Impacto sobre o desempenho logístico e a competitividade no mercado internacional com o uso do porto seco

  • Mauricio Henrique Benedetti Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Johnson Denis Yang Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Lígia Maria Spinola Reche Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Thainara Maria Navascués Bernardino Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Thissianne Cristina Rezende da Rocha Porfírio Universidade Presbiteriana Mackenzie
Palavras-chave: Desempenho logístico; porto seco; competitividade; mercado internacional

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo central analisar e comparar as vantagens e desvantagens da utilização do porto seco por uma empresa de grande porte que fornece seus produtos para o mercado internacional. Foi realizada uma pesquisa exploratória que consistiu em um estudo de caso envolvendo uma empresa de grande porte do setor de papel localizada no estado de São Paulo. Os resultados obtidos foram analisados com a utilização da técnica da análise de conteúdo, a partir dos quais observou-se vantagens em se utilizar o porto seco, destacando-se: amenizar os gargalos existentes nas zonas primárias, racionalização do processo de despacho, facilidade no transporte de mercadorias através de terminais intermodais, prestação de variados serviços aos clientes, custos mais baixos, maior controle e menor responsabilidade sobre as operações. Adicionalmente, o estudo de caso revelou algumas vantagens que ainda não foram relatadas na literatura, como o transporte contínuo e regular das mercadorias devido à utilização do modal ferroviário, a capacidade de transporte de lotes maiores de cargas e menores riscos de avarias.

Biografia do Autor

Mauricio Henrique Benedetti, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos (2011), mestre em Administração de Empresas (2002) e graduado em Engenharia Mecânica (1992) pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Experiência profissional na área de produção de embalagens, planejamento e gestão de projetos de processos produtivos inovadores. É conselheiro do Conselho Superior de Inovação e Competitividade (CONIC) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP). Foi Coordenador de Desenvolvimento e Inovação da Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde atualmente é professor do núcleo docente permanente do Mestrado Profissional em Administração do Desenvolvimento de Negócios do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas. Pesquisa temas relacionados com inovação tecnológica, a interação universidade-empresa em busca de inovações e a criação de novos empreendimentos.

Johnson Denis Yang, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Profissional de Importação e exportação. Bacharel em Administração com ênfase em Comércio Exterior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie

Lígia Maria Spinola Reche, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Bacharel em Administração com ênfase em Comércio Exterior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.  FIBI LEAD Program (BOSC) na Cargill. APICS CPIM | Executive Master in Operations and Innovation

Thainara Maria Navascués Bernardino, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Coordenadora Financeira na Clarion Events Brasil desde 2011. Bacharel em Administração com ênfase em Comércio Exterior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie

Thissianne Cristina Rezende da Rocha Porfírio, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Bacharel em Administração com ênfase em Comércio Exterior pela. Universidade Presbiteriana Mackenzie. Senior Manager Products na Accenture Brasil

Referências

ABML, Associação Brasileira de Movimentação e Logística. Conceitos do Operador Logístico. [s.l.]. 1999. Disponível em: Acesso em 5 de Março de 2012.
ÂNGELO, Lívia Barbosa. Indicadores de desempenho logístico. Santa Catarina: Grupo de Estudos Logísticos GELOG – UFSC, 2005 Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2009.
BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logística empresarial. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.
BOWERSOX, Donald J.; CLOSS, David J.; COOPER, M. Bixby. Gestão Logística de Cadeias de Suprimentos. 1. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.
BRASIL. Decreto nº 4.543, de 26 de dezembro de 2002, alterado pelo Decreto nº 4.765, de 24 de junho de 2003. Regulamento Aduaneiro. Distrito Federal, 2003. Disponível em: Acesso em 18 de outubro de 2012.
CARTER, Joseph R.; FERRIN, Bruce G. Transportation costs and inventory management: why transportation cost matter. [S.l.]: Production and Inventory Management Journal, v. 37, n.3, p. 58-62, 1996.
CHOPRA, Sunil; MEINDL, Peter. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operação. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.
CHRISTOPHER, Martin. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimento: estratégias para a redução de custos e melhoria dos serviços. São Paulo: Pioneiran Thompson Learning, 2002.
CONCEIÇÃO, Samuel Vieira; QUINTÃO, Ronan Torres. Avaliação do desempenho logístico da cadeia brasileira de suprimentos de refrigerantes. Gestão e Produção (UFSCar), São Carlos - SP, v. 11, n. 3, p. 441-453, set-dez, 2004.
CRUZ, Eduardo Picanço; OLIVEIRA, Thyago Trigueiro. Redução de custos em transportes rodoviários o estudo de caso de uma distribuidora multinacional de combustíveis líquidos. [Sl.]: Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 1, p. 2, 2008.
DANHKE, G. L. Investigación y comunicatión. In: FERNÁNDEZ-COLLADO, C.; DANHKE, G. L. (Comps.). La comunicación humana: Ciencia Social. México: McGraw-Hill, 1989. p. 385-454.
DEMO, Pedro. Metodologia do Conhecimento Científico. São Paulo: Atlas, 2000.
EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. [S.l.]: Academy of Management Review, 1989.
FAWCETT, Stanley. E.; SMITH, Sheldon R.; COOPER, M. B. Strategic intent, measurement capability, and operational success: making the connection. Bradford: International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, v. 27, n. 7, p. 410-421, 1997.
FIGUEIREDO, Kleber Fossati; GERVASIO, Marina Helena Teixeira; HIJJAR, Maria Fernanda. Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics - parte 1. [S.l.]: Revista Tecnologística, p. 66 - 72, ago. 2005a.
FLEURY, Paulo Fernando; NAZARIO, Paulo Roberto da Silva; WANKE, Peter Fernandes. Papel do Transporte na Estratégia Logística. Revista Tecnologística, São Paulo, dez. 2000.
GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa Social. 4 ed. São Paulo: Ed. Atlas, 1995.
GOEBEL, Dieter. Logística – otimização do transporte e estoques na empresa. [S.l.]: Estudos em Comércio Exterior, v. 1, n. 1, jul/dez 1996.
GRINNEL, R. M. Social work research & evaluation: quantitative and qualitative approaches. 5. ed. Itasca, Illinois: E. E. Peacock Publishers, 1997.
GUERISE, Luciana Cardoso. Aplicação do conceito de logística integrada na exportação de açúcar e suco de laranja pelo Porto de Santos. 2006, 150p. Dissertação. Programa de Pós Graduação em Gestão de negócios, Universidade Católica de Santos. Santos.
HITT, Michael A., IRELAND, R. Duane, HOSKISSON, Robert E. Administração estratégica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.
LIMA, Maurício Pimenta. Custeio do transporte rodoviário de cargas. In: FIGUEIREDO, K. F.; FLEURY, P. F.; WANKE P. (Org.). Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento do fluxo de produtos e de recursos. São Paulo: Editora Atlas, 2003.
LOPEZ, José Manuel Cortiñas. Os custos logísticos do comércio exterior brasileiro. São Paulo: Aduaneiras, 2000.
LOUZADA, Cláudia Espindola Cabral. Panorama dos portos secos no Brasil: avaliação e perspectivas. Dissertação (Mestrado em Engenharia Industrial) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.
MALHOTRA, Naresh. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2001.
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
MEGLIORINI, Evandir. Custos. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 2007.
MILANI NETO, Hermenegildo. Problemática da determinação do custo de pesquisa e desenvolvimento e de sua contabilização. 1982. Dissertação (Mestrado em contabilidade) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1982.
NASCIMENTO, Jonilton Mendes do. Custos: planejamento, controle e gestão na economia globalizada. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.
NOVAES, Antônio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001.
PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1989.
POSSAMAI, Osmar; NANSSEN, P. B. Indicadores de desempenho gerencial. Florianópolis: PPGEG. Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Universidade Federal de Santa Catarina, 1998.
ROCHA, Paulo César Alves. Logística & Aduana. 3. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2008.
SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernádez; LUCIO, Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.
SLACK, N.; LEWIS, M. Operations strategy. Londres: Pitman, 2002.
TOMÉ, Luciana Mota. Avaliação do desempenho logístico operacional de empresas no setor da floricultura: um estudo de caso no Ceará. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Transportes) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2004.
VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
YIN, Robert K. Estudo de caso: Planejamento e Métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
Publicado
2020-04-10