CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA SAÚDE SOBRE O POSICIONAMENTO DO RECÉM-NASCIDO PREMATURO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL

  • Daniela Assis Panhoni Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Fabiana Paula Almeida Martins Faculdade de Medicina do ABC
  • Marcelo Fernandes Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Marilia Rezende Callegari Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Íbis Ariana Peña de Moraes Universidade de São Paulo http://orcid.org/0000-0002-1672-2628
  • Gisela Franco Salerno Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Ligia Maria da Costa Canellas Tropiano Universidade Presbiteriana Mackenzie

Resumo

Introdução: Reconhecendo a importância do cuidado postural no atendimento ao recém-nascido e a escassez em artigos científicos sobre o conhecimento dos profissionais da saúde que prestam cuidado diretamente aos recém-nascidos prematuros em unidade de terapia intensiva neonatal. Objetivo: verificar o conhecimento dos profissionais da saúde sobre os diversos posicionamentos utilizados em recém-nascidos prematuros, bem como seus benefícios, indicações e contra indicações nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal. Método: Foi realizado um estudo transversal em unidades intensivas neonatais (UTIN) de hospitais públicos e privados do estado de São Paulo, a partir de um questionário que avaliou o conhecimento dos profissionais da saúde sobre o posicionamento dos recém-nascidos prematuros. Este projeto foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa, CAAE 62479816.6.0000.0084. Resultados: Das 20 questões, houve uma media 16 acertos. Sendo que as questões relacionadas ao método ninho e a posição canguru todos os profissionais acertaram. Porém a questão que houve uma maior quantidade de erros foi a relacionada a anatomia do prematuro, onde 81% dos selecionados colocaram erroneamente que a epiglote do prematuro é mais curta em comparação a do adulto. Conclusão: Os profissionais de saúde apresentam conhecimento de 83% das questões relacionadas ao posicionamento do recém-nascido prematuro, no entanto existem lacunas teórico-práticas que podem repercutir no manejo do recém-nascido prematuro de forma inadequada na unidade de terapia intensiva neonatal. Estudos envolvendo um maior número de sujeitos são necessários para  ampliar a investigação e discussão dessa temática.

Referências

ALBUQUERQUE, T.M.; ALBUQUERQUE, R.C. Estratégias de posicionamento e contenção de recém-nascido pré-termo utilizadas em unidades de terapia intensiva neonatal. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. v.1, n. 1, p. 40-51, 2017.

AQUINO, F.M.; CHRISTOFFEL, M.M. Dor neonatal: medidas não-farmacológicas utilizadas pela equipe de enfermagem. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 11, 2010.

ARIS, C. et al. Nicu nurses'knowledge and discharge teaching related to infant sleep position and risk of sids. Advances in Neonatal Care, v. 6, n. 5, p. 281-294, 2006.

https://doi.org/10.1016/j.adnc.2006.06.009

AZAD, K.; MATHEWS, J. Preventing newborn deaths due to prematurity. Best Practice & Research Clinical Obstetrics & Gynaecology, v. 36, p. 131-144, 2016.

https://doi.org/10.1016/j.bpobgyn.2016.06.001

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém nascido de baixo peso : Método Canguru : manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed., 1. reimpr. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, p. 204, 2013.

BEZERRA, A.L., et. al. O processo de educação continuada na visão de enfermeiros de um hospital universitário. Rev. Eletr. Enf., v.14, n. 3, p. 618-25, 2012.

https://doi.org/10.5216/ree.v14i3.12771

BRUNHEROTTI, M.A.; MARTINEZ, F.E. Influence of body position on the displacement of nasal prongs in preterm newborns receiving continuous positive airway pressure. Rev Paul Pediatr. v. 33, n. 3, p. 281-6, 2015.

https://doi.org/10.1016/j.rppede.2015.06.007

CHEN, C. et al. Improving the provision of nesting and positioning for premature infants by nurses in neonatal intensive care units. Hu Li Za Zhi, v. 61, n. 2, p. S41, 2014.

CHRISTOFFEL, M.M. et al. Atitudes dos profissionais de saúde na avaliação e tratamento da dor neonatal. Escola Anna Nery, v. 21, n. 1, 2017.

https://doi.org/10.5935/1414-8145.20170018

CUTOLO, L. R. A. Estilo de pensamento em educação médica – um estudo do currículo do curso de graduação em medicina da UFSC. Florianópolis. 227 f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, 2001.

GOTTEMS, L.B.D.; ALVES, E.D.; SENA, R.R. A enfermagem brasileira e a profissionalização de nível técnico: análise em retrospectiva. Rev Latino-am Enfermagem, v.15, n. 5, 2007.

GHORBANI, F.; ASADOLLAHI, M.; VALIZADEH, S. Comparison the effect of sleep positioning on cardiorespiratory rate in noninvasive ventilated premature infants. Nursing and midwifery studies, v. 2, n. 2, p. 182, 2013.

GROOT, L. Posture and motility in preterm infants. Developmental medicine and child neurology, v. 42, n. 1, p. 65-68, 2000.

https://doi.org/10.1017/S0012162200000128

HERMANSEN, C.L.; MAHAJAN, A. Newborn Respiratory Distress. American family physician, v. 92, n. 11, 2015.

JARUS, T. et al. Effects of prone and supine positions on sleep state and stress responses in preterm infants. Infant behavior and development, v. 34, n. 2, p. 257-263, 2011.

https://doi.org/10.1016/j.infbeh.2010.12.014

LEE, A.C.C; BLENCOWE, H.; LAWN, J.E. Small babies, big numbers: global estimates of preterm birth. The Lancet Global Health, v. 7, n. 1, p. e2-e3, 2019.

https://doi.org/10.1016/s2214-109x(18)30484-4

LIAW, J. et al. Non-nutritive sucking and facilitated tucking relieve preterm infant pain during heel-stick procedures: a prospective, randomised controlled crossover trial. International journal of nursing studies, v. 49, n. 3, p. 300-309, 2012.

https://doi.org/10.1016/j.ijnurstu.2011.09.017

LUCA, F.; HINDE, A. Effectiveness of the ‘Back-to-Sleep’campaigns among healthcare professionals in the past 20 years: a systematic review. BMJ open, v. 6, n. 9, p. e011435, 2016.

https://doi.org/10.1136/bmjopen-2016-011435

MADLINGER-LEWIS, L. et al. The effects of alternative positioning on preterm infants in the neonatal intensive care unit: a randomized clinical trial. Research in developmental disabilities, v. 35, n. 2, p. 490-497, 2014.

https://doi.org/10.1016/j.ridd.2013.11.019

MAGALHAES, F., et. al. Avaliação do manuseio de rotina ao recém-nascido internado em unidade de terapia intensiva neonatal. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

MAITRE, N.L. Neurorehabilitation after neonatal intensive care: evidence and challenges. Archives of Disease in Childhood-Fetal and Neonatal Edition, v. 100, n. 6, p. F534-F540, 2015.

https://doi.org/10.1136/archdischild-2013-305920

MARCONDES, D.M.; MACHADO, H. Apnéia da prematuridade in: Fisioterapia Respiratória em pediatria e neonatologia. Ed.Manole, 2007.

MOREIRA, M.E.L.; LOPES, J.M.A.; CARVALHO, M. orgs. O recém-nascido de alto risco: teoria e prática do cuidar [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2004. 564 p. ISBN 85-7541-054-7, 2004.

https://doi.org/10.7476/9788575412374

PATTON C., et al. Do nurses provide a safe sleep environment for infants in the hospital setting? An integrative review. Adv Neonatal Care., v. 15 - Issue 1: p 8–22, 2015.

doi:10.1097/anc.0000000000000145

PEREIRA, F., et. Al. A manipulação de prematuros em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Esc Enferm USP, v.47, n.6, p.1272-8, 2013.

SILVA, M. et al. Educação continuada: um levantamento de necessidades da equipe de enfermagem. O Mundo da Saúde São Paulo, v. 32, n. 1, p. 47-55, 2008.

https://doi.org/10.7322/abcs.v34i1.140

SILVA, G.; SEIFFERT, O. Educação continuada em enfermagem: uma proposta metodológica. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 62, n. 3, p. 362-366, 2009.

https://doi.org/10.1590/s0034-71672009000300005

SOARES, G.S.; SOUZA, T.A.A. Atuação da fisioterapia respiratória e principais técnicas utilizadas em recém-nascidos com síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA). Rev. Eletrôn. Atualiza Saúde, v. 5, n. 5, p. 73-77, 2017.

SWEENEY, J.K.; GUTIERREZ, T. Musculoskeletal implications of preterm infant positioning in the NICU. The Journal of perinatal & neonatal nursing, v. 16, n. 1, p. 58-70, 2002.

https://doi.org/10.1097/00005237-200206000-00007

WAITZMAN, K.A. The importance of positioning the near-term infant for sleep, play, and development. Newborn and Infant Nursing Reviews, v.7, n. 2, p.76–81, 2007.

https://doi.org/10.1053/j.nainr.2007.05.004

XAVIER, S.O. et al. Estratégias de posicionamento do recém-nascido prematuro: reflexões para o cuidado de enfermagem neonatal. Rev. enferm. UERJ, v. 20, n. 8, p.14-8, 2012.

WU, T. et al. Changes in cardiac output and cerebral oxygenation during prone and supine sleep positioning in healthy term infants. Archives of Disease in Childhood-Fetal and Neonatal Edition, v. 102, n. 6, p. F483-F489, 2017

https://doi.org/10.1136/archdischild-2016-311769

Publicado
2020-01-28
Como Citar
Panhoni, D. A., Martins, F. P. A., Fernandes, M., Callegari, M. R., Moraes, Íbis A. P. de, Salerno, G. F., & Tropiano, L. M. da C. C. (2020). CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA SAÚDE SOBRE O POSICIONAMENTO DO RECÉM-NASCIDO PREMATURO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL. Cadernos De Pós-Graduação Em Distúrbios Do Desenvolvimento, 19(2). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgdd/article/view/12531
Seção
Artigos