Esta é uma versão desatualizada publicada em 2023-12-20. Leia a versão mais recente.

A cidade e o mar

reflexões sobre a região portuária do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5935/cadernospos.v23n2p232-246

Palavras-chave:

Rio de Janeiro, Baía de Guanabara, Zona portuária, Porto Maravilha, Transformação urbana

Resumo

O porto da cidade do Rio de Janeiro sofreu duas grandes transformações urbanas – a Reforma Passos (início do século XX) e o projeto Porto Maravilha (século XXI), esse como parte do legado dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Entre esses dois momentos, as regiões portuárias no mundo passaram por processos de conversão para lugares de turismo e de lazer. No caso do Porto Maravilha, foram construídos espaços culturais, como Museu do Rio e Museu do Amanhã, além do Aquário Marinho do Rio (AquaRio) e de uma roda-gigante. Mas, e o meio ambiente, mais especificamente a Baía de Guanabara, como ela foi (é) impactada nesse projeto? Como a região portuária “dialoga” com a Baía de Guanabara? Nosso objetivo é, por meio de uma breve pesquisa histórica, entender de que forma a frente d’água foi incorporada ao projeto de renovação urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra de Figueredo Porto, IBMEC-RJ

Doutora em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/PPGCOM-UERJ (2021). Mestre em Comunicação pelo PPGCOM-UERJ (2014). Especialista em Marketing pela Universidade Estácio de Sá (2000). Graduada em Comunicação Social (Habilitação: Relações Públicas) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1991). É professora do IBMEC/RJ (Graduação em Comunicação Social/Graduação em Administração) e da Pós-Graduação (Lato Sensu/MBA). Foi coordenadora do MBA em Comunicação nas Organizações da Escola de Pós-Graduação das Faculdades Integradas Hélio Alonso/FACHA (2016/2018). Leciona nos cursos de MBA da Universidade Estácio de Sá desde o ano de 2020. Lecionou na Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Candido Mendes/UCAM (2015) e nos cursos de MBA do Instituto de Gestão e Comunicação da FACHA (2015/2017). É pesquisadora associada aos seguintes núcleos desde o ano de 2018: Laboratório de Comunicação, Arte e Cidade (CAC-UERJ/coordenação: Profa. Dra. Cíntia Sanmartin Fernandes) e do Laboratório de Comunicação, Cidade e Consumo (LACON-UERJ/coordenação: Prof. Dr. Ricardo Ferreira Freitas). Foi professora das seguintes instituições de ensino: SENAC (2016/2017), Faculdade CCAA (2010/2014) e Universidade Gama Filho (2004/2007). Profissional de Comunicação e de Marketing, com ênfase nas seguintes áreas: Comunicação Organizacional, Relações Públicas, Pesquisa e Planejamento de Marketing. 

Maria Helena Carmo dos Santos, UERJ e FACHA

Doutora em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/PPGCOM-UERJ (2016). Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999). Especialista em Novas Tecnologias da Educação e do Treinamento Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas/RJ (2000). Graduação em Relações Públicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1994), graduação em Letras (Português/ Inglês) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990). É professora das Faculdades Integradas Hélio Alonso (FACHA) desde 2008 e professora substituta da Faculdade de Comunicação Social da Uerj. De 2012 a 2015, foi coordenadora do curso de Relações Públicas das Faculdades Integradas Hélio Alonso (FACHA), onde também coordenou o Escritório de Relações Públicas de 2009 a 2011 e de 2013 a 2018 (abril). Professora da Universidade Gama Filho, nos cursos de Comunicação Social e Administração de 2000 a 2007. Também já integrou o corpo docente de Pós-Graduação da A Vez do Mestre/UCAM. Profissional de Comunicação, com ênfase em Comunicação Organizacional e Relações Públicas.

Referências

AMADOR, E. S. Baía de Guanabara e ecossitemas periféricos. Rio de Janeiro: Imprenta, 1997.

AMADOR, E. S. Baía de Guanabara: ocupação histórica e avaliação ambiental. Rio de Janeiro: Interciência, 2013.

BEATLEY, T. Blue urbanism: exploring connections between cities and oceans. Washington, DC: Island Press, 2014.

BRAGANÇA, D. Baía de Guanabara com águas cristalinas não é por causa da quarentena. O Eco, abr. 2020. Disponível em: https://www.oeco.org.br/noticias/baia-de-guanabara-com-aguas-cristalinas-nao-e-por-causa-da-quarentena/. Acesso em: 20 fev. 2023.

BUSH, J.; DOYON, A. Building urban resilience with nature-based solutions: how can urban planning contribute? Cities 95, 2019. Disponível em: www.elsevier.com/locate/cities. Acesso em: 20 fev. 2023.

CASTRIOTA, L. B. Patrimônio cultural: conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume, 2009.

FLORIAN, M.-C. Projeto de regeneração urbana de Renzo Piano transforma a orla marítima de Gênova. ArchDaily, 4 nov. 2022. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/991536/projeto-de-regeneracao-urbana-de-renzo-piano-transforma-a-orla-maritima-de-genova?ad_campaign=normal-tag. Acesso em: 23 maio 2023.

FRANCO, L. Incompleto após um ano, VLT do Rio vira transporte do horário do almoço. Folha de S.Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/06/1890862-apos-um-ano-vlt-vira-transporte-do-horario-do-almoco-para-os-cariocas.shtml. Acesso em: 23 fev. 2023.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução Beatriz Sidou. Sāo Paulo: Centauro, 2006.

HONORATO, C. Porto do Rio de Janeiro: entre o passado e o futuro. In: SANTOS, F. G. (org.). Portos e cidades: movimentos portuários, Atlântico e diáspora africana. Ilhéus: Editus, Editora da Uesc, 2011. p. 123-144.

INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE (INEA). Boletim consolidado de qualidade das águas da Baía de Guanabara. Resultados referentes aos anos de 2014-2021. Inea, 2022. Disponível em: http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/2022/05/Boletim-IQA-M%C3%A9dio-RH-V-Ba%C3%ADa-de-Guanabara-2014-2021.pdf. Acesso em: 23 fev. 2023.

MARQUES, F. As praias perdidas: erosão e recuo do mar redesenham o litoral brasileiro. Pesquisa Fapesp, n. 92, out. 2003. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/as-praias-perdidas/. Acesso em: 23 fev. 2023.

MASSEY, D. B. Pelo espaço: uma nova política de especialidade. Tradução: Hilda Pareto e Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MESENTIER, L. M.; MOREIRA, C. Produção da paisagem e grandes projetos de intervenção urbana: o caso do Porto Maravilha no Rio de Janeiro Olímpico. RBEUR, v. 16, n. 1, p. 35-50, 2014. Disponível em: http://rbeur.anpur.org.br/rbeur/article/view/4822. Acesso em: 23 fev. 2023.

MODAI-SNIR, T.; VAN HAM, M. Neighbourhood change and spatial polarization: the roles of increasing inequality and divergent urban development. Cities 82, Elsevier, 108-118, 2018. Disponível em: www.elsevier.com/locate/cities. Acesso em: 20 fev. 2023.

MONIÉ, F.; VASCONCELOS, F. N. Evolução das relações entre cidades e portos: entre lógicas homogeneizantes e dinâmicas de diferenciação. Revista Franco-brasileira de Geografia, Confins, 2012. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/7685. Acesso em: 23 fev. 2023.

MOURA, D.; GUERRA, I.; SEIXAS, J.; FREITAS, M. J. A revitalização urbana: contributos para a definição de um conceito operativo. Cidades, Comunidades e Territórios, n. 12/13, p. 15-34, 2006.

NOBRE, C. Megacidades, vulnerabilidades e mudanças climáticas: Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Relatório Região Metropolitana do Rio de Janeiro, 2011.

PANERAI, P. Análise urbana. Brasília: Edu-UnB, 2006.

PERROTTA, I. Promenades do Rio: a turistificação da cidade pelos guias de viagem de 1873 a 1939. Rio de Janeiro: Rio450/Hybris Design, 2015.

POLÓNIA, A. Cultura, espaço e memória, 2018. Disponível em: http://www.citcem.org/. Acesso em: 25 jan. 2023.

POLÓNIA, A.; ANTUNES, C. Port-cities in the First Global Age, Portuguese agents, networks and interactions. In: POLÓNIA, A.; ANTUNES, C. (org.). Seaports in the First Global Age: Portuguese agents, connections and networks. Porto: U.Porto Press, 2016.

RABHA, N. M. C. E. Centro do Rio: perdas e ganhos na história carioca. Rio de Janeiro: PPGG/UFRJ, 2006.

REIS, P. Rio de Janeiro, a marca de uma cidade criativa? Conceitos e casos que nos levam a entender a cidade e sua marca pelo olhar da economia criativa. In: FIGUEIREDO, J. L.; JESUS, D. S. V. (org.). Cidades criativas: aspectos setoriais e territoriais. Rio de Janeiro: E-Papers, 2017. p. 115-131.

RICARDO, S. Por que botos reaparecem na Baía de Guanabara? Diário do Rio, 20 maio 2020. Disponível em: https://diariodorio.com/sergio-ricardo-por-que-os-botos-reapareceram-na-baia-de-guanabara/. Acesso em: abr. 2023.

RIOMEMÓRIAS. Da mais bela à boca banguela: a Baía de Guanabara sob olhares do mundo. Disponível em: https://riomemorias.com.br/memoria/da-mais-bela-a-boca-banguela-a-baia-de-guanabara-sob-olhares-do-mundo/. Acesso em: 23 fev. 2023.

ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, L. Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.

SANT’ANNA, M. A cidade-atração: patrimônio e valorização de áreas centrais no Brasil dos anos 90. Salvador: EDUFBA-PPG-AU/UFBA, 2017.

SANTOS, F. S. D. Práticas e saberes sobre cura na comunidade portuária do Rio de Janeiro no século XX. In: SANTOS, F. G. (org.). Portos e cidades: movimentos portuários, Atlântico e diáspora africana. Ilhéus: Editus, Editora da Uesc, 2011. p. 145-178.

SANTOS, M. H. C.; PORTO, A. F. Do porto do Rio ao Porto Maravilha: serviços, cultura e lazer na área portuária carioca. In: AZEVEDO, A.; GAUZISKI, D. (org.). O porto do Rio e outras espacialidades cariocas. Rio de Janeiro: Estudos Americanos, 2021. p. 38-55.

SANTOS, T. C.; COELHO, C. D. O capital genético das redes de espaço público: mutações e persistências. In: Seminário Internacional Ordem, Desordem e Ordenamento, 2009. Anais [...]. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

TARCSAY, A. F. A Cidade e o Mar: Intervenções Urbanísticas de Valorização com o Foco em Aquário. Alessandra de Figueiredo Tarcsay; Thereza Christina Couto Carvalho, orientadora. Tese doutorado – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2021. 370 f.: il. DOI: http://dx.doi.org/10.22409/PPGAU.2021.d.01889191710.

VILARES, E. Back to the City: o discurso e as metodologias da regeneração urbana. Cidades, Comunidades e Territórios, n. 7, p. 100-109, 2003.

Publicado

2023-12-20

Versões

Como Citar

TARCSAY, A.; DE FIGUEREDO PORTO, A.; CARMO DOS SANTOS, M. H. A cidade e o mar: reflexões sobre a região portuária do Rio de Janeiro. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 232–246, 2023. DOI: 10.5935/cadernospos.v23n2p232-246. Disponível em: https://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/cadernos.pos.au.2023.2.Acidadeomar. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos