A estrutura narrativa em Terra sonâmbula, de Mia Couto

Camila Concato

Resumo


RESUMO: Este trabalho tem por objetivo analisar os elementos narrativos do romance Terra sonâmbula, de Mia Couto, interpretando sua constituição sob a óptica da construção do romance moderno. As relações que se objetiva evidenciar, além daquelas de natureza estrutural, são as pertencentes à ordem conceitual como o realismo animista, mise en abyme, dentre outras, por meio do exame das construções da linguagem. A questão da oralidade, como inflexão narrativa na transferência da tradição, também é considerada dentro da estrutura. Lucien Dallenbach, Mikhail Bakhtin, Gaston Bachelard foram os teóricos usados como base para este estudo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALIGHIERI, Dante. A divina comédia. Tradução de Fábio M. Alberti. São Paulo: Nova Cultural, 2002.

BACHELARD, Gaston. A intuição do instante. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. Campinas: Verus, 2010.

______. A poética do espaço. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

______. O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato responsável. Intr. Augusto Ponzio. Tradução de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro e João Editores, 2010.

______. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Volume II. Petrópolis: Vozes, 1991.

BRANDÃO, Luis Alberto. Teorias do espaço literário. São Paulo: Perspectiva, 2013.

CHIAMPI, Irlemar. O realismo maravilhoso. São Paulo: Perspectiva, 2015.

COMPAIGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

COUTO, Mia. Terra sonâmbula. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DALLENBACH, Lucien. Le récit spéculaire. Essai sur la mise-en-abyme. Paris: Seuil, 1977.

ECO, Umberto. A estrutura ausente. Tradução de Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2003.

______. Os limites da interpretação. Tradução de Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2015.

GARUBA, Harry. Explorações no realismo animista: notas sobre a leitura e a escrita da literatura, cultura e sociedade africana. Tradução de Elisângela da Silva Tarouco. In: Nonada Letras em Revista. v.2. n.19. 2012. Disponível em: http://seer.uniritter.edu.br/index.php/nonada/article/view/610/396. Acesso em 13/06/2017.

PINO, Claudia Amigo. A ficção da escrita. Cotia: Ateliê Editorial, 2004.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

RILKE, Rainer Maria. Cartas a um jovem poeta. Tradução de Paulo Rónai. São Paulo: Globo, 2013, p. 41.

SILVEIRA, Regina da Costa. Realismo-maravilhoso e realismo-animista: tendências da crítica contemporânea. In: Vertentes do fantástico no Brasil: tendências da ficção e da crítica. Flavio Garcia; Marcello de Oliveira Pinto; Regina Michelli (Orgs.). Rio de Janeiro: Dialogarts, 2015.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Tradução de Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Perspectiva, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.