MOTIVAÇÃO E DESEMPENHO ACADÊMICO ENTRE ALUNOS DO PRIMEIRO CICLO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

  • Marcia de Souza Leite Nepomuceno Instituto Presbiteriano Mackenzie
  • Alessandra Gotuzo Seabra Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Analice Oliveira Fragoso Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Cristiane Silvestre de Paula Universidade Presbiteriana Mackenzie

Resumo

O presente artigo tem como objetivos: (1) descrever o perfil escolar e de motivação dos estudantes da escola AEJA Mackenzie, (2) verificar se o histórico e o perfil escolar atual desses alunos têm associação com seu desempenho acadêmico, e (3) verificar se a motivação para o estudo dos alunos do EJA tem relação com seu desempenho acadêmico, este último considerado para a pesquisa como fator de maior relevância. Por meio de uma abordagem que segue o desenho de estudo transversal descritivo quantitativo, foram avaliados 87 alunos dos Ensinos Fundamental I e II da Escola AEJA Mackenzie de Educação de Jovens e Adultos. Como instrumentos de coleta de dados, utilizaram-se quatro questionários estruturados: (1) a Escala de Avaliação da Motivação para Aprender para Universitários (EMA-U) com a função de caracterizar o tipo  de motivação dos estudantes da EJA diante da aprendizagem; (2)  Questionário Social com dados sobre o perfil socioeconômico e questões ligadas à experiência escolar pregressa e atual dos alunos do EJA; (3) Escala Wechsler Abreviada de Inteligência (WASI) para medida do Quociente de Inteligência (QI); e (4) Dados fornecidos pelo AEJA Mackenzie sobre desempenho acadêmico e evasão. Os resultados revelam que os motivos para abandonar a escola não estão relacionados à falta de interesse nos estudos, visto que 64,4% deixaram de estudar por necessidade de trabalhar. Quanto aos motivos para retomar os estudos na EJA, houve o predomínio da categoria “desejo em aprender a ler e escrever”, destacado por 47,1% dos entrevistados. Foi observado que as associações não foram estatisticamente significantes entre a motivação como consequência do desempenho acadêmico (computado em 2016; p=0,79) nem como preditor deste desempenho (analisado em 2017; p=0,37), enquanto o QI mostrou-se um dos principais preditores do desempenho acadêmico.

 

Palavras-chave: EJA; motivação; desempenho acadêmico

Biografia do Autor

Marcia de Souza Leite Nepomuceno, Instituto Presbiteriano Mackenzie

Mestre e diretora da Escola AEJA Mackenzie do Instituto Presbiteriano Mackenzie.

Responsável pela área educacional-administrativa da Escola de Educação de Jovens e Adultos da Instituição há 02 anos, antes Professora-Coordenadora na mesma instituição por 8 anos.

Alessandra Gotuzo Seabra, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Pro.ª Dra. Coordenadora PPGDD_Preograma de Pós-Graduação Distúrbios do Desenvolvimento
Analice Oliveira Fragoso, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Prof.ª Dra. - Coordenação de Apoio Pedagógico
Cristiane Silvestre de Paula, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Professora Drª. PPGDD_Programa de Pós Graduação Distúrbios do Desenvolvimento

Referências

ALCARÁ, A.R.; GUIMARÃES, S.E.R. A Instrumentalidade como uma estratégia motivacional. Revista Psicologia Escolar Educacional, Vol.XI Nº1. Campinas: ABRAPEE, 2007, (p.177-178).

ANJOS, L. A, GOMES, G. P.; SOUZA, J.B. A prática pedagógica da EJA: refletindo sobre as singularidades e o perfil dos educandos. In: Anais da Semana de Pedagogia. Edição atual, v. 1, n. 1. Jequié: UNIV.EST.SUDOESTE DA BAHIA - UESB, 2012.

APOSTOLICO, Cimara. Andragogia: um olhar para o aluno adulto. Augusto Guzzo - Revista Acadêmica: n.9, p. 121-130, julho 2012. São Paulo: Versão Eletronica - ISSN 2314-3852. Disponível em: http//www.fics.edu.br/index,php/augusto_guzzo/article/view/31.

BALANCHO, M.J.; COELHO, F. Motivar os alunos – criatividade na relação pedagógica: conceitos e práticas. Lisboa: Texto Editora, 1996.

BASTIANI, Décia Maria de. Perfil e Desafios dos Alunos da Educação de Jovens e Adultos do Município de Santa Helena - Monografia apresentada para especialização em Educação Profissional Integrada a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA), da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Medianeira: 2011. Disponível em http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/1646/1/MD_PROEJA_2012_IV_05.pdf .

BRASIL. IBOPE. Instituto Paulo Montenegro. INAF BRASIL-2011/2012. Indicador de alfabetismo funcional: principais resultados. Disponível em: http://acaoeducativa.org.br/wp-content/uploads/2016/09/INAFEstudosEspeciais_ 2016_Letramento_e_Mundo_do_Trabalho.pdf

______ IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. PNAD Continua 2016: 51% da população com 25 anos ou mais no Brasil possuíam apenas o ensino fundamental completo Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2013-agencia-de-noticias/releases/18992-pnad-continua-2016-51-da-populacao-com-25-anos-ou-mais-do-brasil-possuiam-apenas-o-ensino-fundamental-completo.html

BORUCHOVITCH, E.; BZUNECK, J. A. (orgs.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. 4ª ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

______.; NEVES, E.R.C. A construção da escala de avaliação de motivação para aprender de alunos universitários. Em Sociedade Brasileira de Psicologia (org). Anais Eletrônicos da XXXIV Reunião Annual de Psicologia, Curitiba, PR. 2005.

CAETANO, A.L.; SILVA, E. C.; SILVA, S. E. de Lima. Práticas e ensino para despertar a motivação e a criatividade na EJA. Universidade de Brasília, DF, 2010. Disponível em: www.bnd.unb.br/bitstream/10483/6412/1/2010_Andressa Caetano _EdileusaSilva_SandraSilva.pdf.

CAVENAGHI, Ana Raquel Abelha. Uma perspectiva autodeterminada da motivação para aprender línguas estrangeiras no contexto escolar. Ciên. Cog. v.14 n.2- Rio de Janeiro jul. 2009.

CRESTANI, Rafaella Lacerda. Motivação, inteligência e inteligência emocional e suas relações com o desempenho acadêmico. 2015. 165 f. Dissertação de Mestrado – Mestrado em Educação, UNIVAS, Pouso Alegre, 2015.

DURANTE, Marta. Alfabetização de Adultos: leitura e produção de textos. Porto Alegre, Artmed. 2007.

DUQUE, Eduardo et al. Motivação para a aprendizagem: construção e validação de uma escala de avaliação. HOLOS, {s.I.}, v.4, p. 231-244, set. 2016. ISSN 1807-1600. Disponível em: <http://doi.org/10.15628/holos.2016.4208>.

FERREIRO, Emília. Com todas as letras. Tradução de Maria Zilda da Cunha Lopes, retradução e cotejo de texto Sandra Trabucco Valenzuela- 13ª edição – São Paulo: Cortez, 2005.

FRAGOSO, A. O. Desempenho cognitivo e impacto da alfabetização fônica no contexto de educação de jovens e adultos na cidade de São Paulo. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 38ªed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.

______. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FURTER, Pierre. Educação permanente e desenvolvimento cultural. Petrópolis: Editora Vozes, 1974.

_________. Educação e Reflexão. 9. Ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1976.

GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José, E. Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. 10. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2008.

GARRIDO, Mayor; L. & TORTOSA, F. Motivacion, emocion y accion educativa. In. (Ed) Âmbitos de aplicacion de la psicologia motivacional. Bilbao-Espanha: Ed. Desclee de Brower, 1990, (p.284-343).

GOMES, S. J. Silveira. Formação docente: o professor de EJA no contexto da educação especial. Disponível em: <http://www.clickartigos.com.br/educacao/formacao-docenteoprofessor-de-eja-no-contexto-da-educacao-especial.html>.

HAMZE, A., Andragogia e a arte de ensinar aos adultos. 2008. Disponível em <http://www.educador.brasilescola.com/trabalho-docente/andragogia.htm>. HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Trad. Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre-RS: ArtMed, 1998.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. MEC, Ministério da Educação do Brasil. Censo Escolar 2016 EJA. Disponível em: KNOWLES MS; HOLTON III EF; SWANSON RA. The modern practice of adult education: from pedagogy to andragogy. New York-USA: Association Press; 1980.

LEMOS, Gina Lemos.; ALMEIDA Leandro S.;GUISANDE, M. Adelina. Universidade

LINDEMAN, Eduard C. The Meaning of Adult Education. 1926. Editora: New York, New Republic, inc. disponível em: www.pepsic.bvsalud.org/scielo.php.

LOURENÇO, A. Afonso, PAIVA M. OLIMPIA Almeida. A Motivação Escolar e o Processo de Aprendizagem. Revista: Ciências & Cognição, Vol.15 Nº2. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, versão eletrônica ISSN 1806-5821 (p.132-141).

MARTINI, M.L. Promovendo a motivação do aluno: contribuições da teoria da atribuição de causalidade. Revista: Psicologia Escolar e Educacional, Vol.12, Nº2, São Paulo: Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional – ABRAPEE – versão eletrônica: ISSN 2175-3539, 2008 (p.479-480).

MARTINI, M.L. E BORUCHOVITCH, E. As atribuições de causalidade, o desenvolvimento infantil e o contexto escolar. Revista: Psico USF, Vol. 4, Nº2, Campinas-SP: 1999. Universidade São Francisco, versão eletrônica ISSN 2175-3563, (p. 23-36), dezembro 2008.

______. A teoria da atribuição de causalidade: Contribuições para a formação e atuação de educadores. São Paulo: Editora: Alínea, 2004.

MARTINELLI, Selma de Cássia. Um estudo sobre desempenho escolar e motivação de crianças. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 53, p. 201-216, jul./set. 2014. Editora UFPR, disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/er/n53/13.pdf>.

MARTINELLI, S. C.; GENARI, C. H. M.. Relações entre desempenho escolar e orientações motivacionais. Estudos de Psicologia – Natal, 2009, vol.14, n.1, pp.13-21. ISSN 1678-4669. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2009000100003>.

MOURA, Anaisa Alves de. Fatores condicionantes da aprendizagem de adultos: estudo realizado na Escola de Ensino Fundamental Antenor Naspolini. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Faculdade de Ciências Sociais, Educação e Administração Instituto de Educação Lisboa, 2016.

MUSSAK, Eugênio; MARINS, Luiz. Motivação: Do querer ao fazer. Campinas-SP: Ed. Papirus 7 Mares, 2010.

MURRAY, Edward J. Motivação e emoção. 3ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1973.

NETA, Emília Santana Vieira; SILVA, Débora Regina Machado. Importância da família na alfabetização da criança. Revista interação | Ano X número 2, 2º semestre de 2014. Disponível em: <http://vemprafam.com.br/wp-content/uploads/2016/11/4_A-importancia-da-familia-na-alfabetizacao-da-crianca.pdf>.

NEVES, E.R.C. As orientações motivacionais e as crenças sobre inteligência, esforço e sorte dos alunos do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, SP, 2010.

NOGUEIRA, Makeliny Oliveira Gomes. Aprendizagem do aluno adulto: implicações para a prática docente no ensino superior. Curitiba: Ibpex, 2009.

NOTTINGHAM ANDRAGOGY GROUP. Towards a Developmental Theory of Andragogy. Nottingham, Malaysia: University of Nottingham Department of Adult Education, 1983. 48 p. In: VOGT, M. S. L, ALVES, E.D. Revisão teórica sobre a educação de adultos para uma aproximação com a Andragogia, 2005. Disponível em: http://coralx.ufsm.br/revce/revce/2005/02/a12.htm.

PAIVA, Vanilda. História da Educação Popular no Brasil – Educação Popular e Educação de Adultos. 6ª ed. São Paulo-SP, Editora Loyola, 2003.

PERISSE, G. Andragogia. 2004. Disponível em:

.

PRESTES, Emília M. da T.; CATÃO, M. de F. F. M. Aprendizagem de jovens e adultos e exclusão/inclusão, 2018. Disponível em: .

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodologia de Pesquisa. São Paulo/SP: Ed. MacGrawHill, 2006.

SIQUEIRA, Luciana G. G.; WECHSLER, S. M. Motivação para a aprendizagem escolar: possibilidade de medida. Aval. psicol., Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 21-31, jun. 2006. Disponível em .

SPINATH, B. Development and modification of motivation and self-regulation in school contexts: Introduction to the special issue. Learning and Instruction, 2005.

TRENTINI, C. M.; YATES, D. B.; HECK, V. S. Escala de Inteligência Wechsler Abreviada (WASI): Manual profissional. São Paulo-SP: Casa do Psicólogo, 2014.

TULVISTE, Peter. Cultural historical development of verbal thinking: a psychological study. Nova York: Nova science publishers, 2002 inc. in: <http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/tcc_perfil.pdf>.

VALENTINI, Felipe; LAROS, Jacob Arie. Inteligência e desempenho acadêmico: revisão de literatura. Temas psicol. Ribeirão Preto, v. 22, n. 2, p. 285-299, dez. 2014. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2014000200003&lng=pt&nrm=iso.

VALENTINI, Felipe. A relação entre inteligência fluida, desempenho acadêmico e aprendizagem: uma abordagem multinível. Tese (Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações). Universidade de Brasília. Distrito Federal, 2013. Disponível em: <http://www.repositorio.unb.br/handle/10482/14739>.

Publicado
2020-01-28
Como Citar
Nepomuceno, M. de S. L., Seabra, A. G., Fragoso, A. O., & de Paula, C. S. (2020). MOTIVAÇÃO E DESEMPENHO ACADÊMICO ENTRE ALUNOS DO PRIMEIRO CICLO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Cadernos De Pós-Graduação Em Distúrbios Do Desenvolvimento, 19(2). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgdd/article/view/12756
Seção
Artigos