ESG: A VALORIZAÇÃO DO SOCIAL PELAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL

Autores

  • Luan Vinicius Bernardelli Universidade Federal de Goiás

Palavras-chave:

ESG, Social, Capital Humano, discriminação salarial

Resumo

O objetivo deste trabalho é investigar se as empresas de capital aberto no Brasil tendem a ser mais comprometidas com a valorização do capital humano de seus trabalhadores, comparado com empresas de outros regimes jurídicos. Como objetivo complementar, este trabalho investiga se há discriminação salarial por gênero e raça dentro das empresas de capital aberto no país. Para alcançar os objetivos estabelecidos, este trabalho utiliza a base de dados da RAIS, que contém informações completas sobre os trabalhadores formais do Brasil. Os resultados encontrados apontam que os trabalhadores de Sociedades Anônimas abertas com ensino superior recebem 194% a mais do que empregados sem escolaridade, mostrando que as SAs valorizam o acúmulo de escolaridade. Contudo, os resultados ainda apontam que os homens tendem a receber mais do que as mulheres em todos os regimes jurídicos e que a maior diferença salarial por raça e sexo foi encontrada no poder executivo. Assim, fica evidente que existem falhas a serem sanadas no que diz respeito às diferenças salariais por gênero e raça dentro das empresas de capital aberto no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luan Vinicius Bernardelli, Universidade Federal de Goiás

Professor adjunto da Universidade Federal de Goiás. Doutor Economia pela Universidade Estadual de Maringá. Foi Visiting Scholar na Southern Cross University (supervisor: Dr. Michael Kortt). Mestre em Teoria Econômica pela Universidade Estadual de Maringá. Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual do Norte do Paraná. Atua nas áreas de Economia monetária e financeira, Economia Regional, Economia da Religião e Economia da Saúde. Também atua como revisor ad hoc em diversos periódicos nacionais e internacionais.

Referências

Amato-Neto, J. (2022). ESG INVESTING: Um novo paradigma de investimentos? São Paulo: Bluncher.

ANUP. (2023). ESG deve mirar em desigualdade racial no mercado de trabalho. Recuperado em 24 de janeiro, 2023, de https://anup.org.br/noticias/esg-deve-mirar-em-desigualdade-racial-no-mercado-de-trabalho

Becker, G. S. (1962). Investment in human capital: A theoretical analysis. Journal of Political Economy, 70(5), 9-49.

Bernardelli, L. V., & Michellon, E. (2019). Trabalho formal na cadeia de produção de carne bovina. Revista de Política Agrícola, 28(1), 18.

Bertão, N. (2023). Salários e oportunidades de trabalho iguais são principais indicadores de equidade de gênero. Recuperado em 24 de janeiro, 2023, https://valor.globo.com/empresas/esg/noticia/2022/03/11/salarios-e-oportunidades-de-trabalho-iguais-sao-principais-indicadores-da-equidade-de-genero.ghtml

Bloomberg. Índice de Igualdade de Gênero 2022 da Bloomberg mostra empresas cada vez mais comprometidas em relatar dados ESG. Recuperado em 24 de janeiro, 2023, https://www.bloomberg.com.br/blog/gei-da-bloomberg-revela-compromisso-maior-das-empresas-em-relatar-dados-esg/

Brandão, I. D. F., Diógenes, A. S. M., & Abreu, M. C. S. D. (2017). Value allocation to stakeholder employees and its effect on the competitiveness of the banking sector. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 19, 161-179.

Brasil, Presidência da República Casa Civil. Lei n° 6.385, de 7 de dezembro de 1976. Recuperado em 24 de janeiro, 2023, https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6385.htm

Brighenti, J., Jacomossi, F., & da Silva, M. Z. (2015). Desigualdades de gênero na atuação de contadores e auditores no mercado de trabalho catarinense. Enfoque: Reflexão Contábil, 34(2), 109-122.

Broadstock, D. C., Chan, K., Cheng, L. T., & Wang, X. (2021). The role of ESG performance during times of financial crisis: Evidence from COVID-19 in China. Finance research letters, 38, 101716.

Dyer, J. H., & Singh, H. (1998). The relational view: Cooperative strategy and sources of interorganizational competitive advantage. Academy of Management Review, 23(4), 660-679.

Friede, G., Busch, T., & Bassen, A. (2015). ESG and financial performance: aggregated evidence from more than 2000 empirical studies. Journal of sustainable finance & investment, 5(4), 210-233.

Greene, W. (2012). Econometric analysis. (7ª ed.) Pearson.

Halbritter, G., & Dorfleitner, G. (2015). The wages of social responsibility—where are they? A critical review of ESG investing. Review of Financial Economics, 26, 25-35.

Hill, J. (2020). Environmental, Social, and Governance (ESG) Investing: A Balanced Analysis of the Theory and Practice of a Sustainable Portfolio. New York: Academic Press.

Irigaray, H. A. R., & Stocker, F. (2022). ESG: novo conceito para velhos problemas. Cadernos EBAPE. BR, 20, 1-4.

Kastner, T. Conheça o índice ESG de equidade racial. Recuperado em 24 de janeiro, 2023, https://vocesa.abril.com.br/sociedade/conheca-o-indice-esg-de-equidade-racial

Khan, M., Serafeim, G., & Yoon, A. (2016). Corporate sustainability: First evidence on materiality. The accounting review, 91(6), 1697-1724.

Kotsantonis, S., & Serafeim, G. (2020). Human Capital and the Future of Work: Implications for investors and ESG integration. Journal of Financial Transformation, 51, 115-130.

Manolo Chávez, N., & Ríos, H. (2014). Discriminação salarial por gênero" efeito teto de vidro". Caso sete áreas metropolitanas da Colômbia. Dimensión empresarial, 12(2), 29-45.

Ogundari, K., & Awokuse, T. (2018). Human capital contribution to economic growth in Sub-Saharan Africa: does health status matter more than education?. Economic Analysis and Policy, 58, 131-140.

Passos, L., & Machado, D. C. (2022). Diferenciais salariais de gênero no Brasil: comparando os setores público e privado. Revista de Economia Contemporânea, 26.

Prestes, A. F., & Bezerra, F. M. (2019). Desigualdade salarial entre gêneros: análise por setor e região do Paraná. Economia & Região, 7(2), 29-45.

RAIS. Relação Anual de Informações Sociais. Microdados RAIS e CAGED. Recuperado em 24 de janeiro, 2023, http://pdet.mte.gov.br/microdados-rais-e-caged

Redecker, A. C., & Trindade, L. D. M. (2021). Práticas de ESG em sociedades anônimas de capital aberto: Um diálogo entre a função social instituída pela lei n 6.404/76 e a geração de valor. Revista Jurídica Luso Brasileira, 7(2), 59-125.

Rivera, J. J., Bigne, E., & Curras-Perez, R. (2016). Effects of corporate social responsibility perception on consumer satisfaction with the brand. Spanish Journal of Marketing-ESIC, 20(2), 104-114.

Schultz, T. W. (1961). Investment in human capital. The American Economic Review, 51(1), 1-17.

Downloads

Publicado

2023-11-30

Como Citar

Bernardelli, L. V. (2023). ESG: A VALORIZAÇÃO DO SOCIAL PELAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO BRASIL. Revista De Economia Mackenzie, 20(2), 70–91. Recuperado de https://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/rem/article/view/15979

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)