A produção de reparo resultante de discrepâncias referenciais em uma conversa cotidiana: um estudo analítico

  • Paola Gabriela Konrad Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos

Resumo

RESUMO: Este artigo, amparado pelo arcabouço teórico-metodológico da Análise da Conversa (SACKS; SCHEGLOFF; JEFFERSON, 1974), e enquadrado no escopo de pesquisa da Linguística Aplicada, compreende a análise de uma interação de fala cotidiana entre pessoas da mesma família durante uma atividade habitual, cuja gravação fora realizada em áudio e vídeo. Os objetivos deste estudo consistem em (1) analisar como problemas concernentes a questões de referenciação podem culminar na produção de reparo na fala; (2) identificar os tipos de reparo presentes no fragmento analítico escolhido para este estudo; e (3) analisar a produção de reparo a serviço de “quem sabe mais” na interação em pauta. 

PALAVRAS-CHAVE: Conversa cotidiana, organização de reparo, referenciação.

Biografia do Autor

Paola Gabriela Konrad, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Mestranda em Linguística Aplicada pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade do Vale do Rio dos Sinos/Unisinos e graduada em licenciatura em Letras (Línguas Portuguesa e Inglesa) pela mesma instituição.

Referências

BAXTER, J. Discourse-Analytic Approaches to Text and Talk. In: LITOSSELITI, L. Research Methods in Linguistics. London: Continuum, 2010. p. 117-137.

BLIKSTEIN, I. Kaspar Hauser ou a fabricação da realidade. 9. ed. São Paulo: Cultrix, 2003.

CLARK, H.; MARSHALL, C. Definite reference and mutual knowledge. In: JOSHI, A. K.; WEBBER, B. L.; SAG, I. A. (Eds.) Elements of discourse understanding. NY: Cambridge University Press, 1981, p. 10-63.

CLIFT, R. Halting progressivity: the organization of repair. In: CLIFT, R. Conversation Analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 2016, p. 232-270.

CLIFT, R. Conclusion: discovering order. In: CLIFT, R. Conversation Analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 2016, p. 272-274.

FREGE, G. Sobre o Sentido e a Referência. In: FREGE, G. Lógica e filosofia da linguagem. São Paulo: Cultrix, 1978, p. 61-86.

GARCEZ, P. M.; LODER, L. L. Reparo iniciado e levado a cabo pelo outro na conversa cotidiana em português do Brasil. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada - DELTA (PUCSP. Impresso), v. 21, n. 2, p. 279-312, 2005.

HERITAGE, J. Conversation Analysis and Institutional Talk: Analyzing Distinctive Turn-Taking Systems. In: CMEJRKOVÁ, S.; HOFFMANNOVÁ, J.; MÜLLEROVÁ, O.; SVETLÁ, J. (Eds.). Proceedings of the 6th International Congress of IADA (International Association for Dialog Analysis). Tubigen: Niemeyer, 1998, p. 3-17.

HERITAGE, J. Garfinkel and Ethnomethodology. Cambridge: Polity Press, 1984.

JEFFERSON, G. Transcript notation. In: ATKINSON, J. M.; HERITAGE, J. Structures of social action: studies in conversation analysis. New York: Cambridge University Press, 1984. p. ix-xvi.

KOSCHMANN, T.; LEBARON, C.; GOODWIN, C.; FELTOVICH, P. Dissecting common ground: Examining an instance of reference repair. In: MOORE, J. D.; STENNING, K. (Eds.). Proceedings of the Twenty-Third Annual Conference of the Cognitive Science Society, Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 2001, p. 516-521.

LEITE, M. A.; MARTINS, R. Referenciação. Cadernos Cespuc. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, n. 23, p. 43-48, 2013.

LEVINSON, S. C. Pragmatics. Cambridge, England: Cambridge University, 1983.

MAREGA, L. M. P.; JUNG, N. M. A sobreposição de falas na conversa cotidiana: disputa pela palavra? Veredas (UFJF. Online), v. 15, p. 321-337, 2011.

MONDADA, L.; DUBOIS, D. Construção de objetos de discurso e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: CAVALCANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. (Eds.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003, p. 17-52.

PIRES, C. C. Organização de reparo na conversa cotidiana: um estudo empírico. Gláuks, v. 16, n. 1, p. 184-198, 2016.

SACKS, H. The MIR Membership Categorization Device. In: SACKS, H. Lectures on Conversation. Oxford: Blackwell, v. 1, 1992, p. 40-48.

SACKS, H.; SCHEGLOFF, E. A.; JEFFERSON, G. A simplest systematics for the organization of turn-taking for conversation. Language, v. 50, p. 696-735, 1974.

SELTING, M.; et al. A system for transcribing talk-in-interaction: GAT2 translated and adapted for English by Elizabeth Couper-Kuhlen and Dagmar Barth-Weingarten. Gesprächsforschung – Online-Zeitschrift zur verbalen Interaktion, p. 1-51, 2011.

SCHEGLOFF, E. A. Discourse, Pragmatics, Conversation Analysis. Discourse Studies, v. 1, n. 4, p. 405–435, 1999.

SCHEGLOFF, E. A. Repair After Next Turn: The Last Structurally Provided Defense of Intersubjectivity in Conversation. American Journal of Sociology. v. 98, p. 1295–345, 1992.

SCHEGLOFF, E. A. The Organization of Preference/Dispreference. In: SCHEGLOFF, E. A. Sequence Organization in Interaction: a Primer in Conversation Analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 2007, p. 58-96.

SCHEGLOFF, E. A.; JEFFERSON, G.; SACKS, H. The preference for Self-Correction in the Organization of Repair in Conversation. Language. 53 (2), p. 361-82, 1977.

SILVA, C. R. da; ANDRADE, D. N. P.; OSTERMANN, A. C. Análise da Conversa: uma breve introdução. Revista Virtual de Estudos da Linguagem, v. 11, p. 1-21, 2009.

SLOVENCINA, A. Frango Coxa Pimenta Marinado. Pixabay, 2016. Disponível em: < https://pixabay.com/pt/frango-coxa-pimenta-marinado-1230120/>. Acesso em 9 abr. 2018.

WENDY. Baked Chicken Drumsticks. Flickr, 2009. Disponível em: https://www.flickr.com/photos/wwny/4255397521 Acesso em: 14 abr. 2018.

Publicado
2018-08-31
Como Citar
Konrad, P. G. (2018). A produção de reparo resultante de discrepâncias referenciais em uma conversa cotidiana: um estudo analítico. Cadernos De Pós-Graduação Em Letras, 18(2). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/11395