O mito da avaliação [em língua inglesa]

do que estamos falando?

  • Diego Fernandes Coelho Nunes Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Renata Lopes de Almeida Rodrigues Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Colégio de Aplicação (CAp-UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Palavras-chave: Avaliação, Ensino de língua inglesa, Crenças

Resumo

Por meio do presente trabalho, pretendemos discutir questões relacionadas à avaliação educacional, em específico sobre a avaliação de língua inglesa (LI). Este texto tem dois objetivos: esclarecer algumas crenças existentes a respeito dos processos avaliativos que permeiam o ensino-aprendizagem de LI e contribuir para a formação de professores mais atentos e sensíveis a tal questão. Para tanto, debruçamo-nos nos estudos de Luckesi (2011) para discutir os processos avaliativos nos quais nos inserimos com frequência em nossas salas de aula, bem como nos estudos de crenças no ensino, propostos por Barcelos (2001, 2004).

Referências

BAILEY, K. M. Learning about language assessment: dilemmas, decisions, and directions. Cambridge, MA: Heinle & Heinle, 1998.

BARCELOS, A. M. F. Metodologia de pesquisa das crenças sobre aprendizagem de línguas: estado da arte. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 1, n. 1, p. 72-92, 2001.

BARCELOS, A. M. F. Crenças sobre aprendizagem de línguas, linguística aplicada e ensino de línguas. Linguagem & Ensino, v. 7, n. 1, p. 123-156, 2004.

BARCELOS, A. M. F. Cognição de professores e alunos: tendências recentes na pesquisa de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. In: BARCELOS, A. M. F.; ABRAHÃO, M. H. V. (org.). Crenças e ensino de línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006. p. 15-42.

DUBOC, A. P. M. Ensino e avaliação de línguas estrangeiras: tendências em curso. In: RETORTA, M. S.; MULIK, K. B. (org.). Avaliação no ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras: diálogos, pesquisas e reflexões. Campinas: Pontes, 2014. p. 21-47.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 49. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GENESEE, F.; UPSHUR, J. A. Classroom-based evaluation in second language education. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1996.

HORWITZ, E. K. The beliefs about language learning of beginning university foreign language students. The Modern Language Journal, v. 72, n. 3, p. 283-294, 1988.

HUERTA-MACÍAS, A. Alternative assessment: responses to commonly asked questions. In: RICHARDS, J. C.; RENANDYA, W. A. Methodology in language teaching: an anthology of current practice. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2002. p. 338-343.

HUGHES, A. Testing for language teachers. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1989.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

MILLER, I. K. et al. Prática exploratória: questões e desafios. In: GIL, G.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Educação de professores de línguas: os desafios do formador. Campinas, SP: Pontes, 2008. p. 145-165.

MOITA LOPES, L. P. Eles não aprendem português quanto mais inglês. A ideologia da falta de aptidão para entender LE em alunos de escola pública. Revista de Cultura Vozes, v. 85, n. 2, p. 188-200, 1991.

MORAES, R. N. Crenças de professor e alunos sobre o processo de ensino/aprendizagem e avaliação: implicações para a formação de professores. In: BARCELOS, A. M. F.; ABRAHÃO, M. H. V. (org.). Crenças e ensino de línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006. p. 203-218.

MORAES BEZERRA, I. C. R. “Com quantos fios se tece uma reflexão”: narrativas e argumentações no tear da interação. 2007. Tese (Doutorado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

MORAES BEZERRA, I. C. R.; NUNES, D. F. C. Afeto e aquisição de segunda língua: a estória de uma licencianda. In: CARVALHO, G.; ROCHA, D.; VASCONCELLOS, Z. (org.). Linguagem: teoria, análises e aplicações (7). Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Letras/UERJ, 2013. p. 18-30. Disponível em: http://www.pgletras.uerj.br/linguistica/textos/livro07/LTAA7_a02.pdf. Acesso em: 7 jan. 2015.

MULIK, K. B. Crenças sobre avaliação em língua inglesa: um estudo com professores da educação de jovens e adultos. In: RETORTA, M. S.; MULIK, K. B. (org.). Avaliação no ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras: diálogos, pesquisas e reflexões. Campinas: Pontes, 2014. p. 123-150.

NÓBREGA KUSCHNIR, A. N. O afeto e a sócio-construção do conhecimento na sala de aula de língua estrangeira. Pesquisas em Discurso Pedagógico, v. 2, n. 1, 2003.

NUNES, D. F. C. Ensino-aprendizagem de LE: um espaço onde o afeto se manifesta. Pesquisas em Discurso Pedagógico, v. 2, p. 1-15, 2012.

NUNES, D. F. C. Histórias, risos, reflexões e aprendizados: a utilização da prática exploratória na criação de um ambiente agradável para o ensino de língua inglesa. 2014. Monografia (Graduação em Letras Português/Inglês) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2014.

NUNES, D. F. C. O mito do bicho de sete cabeças da avaliação em língua inglesa: desmistificando crenças, buscando entendimentos e ressignificando conceitos. 2015. Monografia (Especialização em Língua Inglesa e Educação Básica) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2015.

NUNES, D. F. C. Experiências de ontem na construção de quem somos hoje: prática exploratória como fundamento sustentável no ensino e na pesquisa. 2017. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

PAJARES, M. F. Teacher’s beliefs and educational research: cleaning up a messy construct. Review of Educational Research, v. 62, n. 3, p. 307-332, 1992.

SHEPARD, L. The role of assessment in a learning culture. Educational Researcher, v. 29, n. 7, p. 4-14, 2000.

SILVA, E. R. As relações entre cognição e afetividade em LA: a influência de Vygotsky nessa abordagem temática. Soletras, São Gonçalo, ano VIII, n. 15, p. 133-140, jan./jun. 2008.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Nunes, D. F. C., & Rodrigues, R. L. de A. (2019). O mito da avaliação [em língua inglesa]. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 19(3), 257-272. Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/11863