, Dylan. “Preface – Notes on the Art of Poetry”. In: ______. The poems of Dylan Thomas / edited with an introduction and notes by Daniel Jones; with preface by Dylan Thomas. New York: A New Directions Book, 2003.

XAVIER, Ismail. O olhar e a cena: Melodrama, Hollywood, Cinema Novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.