Concordância verbal com estruturas partitivas: a regra gramatical versus o uso

Marcus Vinícius Pereira das Dores, Christiane Benones de Oliveira, Erick Soares Drumond

Resumo


O objetivo principal deste artigo científico é apresentar os resultados de um estudo preliminar sobre a concordância verbal com estruturas partitivas. A partir de um total de 312 provas de redação do vestibular de 2010 da Universidade Federal de Ouro Preto, sendo 185 provas de candidatos do curso de Biologia e 127 provas de candidatos do curso de Letras, procedeu-se ao levantamento das ocorrências dessa estrutura. Após esse levantamento, cada estrutura foi analisada de forma a verificar se a concordância fora feita com o núcleo do SN ou com o núcleo do SPrep à esquerda do núcleo do SN.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEREDO, J. C. de. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. 2° ed. – São Paulo: Publifolha, 2008, p. 230-232.

BAGNO, M. Preconceito linguístico – o que é, como se faz. 49 ed. São Paulo: Edições Loyola; 2007.

BRANDÃO, C. Sintaxe Clássica Portuguesa. Belo Horizonte: Imprensa da Universidade de Minas Gerais, 1969.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. ver. e ampl. Rio de Janeiro: Lucerna, 1999.

BENVENISTE, E. Estrutura da língua e estrutura da sociedade. In: Problemas de linguística geral II. São Paulo: Cia. Editora Nacional/EDUSP, 1989 (título original, 1968).

CASTILHO, A. T. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2010.

CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 48 ed. rev. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

CUNHA, C.; CINTRA, L. F. L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 4 ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Lexicon Editora Digital, 2007.

JAKOBSON, R. Linguística e poética. In: Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1970. (título original, 1960).

LABOV, W. Sociolinguistics patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1963.

LIMA, C. H. da R. Gramática normativa da língua portuguesa. 27. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.

LUCCHESI, D.; ARAÙJO, S. A Teoria da Variação Línguística. In . Acessado em: 22 out. 2016.

LUFT, C. P. Gramática Resumida. Rio de Janeiro: Globo, 2004.

MENDES, F. Grammatica portugueza pelo methodo confuso. 4. ed. Vitória: Rocco – Fundação Ceciliano Abel de Almeida/UFES, 1985.

NARO, A. J.; SCHERRE, M. M. P. Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2007.

NARO, A. J.; SCHERRE, M. M. P. A hierarquização do controle da concordância no português moderno medieval: o caso de estruturas sujeito simples. In: GROBE, S.; ZIMMERMANN, K. (eds). O português brasileiro: pesquisas e projetos. v. 17. Frankfurt am Main: TFM, 2000, p. 135-165.

PERINI, M. A. Sofrendo a Gramática. 3. ed. São Paulo, 2009.

SAUSSURE, F. de. Curso de linguística geral. 3.ed. São Paulo: Cultrix, 1981.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. J. Restrições sintáticas e semânticas no controle da concordância verbal em português. Fórum Linguísticos, v. 1, 1998, p. 45-71.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. J. Uma reflexão sociolinguística sobre o conceito de erro. In: BAGNO, M. (org.). Linguística e norma. São Paulo: Loyola, 2002.

SILVA, B. A. da. Subvertendo a gramática. Revista Caletroscópio. Mariana, v. 2, n. 2, p. 123-148, 2014. ISSN 2318-4574. Disponível em: . Acessado em: 26 out. 2016.

SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 1994.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1° e 2° graus. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.