A suposta busca da versão “verdadeira” de um conto de fadas como provocação reflexiva metaficcional na esteira do possível

Autores

  • André Luiz Ming Garcia USP

Palavras-chave:

Contos de fadas, Metaficção, Chapeuzinho Vermelho, Literatura e conhecimento, Verdade do possível

Resumo

A busca de uma suposta versão “original” dos contos de fadas tradicionais parece ser, para a crítica e teoria do gênero, tão fascinante quanto as próprias textualidades que o integram. Tanto as persistentes tentativas de delimitação e circunscrição do papel criativo desempenhado por, à guisa de exemplo, Charles Perrault e os irmãos Grimm, em suas versões literárias dessas narrativas, quanto o empreendimento de buscas de registros das versões de sustentação oral que lhes antecederam denunciam o notável interesse por uma perseguição cartesiana da suposta verdade dos contos de fadas que, de algum ou de muitos modos, vai paradoxalmente de encontro ao tipo de conhecimento em que a arte e a literatura em si consistem: o âmbito de uma forma de saber superior sui generis regida pelos liames da verdade do possível. Aqui, tomando como exemplo a obra Chapeuzinho Vermelho: a verdadeira história, de Almodóvar-Taeger, dedicamo-nos às reflexões que ela, enquanto textualidade metaficcional, suscita sobre si mesma e sua natureza ao mostrar-nos suas (des)costuras. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGENCE BIBLIOGRAPHIQUE DE L’ENSEIGNEMENT SUPÉRIEUR – SUDOC. 2021. Disponível em: http://www.sudoc.abes.fr/cbs/xslt/DB=2.1//SRCH?IKT= 12&TRM=158000005&COOKIE=U10178,Klecteurweb,D2.1,E20e7605b-138,I2 50,B341720009+,SY,QDEF,A%5C9008+1,,J,H2-26,,29,,34,,39,,44,,49-50,, 53-78,,80-87,NLECTEUR+PSI,R177.33.34.177,FN. Acesso em: 13 out. 2021.

ALBUQUERQUE, J. Por que o conhecimento adquirido com a literatura é diferente de aprender jardinagem. Folha de S.Paulo, São Paulo, 1o jun. 2021. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/juliana-de-albuquerque/ 2021/06/por-que-o-conhecimento-adquirido-com-a-literatura-e-diferente-deaprender-jardinagem.shtml. Acesso em: 11 out. 2021.

ALMODÓVAR, A. R.; TAEGER, M. Chapeuzinho Vermelho: a verdadeira história. Tradução de Thais Rimkus. São Paulo: Callis, 2009.

ALMODÓVAR, A. R. La verdadera historia de Caperucita. Sevilha: Kalandraka, 2004.

AMAZON. Chapeuzinho vermelho: a verdadeira história. 2021. Disponível em: https://www.amazon.com.br/Chapeuzinho-Vermelho-Verdadeira-Hist%C3% B3ria-Almodovar/dp/8598750352/ref=sr_1_5?__mk_pt_BR=%C3%85M% C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&crid=3

TV3BON84Z6M&dchild=1&keywords=a+verdadeira+hist%C3%B3ria+da+chapeuzinho+vermelho&qid=1634169267&sprefix=chapeuzinho+vermelho+a+verdadeira+%2Caps%2C307& sr=8-5. Acesso em: 13 out. 2021.

BERNHEIMER, K. Fairy tale is form, form is fairy tale. In: ALLISON, D. et al. (org.). The writer’s notebook: craft essays from Tin House. Portland: Tin House Books, 2009. p. 61-73.

BOTTIGHEIMER, R. B. Fairy tales: a new history. New York: Excelsior Editions, 2010.

CAMPAGNO, M. These books made me really curious: how visual explorations shape the young reader’s taste. In: EVANS, J. (org.). Challenging and controversial picturebooks: creative and critical responses to visual texts. London: Routledge, 2015. p. 121-143.

CHKLOVSKI, V. A arte como procedimento. In: TOLEDO, D. de O. (org.). Teoria da literatura: formalistas russos. 3. ed. Porto Alegre: Globo, 1976. p. 39-56.

COELHO, N. N. Literatura: arte, conhecimento e vida. São Paulo: Peirópolis, 2000.

DARNTON, R. O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. São Paulo: Graal, 1986.

FARIA, M. L. G. de. Literatura: uma forma superior de conhecimento. Metamorfoses, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 143-156, 2015.

HUTCHEON, L. Narcissistic narrative: the metaficcional paradox. Waterloo: Wilfrid Laurier University Press, 1980.

JAKOBSON, R. Linguística e poética. In: JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1975. p. 118-162.

JEAN, L. O paradoxo de Charles Perrault: como contos de fadas aristocráticos se tornaram sinônimo de conservação folclórica. Literartes, São Paulo, v. 1, n. 12, p. 295-308, 2020.

KÜMMERLING-MEIBAUER, B. Die Kunstmärchen von Hofmannsthal, Musil und Döblin. Weimar: Böhlau, 1991.

NAVAS, D. Metaficção e a formação do jovem leitor na literatura infantil e juvenil contemporânea. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 83-95, 2015.

NIKOLAJEVA, M.; SCOTT, C. Livro infantil ilustrado: palavras e imagens. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

PABST, S. Zerstreute Autorschaft: Anonymität als Autorisierungsfunktion Grimmscher Märchen. Fabula, Berlin, v. 55, n. 1/2, p. 135-152, 2014.

SANTAELLA, L. A pós-verdade é verdadeira ou falsa? São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2018.

SANTAELLA, L. Literatura como forma de conhecimento. Ciência e Cultura, Rio de Janeiro, v. 72, p. 19-23, 2020.

SANTAELLA, L. A pós-verdade na era das fake news e deep fake. Curso livre [on-line]. Espaço Cult, São Paulo. Carga horária: 10 horas. Dias do curso: 14, 15, 16, 17, 17 jun. 2021, às 19 horas.

STOKER, P. Theorie der intertextuellen Lektüre: Modelle und Fallstudie. Paderborn: Ferdinand Schöningh, 1998.

UTHER, H.-J. Handbuch zu den “Kinder- und Hausmärchen” der Brüder Grimm: Entstehung, Wirkung, Interpretation. 2. ed. Berlin/Boston: De Gruyter, 2013. ZIPES, J. The trials and tribulations of Little Red Riding Hood. New York: Routledge, 1993.

Downloads

Publicado

2023-11-29

Como Citar

Luiz Ming Garcia, A. (2023). A suposta busca da versão “verdadeira” de um conto de fadas como provocação reflexiva metaficcional na esteira do possível. Todas As Letras - Revista De Língua E Literatura, 25(2), 1–15. Recuperado de https://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tl/article/view/15793

Edição

Seção

Literatura