Duas Várzeas, Dois Parques, Uma Resiliência

Palavras-chave: Projeto Paisagístico, História da Paisagem, Parque Público.

Resumo

Os parques públicos da Várzea do Carmo (1922) e do Ibirapuera (1954) foram desenvolvidos pelo município de São Paulo nas áreas várzeas do Carmo e de Santo Amaro, respectivamente, com grande repercussão nacional e internacional. Entretanto, na década de 70, esse primeiro caso teve decretado o seu fechamento, enquanto o segundo se consolidou, até a contemporaneidade, como o principal parque público municipal. A intenção é extrair dos dados histórico-historiográficos e projetuais, as diretrizes do projeto paisagístico de implantação que porventura influenciaram na obsolescência e na resiliência urbana desses espaços públicos. Ao analisar a bibliografia e os desenhos técnicos é possível extrair valores que subsidiaram as tomadas de decisão nas esferas físicas, políticas e sociais de cada proposição, formando-se indicadores que permitam aferir alguns dos motivos que levaram esses espaços públicos a destinos tão díspares, décadas após a sua implantação.

Biografia do Autor

Matheus de Vasconcelos Casimiro, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Mestre pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Mackenzie (2018), se formou arquiteto e urbanista nesta mesma instituição (2011), tem experiências em pesquisas na área de projeto e paisagismo (2010 e 2014), e exerceu profissionalmente a profissão do DEPAVE 1, realizando projetos de parques públicos (2012-2016).
Publicado
2019-02-11
Seção
Arquiteturas e Equipamentos Urbanos