Análise do potencial de geração distribuída de energia solar em edificações residenciais

um estudo de caso em área a ser adensada na cidade de Belo Horizonte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5935/cadernospos.v23n1p91-111

Palavras-chave:

Setor residencial; Fontes renováveis; Potencial de geração distribuída; Parâmetros urbanísticos.

Resumo

O aumento do consumo de energia pelo setor residencial, aliado às mudanças climáticas, é um incentivo à geração distribuída a partir de fontes renováveis. Uma das barreiras atuais para a geração distribuída de fontes renováveis está justamente nas políticas urbanas municipais que não possuem parâmetros que garantam o acesso ao sol na maior parte das cidades. O objetivo deste trabalho é avaliar uma abordagem para inclusão da autonomia energética das edificações residenciais, obtidas a partir do acesso ao sol, como parâmetro para a possibilidade de adensamento de determinado território. O procedimento desenvolvido trata-se da construção de cenários de adensamento urbano, posteriormente simulados a partir de modelagem paramétrica de quadras utilizando o software Rhinoceros 6.0 e os plugins Grasshopper e Ladybug. A aplicação do procedimento se deu em duas quadras com alto potencial de adensamento localizadas no bairro Lagoinha, em Belo Horizonte. O algoritmo desenvolvido permite que o procedimento seja replicado em outros contextos urbanos, pois possibilita a realização de ajustes dos parâmetros urbanísticos. No caso analisado, foi possível constatar que

o planejador municipal, do ponto de vista de autonomia energética, precisa considerar não apenas o impacto que o coeficiente de aproveitamento tem sobre a área disponível à geração, mas também o impacto da densidade populacional sobre a demanda. Ficou demonstrado a viabilidade de recorrer a parâmetros urbanísticos tradicionais para refletir sobre o planejamento energético na escala municipal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Júlia Maia Mairink, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (2018), mestranda em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Camila Carvalho Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006), mestrado em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável pela Universidade Federal de Minas Gerais (2010) e doutorado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Ouro Preto. Tem pós- doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Viçosa (2018) e em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Ouro Preto (2019 e 2020). Experiência na área de Arquitetura Bioclimática, Eficiência Energética e Simulações Termo-energéticas e de Iluminação, tendo realizado consultorias e projetos arquitetônicos na área. Atualmente é especialista em conforto e desempenho térmico de edificações ventiladas naturalmente.

Referências

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Projeto NBR 5626:2020: Instalação predial de água fria. Rio de Janeiro, set. 2020.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Projeto NBR 12721:2006. Avaliação de custos unitários de construção para incorporação imobiliária e outras disposições para condomínios edilícios. Rio de Janeiro, set. 2005.

BECK, L. M.; PEREIRA, F. O. R.; SCALCO, V. A. Análise da iluminação natural em ambientes internos inseridos em cenários urbanos virtuais. In: XIV ENCAC & X ELACAC: Habitat Humano: em busca de conforto ambiental, eficiência

energética e sustentabilidade no século XXI, 2017, Santa Catarina. Anais... Balneário Camboriú, 27-29 set.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte. Disponível em: https:// prefeitura.pbh.gov.br/prodabel. Acesso em: fev. 2023.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Lei n. 11.181, de 8 de agosto de 2019. Aprova o Plano Diretor do Município de Belo Horizonte e dá outras providências. Belo Horizonte, 2019. Disponível em: https://

leismunicipais.com.br/a/mg/b/belo-horizonte/lei-ordinaria/2019/1119/11181/lei-ordinaria-n-11181-2019-aprova-o-plano-diretor-do-municipiode-belo-horizonte-e-da-outras-providencias. Acesso em: fev. 2023.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Subsecretaria de Planejamento Urbano. Subsecretaria Municipal de Política Urbana. Planode Qualificação Urbanística Centro-Lagoinha. Belo Horizonte, ago. 2021. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/politica-urbana/planejamentourbano/plano-centro-lagoinha/plano-qualificacao-urbanistica-centrolagoinha. Acesso em: fev. 2023.

BRASIL. ANEEL. Resolução ANEEL n. 482, de 17 de abril de 2012. Estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica, o sistema de compensação

de energia elétrica, e dá outras providências. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2012482.pdf. Acesso em: 2 set. 2020.

BRASIL. ANEEL. Resolução ANEEL n. 687, de 24 de novembro de 2015. Altera a Resolução Normativa n. 482, de 17 de abril de 2012, e os Módulos 1 e 3 dos Procedimentos de Distribuição (Prodist). Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2015687.pdf. Acesso em: 2 set. 2020.

BRASIL. ANEEL. Resolução ANEEL n. 4786, de 17 de outubro de 2017. Altera a Resolução Normativa n. 482, de 17 de abril de 2012. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2017786.pdf. Acesso em: 2 set. 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DE ENERGIA. EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional 2022. Rio de Janeiro: EPE, 2022. Disponível em: https://www.epe.gov.br/pt/publicacoes-dados-bertos/publicacoes/balancoenergetico-nacional-2022. Acesso em: fev. 2023.

BRASIL. MINISTÉRIO DE ENERGIA. EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Nota Técnica DEA 19/14: Inserção da Geração Fotovoltaica Distribuída no Brasil – Condicionantes e Impactos. Rio de Janeiro: EPE, out. 2014. (Recursos

Energéticos). Disponível em: https://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoesdados-abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-251/topico-311/DEA%2019%20-%20%20Inser%C3%A7%C3%A3o%20da%20Gera%C3%A7%C3%A3o%20Fotovoltaica%20Distribu%C3%ADda%20no%20Brasil%20-%20Condicionantes%20e%20Impactos%20VF%20%20(Revisada)[1].pdf. Acesso em: fev. 2023.

CASTILHO, E. L. de; CHAVES, G. S. Estudo de viabilidade técnico-econômica da implantação de um sistema de energia solar térmica. 2016. 76 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade

Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

CREDER. H. Instalações hidráulicas e sanitárias. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Livros Técnicos e Científicos, 1991.

ELETROBRAS. Pesquisa de posse e hábitos de uso de equipamentos elétricos na classe residencial: Relatório Técnico. Eletrobras, 2019. Disponível em: https://eletrobras.com/pt/AreasdeAtuacao. Acesso em: 14 nov. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: fev. 2023.

KNOWLES, R. L. The solar envelope: its meaning for energy and buildings. Energy and Buildings, Los Angeles, v. 35, n. 1, p. 15-25, 2003.

PROCEL INFO. Equipamentos. Disponível em: http://www.procelinfo.com.br/main. asp?View=%7BB70B5A3C-19EF-499D-B7BC-D6FF3BABE5FA%7D. Acesso em: 14 nov. 2020.

PÉREZ, D. R. C. O Envelope solar e o direito ao sol. 2007. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Construção) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

THE INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. AR5 Synthesis Report: Climate Change 2014. Geneva: IPCC, 2014. Disponível em: https://www.ipcc.ch/report/ar5/syr/. Acesso em: fev. 2023.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Como Citar

MAGIAG LOURA, R.; MAIA MAIRINK, A. J.; CARVALHO FERREIRA, C. . Análise do potencial de geração distribuída de energia solar em edificações residenciais: um estudo de caso em área a ser adensada na cidade de Belo Horizonte. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 91–111, 2023. DOI: 10.5935/cadernospos.v23n1p91-111. Disponível em: https://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/15476. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos