Da guerra de Troia à Guerra do Paraguai

Reminiscências clássicas em Iaiá Garcia, de Machado de Assis

  • Edson Martins Universidade Federal de Viçosa (UFV)
  • Fernanda Tavares Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Cultura clássica, Machado de Assis, Iaiá Garcia

Resumo

Em sua vasta produção ficcional, Machado de Assis recorrentemente se volta para a cultura greco-romana para o estabelecimento de diálogos (BAKHTIN, 2002), como tem apontado a crítica contemporânea (REGO, 1989; BRANDÃO, 2001; MARTINS, 2015, 2016, 2018; TEIXEIRA; MARTINS, 2017). Partindo da ideia de que os mitos greco-romanos constituem um importante repertório comum de narrativas para a construção dos valores simbólicos e materiais do mundo ocidental, neste trabalho buscamos demonstrar de que forma os temas clássicos são citados e reconfigurados pela pena machadiana em Iaiá Garcia. Para tal, orientamo-nos pelo conceito de clássico como um ponto de referência para o entrecruzamento de novas escrituras (BARBOSA; BRANDÃO; TREVIZAM, 2009), bem como pela definição de mito como narrativa tradicional (BURKERT, 1991). Como resultados, foram encontrados mitemas que se referem a poetas (Homero, Virgílio), à tragédia (Prometeu), à história (Lúculo), à filosofia (Diógenes), além de elementos da mitologia greco-romana (Vênus e as náiades). Na análise, defendemos que Machado seleciona precisamente essas citações porque deseja realizar uma leitura crítica sobre as relações sociais de seu tempo a partir do esgotamento das fórmulas românticas, salientando a determinação e a dinâmica das personagens femininas em contraposição ao estereótipo de uma figura feminina frágil e subalterna no Brasil do século XIX.

Publicado
2019-08-26
Como Citar
Martins, E., & Tavares, F. (2019). Da guerra de Troia à Guerra do Paraguai. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 19(2). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/12252