Paisagem, raça e justiça ambiental em Macapá (AP)

reflexões sobre a trama hídrica e sociorracial de uma cidade amazônica

Autores

  • Thales Barroso Miranda UFPA
  • Louise Barbalho Pontes UNIFAP
  • Matheus Cleber Melo Garcia UNIFAP

DOI:

https://doi.org/10.5935/cadernospos.v23n2p121-141

Palavras-chave:

Amazônia, Justiça ambiental, Planejamento da paisagem, Macapá.

Resumo

Nas cidades da Amazônia, o processo de urbanização mantém similaridades com as cidades do centro-sul do país, mas há um intenso entrelaçamento entre os processos sociais e os sistemas ambientais (água, vegetação e relevo), que conferem a idiossincrasia dessas paisagens, ao mesmo tempo que articula processos de degradação ambiental com segregação racial. Em que pesem os avanços dos processos predatórios nesse contexto, este artigo busca compreender os processos de urbanização na cidade de Macapá, identificando sobreposições entre a transformação da sua trama hídrica e a exclusão da população negra. Para isso, adota uma abordagem qualitativa, combinada com análise documental e elaboração de cartografia, a qual engloba recortes espaciais da parte central e da área de expansão da cidade. A pesquisa tem como base os conceitos de planejamento da paisagem e de justiça ambiental e revela que o avanço da urbanização alterou o território por meio das mudanças das características biofísicas, de modo a gerar injustiça ambiental para determinados grupos sociais historicamente marginalizados.

Palavras-chave:  Amazônia, justiça ambiental, planejamento da paisagem, Macapá.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Louise Barbalho Pontes, UNIFAP

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Pará (2012), aperfeiçoamento profissional em Arquitetura Sustentável pela ANAVIF - Valencia, Espanha (2012), mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Pará (2015) e doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Participou de mobilidade acadêmica na Universidade de Pequim, China (2011), na Universidade Autônoma de Barcelona, Espanha (2015) e na Universidade Politécnica da Catalunha (2018-19). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em desenho urbano, atuando principalmente nos seguintes temas: desenho da paisagem, desenho urbano e relações cidade-natureza na Amazônia. Atualmente é professora do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Amapá.

Referências

ARAÚJO, R. As cidades da Amazónia no século XVIII: Belém, Macapá e Mazagão. Porto: Faup, 1998.

BEZERRA NETO, J. Escravidão negra no Grão-Pará. Belém: Paka-Tatu, 2001.

BRITO, D.; BASTOS, C.; FARIAS, R. Ambiente, cultura e territorialidade na Área de Proteção Ambiental do Rio Curiaú - AP. Ciência Geográfica, v. 21, n. 2, 2017.

BULLARD, R. Dumping in Dixie: race, class, and environmental quality. New York: Routledge, 1990.

CANTUÁRIA, E. APA do Rio Curiaú e a cidade de Macapá: relações sociais, jurídicas e ambientais. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito Ambiental e Políticas Públicas) – Universidade Federal do Amapá, Macapá, 2011.

CARVALHO, B. Habitação popular na Amazônia: o caso das ressacas na cidade de Macapá. Curitiba: Appris, 2020.

CORNER, J. Terra Fluxus in Waldheim. Princeton: The Landscape Urbanism, 2006.

COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS (CPRM). Cartas de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e inundações. Belém: CPRM., 2015. [Cartografia digital, formato shapefile].

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO (FJP). Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDU). Macapá: Ministério do Interior, 1973.

GARCIA, M.; VASCONCELOS, A.; PONTES, L. A cidade no estuário do Rio Amazonas: mapeando apagamentos e sobrevivências na convivência com as águas na cidade de Macapá-AP. In: Encontro Nacional de Ensino de Paisagismo nas Escolas de Arquitetura do Brasil, 16., 2022, Cuiabá. Anais [...]. Cuiabá: Enepea, 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. Resultados do universo. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 7 jan. 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Contas regionais Amapá PIB 2019. Macapá: Seplan, 2021. Disponível em: https://editor.amapa.gov.br/arquivos_portais/publicacoes/SEPLAN_d186d52e74e6c70dc12e7a5a62a8c380.pdf. Acesso em: 7 jan. 2023.

HERCULANO, S. Riscos e desigualdade social: a temática da justiça ambiental e sua construção no Brasil. Indaiatuba: Encontro da ANPPAS, 2002.

HOUGH, M. Cities and natural process. Londres: Routledge, 1995.

MACEDO, L. Janarismo em foco: a representação fotográfica da cidade de Macapá durante a formação do Território do Amapá (1944-1956). 2020. Tese (Doutorado em Urbanismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

MARICATO, E. Urbanismo na periferia do mundo globalizado. Metrópoles brasileiras. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 4, 2000.

MATSUNAGA, M. Quando a água vira cidade: urbanização e moradia em Macapá, AP. 2021. Tese (Doutorado em Urbanismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.

McHARG, I. Design with nature. New York: American Museum of Natural History, 1969.

METZGER, J. O que é ecologia de paisagens? Biota Neotropica, Campinas, v. 1, n. 1, 2001.

PESSOA, M.; VENERA, R. (Re)pensando o passado e o presente dos afrodescendentes a partir da Fortaleza de São José de Macapá. Revista do Desenvolvimento Regional, v. 12, n. 2, 2015.

PONTES, L. Espaço (em) aberto: brechas à reinvenção do projeto e da paisagem, um estudo sobre a cidade de Macapá. 2021. Tese (Doutorado em Urbanismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MACAPÁ (PMM). Lei n. 26, de 4 de fevereiro de 2004.

Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental de Macapá e dá outras providências. Macapá: Prefeitura Municipal, 4 fev. 2004. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/plano-diretor-macapa-ap. Acesso em: 20 set. 2023.

QUEIROZ, S. Território quilombola do Curiaú e área de proteção ambiental do Rio Curiaú: interpretações dos conflitos socioambientais pela economia ecológica. 2007. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2007.

Secretaria de Estado de Cultura do Pará (SECULT). O Pará por Augusto Montenegro. Paris: Imprimerie Chaponet (Jean Cussac), 1908.

SPIRN, A. O jardim de granito. São Paulo: Edusp, 1995.

TOSTES, J. Planos Diretores no estado do Amapá: uma contribuição para o desenvolvimento regional. Macapá: Tostes Editora, 2006. 192 p.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: Fapesp: Lincoln Institute, 1998.

Publicado

2023-12-20 — Atualizado em 2023-12-20

Versões

Como Citar

BARROSO MIRANDA, T.; BARBALHO PONTES, L.; CLEBER MELO GARCIA, M. Paisagem, raça e justiça ambiental em Macapá (AP): reflexões sobre a trama hídrica e sociorracial de uma cidade amazônica. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 121–141, 2023. DOI: 10.5935/cadernospos.v23n2p121-141. Disponível em: https://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/cadernos.pos.au.2023.2.Paisagem. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos