Análise das Bases Genéticas e Neurobiológicas da Ansiedade e Depressão: Um Painel de Genes Candidatos

Autores

  • Ana Paula Pimentel Costa Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Ana Paula Pereira Alves Universidade Presbiteriana Mackenzie

Palavras-chave:

ansiedade, depressão, genética, neurobiologia, etiologia

Resumo

Atualmente, a Ansiedade e a Depressão são os dois transtornos psiquiátricos mais prevalentes em todo o mundo, afetando cerca de 30% e 16,6% das pessoas, respectivamente. Fatores genéticos têm um papel essencial na responsabilidade desses transtornos, com as estimativas de herdabilidade entre 30% e 40% para ansiedade e depressão. Ainda que as causas desses transtornos não sejam totalmente conhecidas, muitos estudos procuram desvendar suas bases genéticas. Nesse contexto, este estudo, por meio de uma revisão da literatura, procurou traçar um panorama dos transtornos mentais ansiedade e depressão, e um painel com enfoque na relação gené[1]tica, apresentando possíveis genes candidatos associados a ambos os trans[1]tornos. Foram utilizadas as bases bibliográficas PubMed/Medline, Lilacs, Scientific Electronic Library Online, além da literatura obtida pela análise de genes no GenBank, EMBL-EBI e Europe PubMed Central. Aplicados os critérios de elegibilidade, elencaram-se 27 artigos com enfoque na etiologia, bases neurobiológicas e genéticas desses transtornos. Foram descritos 35 potenciais genes candidatos. A partir da identificação de nove fenótipos comuns e relevantes em ambos os transtornos, foi analisada a correlação entre os genes e os fenótipos, resultando em uma discussão de 20 genes. Entre os resultados, destacamos: os genes NOTCH1, BDNF e FKBP5, que estão relacionados ao desenvolvimento da ansiedade e da depressão em pessoas expostas ao estresse precoce; variantes dos genes SLC6A4, OXTR e COMT, que podem levar ao prejuízo funcional cerebral e ao aumento do risco de ansiedade e depressão diante de ambientes psicossociais adversos; e alelos de alta atividade do gene MAOA, que também influenciam o fun[1]cionamento adequado das monoaminas. Esses dados demonstraram a im[1]portância das abordagens genéticas e neurobiológicas associadas para elucidar a etiologia desses transtornos mentais, auxiliando assim em medi[1]das que possam prever o risco, permitir o diagnóstico precoce e promover estratégias de tratamento mais eficazes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AAN HET ROT, M.; MATHEW, S. J.; CHARNEY, D. S. Neurobiological mechanisms in major depressive disorder. Cmaj, v. 180, n. 3, p. 305-313, 2009. DOI 10.1503/cmaj.080697

ABDELRAHMAN, A. A. et al. A double-blind randomized clinical trial of high frequency rTMS over the DLPFC on nicotine dependence, anxiety and depression. Scientific Re ports, v. 11, n. 1640, p. 1-10, 2021. DOI 10.1038/s41598-020-80927-5

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de trans tornos mentais: DSM-5 [Recurso eletrônico]. 5. ed. Tradução M. I. C. Nascimento. Porto Alegre, RS: Artmed, 2014.

APÓSTOLO, J. L. A. et al. Depressão, ansiedade e estresse em usuários de cuidados primários de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, n. 2, p. 348-353, 2011. DOI 10.1590/S0104-11692011000200017

ARAÚJO, L. da. C. As representações sociais dos estudantes acerca do bullying no contex to escolar. 2011. 141 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/6889/1/arquivototal.pdf. Acesso em: 20 ago. 2021.

ARRUDA, M. C. da. C. A modificação comportamental da ansiedade de universitários em situações de exposições orais. 2006. 55 f. Monografia (Graduação em Psicologia) – Uni ceub, Brasília, 2006. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/185253571. pdf. Acesso em: 14 set. 2021.

ASSELMANN, E. et al. Interplay between RGS2 and childhood adversities in predicting anxiety and depressive disorders: Findings from a general population sample. Depres sion and Anxiety, v. 35, n. 11, p. 1104-1113, 2018. DOI 10.1002/da.22812

AZAR, B. Searching for genes that explain our personalities. American Psychological Association, v. 33, n. 8, p. 44-48, 2002. Disponível em: https://www.apa.org/monitor/ sep02/genes. Acesso em: 18 out. 2021.

BABENKO, V. N. et al. Altered Slc25 family gene expression as markers of mitochondrial dysfunction in brain regions under experimental mixed anxiety/depression-like disorder. BMC Neuroscience, v. 19, p. 1-11, 2018. DOI 10.1186/s12868-018-0480-6

BALDINI, I. Uma perspectiva da associação entre depressão e obesidade no sexo feminino: revisão sistematizada da literatura. 2019. 41 f. Monografia (Graduação em Psicolo gia) – Universidade Federal de São Paulo, Santos, 2019. Disponível em: https://repo sitorio.unifesp.br/bitstream/handle/11600/51925/TCC_Baldini_09_12_2019. pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 27 out. 2021.

BARNHILL, J. W. Considerações gerais sobre transtornos de ansiedade. Kenilworth, NJ: Manual MSD, 2020. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/ dist%C3%BArbios-de-sa%C3%BAde-mental/ansiedade-e-transtornos-relacionados-ao-estresse/considera%C3%A7%C3%B5es-gerais-sobre-transtornos-de-ansiedade#. Acesso em: 21 set. 2021.

BECK, C. L. C.; LEOPARDI, M. T. Da banalização do sofrimento à sua ressignificação ética na organização do trabalho. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 55, n. 5, p. 601-604, 2002. DOI 10.1590/S0034-71672002000500021

BEN-EFRAIM, Y. J. et al. Family-based study of AVPR1B association and interaction with stressful life events on depression and anxiety in suicide attempts. Neuropsycho pharmacology, v. 38, p. 1504-1511, 2013. DOI 10.1038/npp.2013.49

BEZERRA, M. G. C. E.; GUSMÃO, J. E. de L. S. de; FERMOSELI, A. F. de O. A impor tância da emoção no processo de consolidação da memória e da aprendizagem. Caderno de Graduação – Ciências Biológicas e da Saúde, Unit, Alagoas, v. 4, n. 2, p. 57-68, 2017.

BOTEGA, N. J. Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed, 2015. BRITO, S. C.; RODRIGUES, E. P. O estresse e a ansiedade na sociedade do século XXI: um olhar cognitivo-comportamental. Revista FSA, Teresina, v. 5, n. 8, p. 307-321, 2011.

BROWN, A.; FIORI, L. M.; TURECKI, G. Bridging basic and clinical research in early life adversity, DNA methylation, and major depressive disorder. Frontiers in Genetics, v. 10, p. 1-10, 2019. DOI 10.3389/fgene.2019.00229

BUGA, A.-M. et al. Identification of new therapeutic targets by genome-wide analysis of gene expression in the ipsilateral cortex of aged rats after stroke. PLoS One, v. 7, n. 12, p. 1-14, 2012. DOI 10.1371/journal.pone.0050985

CASSELLI, D. D. N. et al. Comorbidade entre depressão, ansiedade e obesidade e complicações no tratamento. Research, Society and Development, v. 10, n. 1, p. 1-10, 2021. DOI 10.33448/rsd-v1011.11489

CASTILLO, A. R. G. L. et al. Transtornos de ansiedade. Brazilian Journal of Psychiatry, São Paulo, v. 22, supl. 2, p. 20-23, 2000. DOI 10.1590/S1516-44462000000600006

CERVENKA, S. et al. Changes in dopamine D2-receptor binding are associated to symptom reduction after psychotherapy in social anxiety disorder. Translational Psychiatry, v. 2, p. 1-7, 2012. DOI 10.1038/tp.2012.40

COELHO, A. T. et al. Qualidade de sono, depressão e ansiedade em universitários dos últimos semestres de cursos da área da saúde. Neurobiologia, Recife, v. 73, n. 1, p. 35-39, 2010.

CORYELL, W. Depressão. Kenilworth, NJ: Manual MSD, 2020. Disponível em: https:// www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-de-sa%C3%BAde-mental/transtornos-do-humor/depress%C3%A3o?query=depress%C3%A3o. Acesso em: 21 set. 2021. COSTA, T. Ansiedade de informação: estudo com universitários de enfermagem. 2019. 84 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/18941/1/T%c3%a2melaCosta_Dissert.pdf. Acesso em: 27 out. 2021.

CUNHA, K. Entenda a relação entre noradrenalina e as perturbações depressivas. Drª Karine Cunha Psiquiatra, São Paulo, 2020. Disponível em: https://www.psiquiatra drakarinecunha.com.br/entenda-a-relacao-entre-noradrenalina-e-as-perturbacoes- -depressivas/. Acesso em: 29 out. 2021.

DAVIS, L. et al. Major depression and comorbid substance use disorders. Current Opi nion in Psychiatry, v. 21, n. 1, p. 14-18, 2008. DOI 10.1097/YCO.0b013e3282f32408

DE SANTANA, A. N.; DIAS, J. G. R. Tremor essencial e aspectos psicológicos: conside rações sobre estudos insuficientes associados. Revista Psicologia e Saúde, v. 12, n. 4, p. 81-94, 2020. DOI 10.20435/pssa.vi.990

DEMIRKAN, A. et al. Genetic risk profiles for depression and anxiety in adult and elderly cohorts. Molecular Psychiatry, v. 16, p. 773-783, 2011. DOI 10.1038/mp.2010.65

DOUGHER, M. J.; HACKBERT, L. Uma explicação analítico-comportamental da depres são e o relato de um caso utilizando procedimentos baseados na aceitação. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, v. 5, n. 2, p. 167-184, 2003. DOI 10.31505/rbtcc.v5i2.79

ERHARDT, A. et al. Association of polymorphisms in P2RX7 and CaMKKb with an xiety disorders. Journal of Affective Disorders, v. 101, n. 1-3, p. 159-168, 2007. DOI 10.1016/j.jad.2006.11.016

FERREIRA, A. Temperamentos afetivos: aspectos genéticos, familiaridade e aplicação na clínica dos transtornos de humor. 2013. 99 p. Tese (Doutorado em Neurociên cias) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUBD-9EFH39/1/texto___tese_alexan dre_aguiar.pdf. Acesso em: 8 set. 2021.

FREITAS-SILVA, L. R.; ORTEGA, F. A determinação biológica dos transtornos mentais: uma discussão a partir de teses neurocientíficas recentes. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, n. 8, p. 1-11, 2016. DOI 10.1590/0102-311X00168115

GABÍNIO, T. et al. Early trauma, attachment experiences and comorbidities in schizo phrenia. Trends in Psychiatry and Psychotherapy, v. 40, n. 3, p. 179-184, 2018. DOI 10.1590/2237-6089-2017-0005

GATT, J. M. et al. Interactions between BDNF Val66Met polymorphism and early life stress predict brain and arousal pathways to syndromal depression and anxiety. Mole cular Psychiatry, v. 14, p. 681-695, 2009. DOI 10.1038/mp.2008.143

GONG, L. et al. Nonlinear modulation of interacting between COMT and depression on brain function. European Psychiatry, v. 45, n. 1, p. 6-13, 2017. DOI 10.1016/j. eurpsy.2017.05.024

GUIMARÃES, P. M. Q. Perfil de comorbidade psiquiátrica em pacientes com diagnóstico de infecção pelo HIV, HTLV e Doença de Chagas acompanhados em um ambulatório de psiquiatria. 2011. 156 f. Dissertação (Mestrado em Pesquisa Clínica em Doenças In fecciosas) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/11961/1/patricia_guimaraes_ini_mest_2011. pdf. Acesso em: 25 out. 2021.

HARRIS, S. E. et al. Variation in DISC1 is associated with anxiety, depression and emotional stability in elderly women. Molecular Psychiatry, v. 15, p. 232-234, 2010. DOI 10.1038/mp.2009.88

HETTEMA, J. M.; NEALE, M. C.; KENDLER, K. S. A review and meta-analysis of the genetic epidemiology of anxiety disorders. American Journal of Psychiatry, v. 158, n. 10, p. 1568-1578, 2001. DOI 10.1176/appi.ajp.158.10.1568

ITO, L. M. et al. Terapia cognitivo-comportamental da fobia social. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 30, Supl. 2, p. 96-101, 2008.

ITO, P. do C. P.; GOBITTA, M.; GUZZO, R. S. L. Temperamento, neuroticismo e auto- -estima: estudo preliminar. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 2, p. 143-153, 2007. DOI 10.1590/S0103-166X2007000200001

IZÍDIO, G. de. S. Análise de QTL com estudo de genes candidatos para comportamentos relacionados à emocionalidade e ao consumo de etanol usando um modelo genético com posto pelas linhagens de ratos Lewis e SHR. 2009. 213 f. Tese (Doutorado em Farmaco logia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/30373299.pdf. Acesso em: 19 out. 2021.

JIMENEZ, J. C. et al. Anxiety cells in a hippocampal-hypothalamic circuit. Neuron, v. 97, n. 3, p. 670-683. e6, 2018. DOI 10.1016/j.neuron.2018.01.016

KENDALL, K. M. et al. The genetic basis of major depression. Psychological Medicine, v. 51, n. 13, p. 2217-2230, 2021. DOI 10.1017/S0033291721000441

KONKIEWITZ, E. C. (org.). Tópicos de neurociência clínica. Dourados, MS: Editora UFGD, 2010. (Coleção Cadernos Acadêmicos).

LAFER, B.; VALLADA FILHO, H. P. Genética e fisiopatologia dos transtornos depressivos. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 21, supl. 1, p. 12-17, 1999. DOI 10.1590/S1516-44461999000500004

LAGE, J. T. Neurobiologia da depressão. 2010. 28 f. Dissertação (Mestrado em Psiquia tria) – Universidade do Porto, Porto, 2010. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/53466/2/Neurobiologia%20da%20Depresso.pdf. Acesso em: 8 set. 2021.

LANDEIRA-FERNANDEZ, J. Neurobiologia dos transtornos de ansiedade. In: RANGÉ, B. et al. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 68-81.

LEVEY, D. F. et al. Reproducible genetic risk loci for anxiety: results from ∼200,000 participants in the Million Veteran Program. American Journal of Psychiatry, v. 177, n. 3, p. 223-232, 2020. DOI 10.1176/appi.ajp.2019.19030256

LIMA, A. F. B. da. S.; FLECK, M. P. de. A. Qualidade de vida e depressão: uma revisão da literatura. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 31, n. 3, p. 1-12, 2009. DOI 10.1590/S0101-81082009000400002

LIMA, F. S. Aplicação terapêutica dos probióticos nos transtornos depressivos: uma revi são sistemática. 2021. 35 f. Monografia (Graduação em Nutrição) – Faculdade Maria Milza, Governador Mangabeira, 2021. Disponível em: http://famamportal.com. br:8082/jspui/bitstream/123456789/2308/1/NUTRI%c3%87%c3%83O%20-%20 FL%c3%81VIA%20SANTANA%20LIMA.pdf. Acesso em: 22 out. 2021.

LOHOFF, F. W. Overview of the genetics of major depressive disorder. Current Psychia try Reports, v. 12, p. 539-546, 2010. DOI 10.1007/s11920-010-0150-6

LUCCHESI, F.; MACEDO, P. C. M.; MARCO, M. A. de. Saúde mental na unidade de terapia intensiva. Revista da SBPH, v. 11, n. 1, p. 19-30, 2008. DOI 10.57167/Rev-SBPH.11.174

MARTINS, B. G. et al. Escala de depressão, ansiedade e estresse: propriedades psicométricas e prevalência das afetividades. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 68, n. 1, p. 32-41, 2019. DOI 10.1590/0047-2085000000222 MERCOLA, J. GABA (ácido gama-aminobutírico): para dormir. Mercola.com, [S.l.], 2019. Disponível em: https://portuguese.mercola.com/sites/articles/archive/2019/ 04/04/gaba-para-dormir.aspx. Acesso em: 21 jun. 2021.

MIGOTT, A. M. B. Um estudo do polimorfismo 5HT2A como elo entre tabagismo e de pressão. 2007. 154 f. Tese (Doutorado em Medicina e Ciências da Saúde) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007. Disponível em: http://tede2. pucrs.br/tede2/bitstream/tede/1806/1/390393.pdf. Acesso em: 21 out. 2021.

MONTAG, C. et al. COMT genetic variation affects fear processing: psychophysiologi cal evidence. Behavioral Neuroscience, v. 122, n. 4, p. 901-909, 2008. DOI 10.1037/0735- 7044.122.4.901

MONTEIRO, C. et al. Regulação molecular do ritmo circadiano e transtornos psiquiá tricos: uma revisão sistemática. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 69, n. 1, p. 57-72, 2020. DOI 10.1590/0047-2085000000258

MOON, A. L. et al. CACNA1C: association with psychiatric disorders, behavior, and neurogenesis. Schizophrenia Bulletin, v. 44, n. 5, p. 958-965, 2018. DOI 10.1093/schbul/sby096

MOURA, J. S.; BABILÔNIA, L.; CAVALCANTE, M. A. Neurociências e educação científica: um estudo bibliográfico. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 12., 2019, Natal. Anais [...]. Natal: Abrapec, 2019. Disponível em: http://abrapecnet. org.br/enpec/xii-enpec/anais/resumos/1/R1869-1.pdf. Acesso em: 30 set. 2021.

MUSKIN, P. R. What are anxiety disorders? American Psychiatric Association, Washing ton, DC, 2021. Disponível em: https://www.psychiatry.org/patients-families/anxiety- -disorders/what-are-anxiety-disorders. Acesso em: 30 set. 2021.

MYERS, A. J. et al. Variation in the oxytocin receptor gene is associated with increased risk for anxiety, stress and depression in individuals with a history of exposure to early life stress. Journal of Psychiatric Research, v. 59, p. 93-100, 2014. DOI 10.1016/j.jpsychires.2014.08.021

NASSER, F. J. et al. Doenças psiquiátricas e o sistema cardiovascular: interação cérebro e coração. International Journal of Cardiovascular Sciences, v. 29, n. 1, p. 65-75, 2016. DOI 10.5935/2359-4802.20160003

NISHIOKA, S. A. et al. O papel do polimorfismo funcional VNTR da região promotora do gene MAOA nos transtornos psiquiátricos. Archives of Clinical Psychiatry, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 34-42, 2011. DOI 10.1590/S0101-60832011000100008

OBERLANDER, T. F. et al. Prenatal exposure to maternal depression, neonatal methyla tion of human glucocorticoid receptor gene (NR3C1) and infant cortisol stress responses. Epigenetics, v. 3, n. 2, p. 97-106, 2008. DOI 10.4161/epi.3.2.6034

OLIVEIRA, S. Não consegue controlar a ansiedade? A resposta pode estar nos seus genes. Revista Galileu, 8 set. 2018. Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2018/09/nao-consegue-controlar-ansiedade-resposta-pode-estar-nos- -seus-genes.html. Acesso em: 17 ago. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. CID-10 – Classificação internacional de doenças. Décima versão. Genebra: OMS, 1992.

Downloads

Publicado

10-08-2023

Como Citar

Costa, A. P. P., & Alves , A. P. P. (2023). Análise das Bases Genéticas e Neurobiológicas da Ansiedade e Depressão: Um Painel de Genes Candidatos. Cadernos De Pós-Graduação Em Distúrbios Do Desenvolvimento, 23(1), 99–129. Recuperado de https://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgdd/article/view/15679

Edição

Seção

Artigos