DESEMPENHO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM CASOS DE PARADA CARDIORRESPIRÁTORIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A FORMAÇÃO PROFISSIONAL

  • Douglas Figueiredo Cossote Universidade São Judas Tadeu
  • Sheila Aparecida Pereira dos Santos SILVA Universidade São Judas Tadeu
  • Maria Luiza de Jesus MIRANDA Universidade São Judas Tadeu

Resumo

O conhecimento dos profissionais da área da saúde no que se refere ao pronto-atendimento em situações de emergência, como na parada cardiorrespiratória (PCR), é fundamental para sua formação, uma vez que em seu ambiente de trabalho lidam com pessoas que podem sofrer um evento súbito. O objetivo deste estudo é contribuir com a formação do profissional de Educação Física (EF) em relação ao conhecimento sobre intervenção primária em PCR e reanimação cardiopulmonar (RCP), apresentando observações e sugestões a respeito da formação inicial e continuada. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, envolvendo 24 profissionais de EF que trabalham em academias da zona leste de São Paulo, de ambos os sexos, com no mínimo dois e no máximo 12 anos de formados, que foram submetidos a uma intervenção didática na qual foi sondado o conhecimento teórico e prático acerca do assunto por meio de um questionário fechado com 21 questões, das quais 13 referentes à identificação do respondente e aspectos relativos à sua formação inicial, e oito para avaliar os conhecimentos técnicos em relação ao atendimento de primeiros socorros com o uso da manobra de RCP em possíveis causas de eventos súbitos. Após o preenchimento do questionário, participaram, individualmente, de uma simulação de atendimento a PCR em adulto, utilizando um boneco para treinamento, em que deveriam executar as técnicas de RCP estabelecidas pela diretriz de 2005 da American Heart Association (AHA). Foi usada uma ficha de observação com a finalidade de obter dados que permitiram identificar o conhecimento via aplicação das técnicas de RCP, verificando seu conhecimento teórico-prático para uma intervenção. A etapa seguinte constou de um treinamento teórico-pratico de quatro horas/aula, no qual puderam se atualizar com relação às novas diretrizes da AHA/2010; após o curso, responderam a um questionário com quatro questões abertas em que se manifestaram a respeito do conteúdo do curso e fizeram observações sobre 144 a formação inicial e continuada. O estudo concluiu que é recomendável a oferta permanente de atualização de profissionais de EF em relação a PCR e RCP.

Palavras-chave: parada cardiorrespiratória; educação física; formação continuada.

Biografia do Autor

Douglas Figueiredo Cossote, Universidade São Judas Tadeu
Possui graduação em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu, Pós-graduado em Psicopedagogia, Mestrando em Educação Física. Atualmente é professor da Universidade São Judas Tadeu, Faculdades Drummond; Professor no curso de pós-graduação da Universidade Gama Filho; Sargento do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Tem experiência na área de Educação Física e Esporte, com ênfase em Primeiros Socorros
Sheila Aparecida Pereira dos Santos SILVA, Universidade São Judas Tadeu
Graduação, Titulação e Linhas de Pesquisa: Graduada em Educação Física pela USP, com curso  de Especialização em Técnica Desportiva em Basquetebol. Cursou também Pedagogia  na USP com Habilitação em Administração Escolar. Na PUC realizou seu curso de  Mestrado em Supervisão e Currículo e o Doutorado em Psicologia Educacional.  Realizou estágio de Pós-Doutorado no Instituto Nacional de Educação Física de  La Coruña, na Espanha. Na USJT, coordena o Grupo de Estudos da Motricidade  Humana, vinculado à Red Internacional de Investigadores de la Motricidad  Humana. A Red inclui pesquisadores da Espanha, Brasil, Portugal, Argentina,  Colômbia e Chile e possui uma revista digital que publica a produção de seus  componentes. Na pós-graduação atua nas linhas “Educação Física, Escola e  Sociedade” e “Fenômeno Esportivo”.
Maria Luiza de Jesus MIRANDA, Universidade São Judas Tadeu
Graduação, Titulação e Linhas de Pesquisa: Licenciada em Educação Física pela Universidade de São Paulo (1975), mestre em Educação Física pela Universidade de São Paulo (1991) e doutora em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é docente da Pós-Graduação Stricto-Sensu da Universidade São Judas Tadeu, sendo orientadora nos mestrados em Educação Física e Ciências do Envelhecimento e no doutorado em Educação Física. Coordena o Grupo de Estudo e Pesquisa Sênior e foi uma das idealizadoras da proposta de educação física para idosos baseada na educação dialógica de Paulo Freire e no ideário da Promoção da Saúde, implementada no projeto de extensão Projeto Sênior para a Vida Ativa. Na pós-graduação em Educação Física atua nas linhas:  “Promoção e Prevenção em Saúde” e “Educação Física, Escola e Sociedade”.
Publicado
2016-08-15