Estética afrodiaspórica como lugar para imaginar e transformar o mundo: cinema negro e libertação

Autores

  • Luís Carlos Ferreira dos Santos Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Rita de Cassia Dias Pereira de Jesus UFRB https://orcid.org/

Palavras-chave:

Estética Afrodiaspórica- Imaginação- Filosofia africano-brasileira – Epistemologias Negras – Cinema Negro.

Resumo

O presente artigo, analisa a estética afrodiaspórica como lugar para imaginar e transformar o mundo, compreendendo a função pedagógica do cinema negro, à luz das filosofias africanas, das epistemologias negras, como espaço-tempo de libertação. Na trilha para alcançar tal objetivo enfoca o exercício da imaginação (hooks, 2020), como uma ferramenta filosófica-política, pois ela produz sentido e direciona à ação. Navegaremos nas derivas da compreensão das filosofias africanas-brasileiras articuladas com a Poética do Movimento, através dos curtas-metragens “Kbela”, da diretora Yasmin Thayná e “Sem Asas”, de Renata Martins, buscamos compreender como o debate sobre a imaginação pode ser um campo de disputa e compreensão da cidadania e enfrentamento do racismo,  com o intuito de provocar o debate sobre a imaginação como possibilidade de construção de uma “outra região do mundo”, assumindo lugares de pertencimento e ampliação de liberdades, como espaços de disputa de sentidos e cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-05-23

Como Citar

Luís Carlos Ferreira dos Santos, & Dias Pereira de Jesus, R. de C. (2023). Estética afrodiaspórica como lugar para imaginar e transformar o mundo: cinema negro e libertação. Revista Trama Interdisciplinar, 14(1), 62–77. Recuperado de https://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tint/article/view/15324