A leitura obrigatória:travessia rumo à autonomia

Ana Lúcia Macedo Novroth

Resumo


O artigo em questão tem a finalidade de alumiar a importância da leitura estabelecida com datas de aferição por meio da discussão dos textos em sala de aula, como estratégia necessária para a prática ledora dos nativos digitais que nasceram em um tempo ancorado na rapidez, na tecnologia e no prazer. Valida-se também a prática da primeira leitura em ambiente privado como meio para o enfrentamento das dificuldades, tendo em vista que o ato de ler muitas vezes requer dedicação e labor. Enfatiza-se, ainda, que tal procedimento visa à formação de leitores autônomos e a desenvolver a criticidade face ao texto

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR E SILVA, Vítor Manuel de. Teoria da literatura. 2. ed. Coimbra: Almedina, 1968.

ANTUNES, Celso. Ser professor hoje. Fortaleza: Livro Técnico, 2003.

BRANDÃO, Helena Nagamine; MICHELETTE, Guaraciaba. Teoria e prática da leitura. IN: FOUCAMBERT, Jean. A criança, o professor e a leitura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

CONCEIÇÃO, Catarina Vargues: Tolerância à frustração. In: Knoow. 2015. Disponível em: < http://knoow.net/ciencsociaishuman/psicologia/tolerancia-a-frustracao/ > Acesso em 15 ago. 2017.

ECO, Umberto. Sobre a literatura. Rio de Janeiro: Record, 2003.

EDLER, Sandra. Estados depressivos e sua relação com o desejo in Luto e melancolia– à sombra do espetáculo. Rio de Janeiro: Editora Civilização brasileira, p. 75-83.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 41. edição. São Paulo: Cortez, 2001.

KRAEMER, Maria Luiza. Quando brincar é aprender. São Paulo: Loyola, 2007.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 6. ed. São Paulo: Ática, 2002.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. Ática: São Paulo. 1996.

LYTHCOTT-HAIMS, Julie. Como Criar Um Adulto. Trad. Hugo Langone. Rio de Janeiro: Rocco, selo Bicicleta Amarela, 2016.

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura? 7 ª ed., São Paulo: Brasiliense, 1986.

MOURA, Cristiane Faiad de. Reação à frustração : construção e validação da medida e proposta de um perfil de reação. 2008. 169 f., il. Tese (Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva no oficio de professor: profissionalização e razão pedagógica. Trad. Claudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PLATÃO; FIORIN. Lições de texto: Leitura e redação. 4. ed. São Paulo: Ática, 2001.

PULLIN, Elsa M.; M.P.; MOREIRA, Lucinéia de S. G. Prescrição de leitura na escola e formação de leitores. Revista Ciências & Cognição, 2008.

RANGEL, Mary. Dinâmicas de leitura para sala de aula. Rio de Janeiro. Vozes, 2000.

SILVA, Ezequiel Theodoro da. Ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia de leitura. São Paulo: Cortez – Autores Associados, 1981.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SETZER, Valdemar W. Meios eletrônicos e educação: uma visão alternativa. 3. ed. São Paulo: Escrituras. 2005.

_____________. Conhecimento e cidadania: quando a leitura se impõe como mais necessária ainda! In: ___. Conferências sobre leitura: trilogia pedagógica. Campinas: Autores Associados, 2003.

_____________. Elementos de pedagogia da leitura. São Paulo: Martins Fontes, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.